Motor 1.0 foi melhorado com o tempo e oferece mais potência

Ele chegou, foi embora, e agora voltou - mas não é mais o mesmo; entenda como o propulsor ganhou o mercado outra vez

Por Boris Feldman 26/05/18 às 08h00
imagem 17 easy resize.com

O carro chamado popular (com motor 1.0) tomou conta do mercado e chegou a representar 70% das vendas do mercado brasileiro. Fácil de explicar: ele foi criado em uma época de crise de vendas e o governo, para estimular a indústria (já houve época em que isto ocorria), praticamente zerou o IPI do do automóvel. Ora, pagando menos impostos, os carros 1.0 tiveram seu preço extremamente reduzido – e as vendas aceleradas.

Entretanto, quando o motor 1.0 surgiu na década de 90, era subpotenciado, cansava o motorista pela falta de desempenho e se arrastava pelas estradas quando carregado. No início dos anos 2000, começou a ocorrer uma virada no mercado e, com crédito farto e juros baixos, o freguês preferia pagar um pouco mais e partir para um carro com motores de maior cilindrada.

A participação do motor 1.0 já tinha despencado para 35% das vendas quando houve no mundo inteiro um esforço de “Downsizing” dos motores, ou seja, uma redução da cilindrada para diminuir consumo e emissões, sem prejuízo do desempenho.

Carrões americanos com um V8 sob o capô foram rebaixados para um mísero V6. Os de seis cilindros perderam dois deles. Carros compactos com motores de quatro cilindros tiveram cilindrada reduzida e um 1.5 gera hoje maior potência que um antigo 2.0. No caso dos motores 1.0, quase todos perderam um cilindro e se tornaram tricilíndricos.

E, por incrível que pareça, chegam a oferecer o dobro da potência dos antigos “populares”. Também pudera: central eletrônica no lugar do carburador e distribuidor, injeção direta, dois eixos comandos com fase variável, um cilindro a menos, turbo e outras tecnologias levaram o carro com motor 1.0 para um haras de até 125 cv.

motor 1.0 fiat mobi firefly

E aí ocorreu nos últimos dois ou três anos o fenômeno inverso e todos voltaram para o motor 1.0. O primeiro foi o Hyundai HB20 e depois vieram o Volkswagen Fox, up! e Gol. Nissan March e Versa, Ford Ka e Fiesta também.

Mais recentemente os Renault Logan e Sandero e os Fiat Uno e Mobi. E até, ora vejam, o Volkswagen Golf, um hatch médio, foi também equipado com um motor 1.0 tricilíndrico e turbinado. Desenvolve 125 cv, potência maior que a oferecida pelo 2.0 que equipava o Jetta até o ano passado (120 cv).

Foto Fiat | Divulgação

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Carlos Freitas 18 de setembro de 2019

Acho que os novos motores 1.0 são apenas para custar menos as montadoras e pagar menos impostos, ok pode colocar 125cv num motor 1.0 turbo 3 cilindros, mas este terá que fazer um esforço muito mais alto para dar o mesmo rendimento que o 1.6 ou 1.8 aspirado… Logo estas turbinas vão quebrar, a durabilidade do motor será menor, a manutenção será mais cara. Então não se iludam o 1.0 3 cilindros turbo nada mais é que a fábrica ter mais lucro com uma construção mais barato e o carro continua o preço de um 1.6, 1.8 até mesmo 2.0 mas te entregam o 1.0 que irá com certeza durar menos que o aspirado de potência equivalente. Você pode pegar o seu Celta 1.0 colocar um turbo e chagar a 120cv até 150cv fácil mas seu motor não vai aguentar por muito tempo. Então não se mede um carro só pela potência, veja quantos furos ele precisa para atingir o torque máximo do motor, veja a construção do motor 3 ou 4 cilindros, se é injeção direta ou não, se é de alumínio ou de ferro, se comando é variável ou simples, se o cabeçote é 8, 12 ou 16 válvulas… Enfim há uma série de fatores que são inevitáveis e sim posso dizer que estes carros após o período de garantia acabar terão seus preços derrubados e serão novos na venda… Até daqui 6 anos.

Avatar
Deixe um comentário