Fui assaltado e a chave presencial ficou no meu bolso. E agora?

Todos estão sujeitos a situação infeliz de ter o carro roubado. O que acontece quando levam o automóvel e a chave presencial fica com o dono?

Por Boris Feldman 27/09/20 às 21h31
chave presencial bolso motorista dono carro roubado
Proprietário do carro com a chave presencial em seu bolso (Foto: Shutterstock)

A chave presencial está ficando cada vez mais comum. É aquela que basta  o motorista carregar no bolso ou deixar no console. Para ligar ou desligar o carro, é só apertar um botão.

A dúvida é:

“Estou dirigindo com a chave no bolso, sou assaltado, entrego o carro sem resistência para os bandidos. Saio do carro, vou para um lado, eles entram e vão para o outro. O motor, por acaso, desliga depois que o carro anda alguns quilômetros?”

Não, o motor continua funcionando normalmente. E o problema só vai aparecer quando os bandidos tiverem desligado o motor e forem ligar de novo.

Porque aí, o sistema vai exigir a presença da chave. Alguns carros ainda permitem que o motor seja novamente acionado – desde que tenha ficado desligado apenas por alguns minutos. Porém, na maioria dos automóveis, nem isso.

Proprietário do carro com a chave presencial em seu bolso
Os ladrões só vão perceber que não poderão utilizar o carro após desligá-lo e tentar dar partida sem a chave presencial (Foto: Shutterstock)
Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Carlos 28 de setembro de 2020

No caso do meu Polo, qdo me afasto do carro ligado e com a chave no bolso, um apito e uma mensagem aparece no painel alertando sobre o distanciamento da chave.
O q fazer neste caso?

Avatar
Deixe um comentário