Ao trocar as pastilhas de freio, deve-se trocar também os discos?

Trocar as pastilhas de freio exige a substituição do disco? Cuidado, não caia nessa picaretagem. Eu explico aqui o que deve ser feito

Por Boris Feldman22/07/20 às 21h31

Numa longa lista de componentes do automóvel com vida útil limitada e que devem ser necessariamente substituídos, como embreagem, pneus, amortecedores, óleos, velas e outros, estão as pastilhas de freios.

Elas são produzidas com um material, digamos, macio, pois quando se aciona o freio elas se atritam contra os discos (de aço); e, portanto, sua vida é limitada.

Mas cuidado com a PI-CA-RE-TA-GEM! Pois a troca das pastilhas não implica automaticamente na troca dos discos de freio, que duram muito mais que as pastilhas.

Se não apresentam nenhum empenamento, deformação ou sulcos profundos provocados pelas pastilhas, eles podem continuar. Nem que seja necessária uma pequena retífica para restaurá-los.

Mecânico conferindo as pastilhas de freio do carro junto do disco
Trocar as pastilhas de freio exige a substituição do disco? Cuidado, não caia nessa picaretagem (Foto: Shutterstock)
Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
6 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Eng. Arnaldo dos Reis Santos 27 de julho de 2020

    Ha controvérsias. No início da introdução dos freios a disco, as partilhas eram constituídas de material bem mole pois, a ideia era trocar as pastilhas várias vezes e a ideia do material mole era para não deformar o disco, peca muito cara na época. Era comum dar um passe nas 2 trocas de pastilha possíveis na época. Com o tempo o disco passou a ser produzido em grande escala reduzindo seu valor. Surge um novo conceito. Fazer uma pastilha mais dura e durável. E melhorar a temerá do disco de forma que ambos durem a mesma quilometrage. Eu acabo de trocar as pastilhas e discos dianteiros do meu new civic ano 2007/2007 com quase 80.000 km. O mesmo fiz com o Peugeot 206 2000/2000 cujas pastilha e discos dianteiros duraram seus 80.000 km.
    Pode ser que outras marcas especialmente as americanas e alemãs ainda usem discos e pastilhas menos duráveis. E o que conclui pois recentemente troquei as pastilhas e disco de meu gol 2012/2012 com apenas 22.000 km. Sim rodei muito pouco com ele.

    • Avatar
      Arnaldo dos Reis Santos 27 de julho de 2020

      Hops! Onde se lê temerá leia-se tempera. O corretor sabotou meu texto…

    • Avatar
      Thiago 31 de julho de 2020

      Verdade. Troquei discos e pastilhas originais de um Palio que era meu e o disco já estava quase na espessura mínima. E olha que a pastilha tinha bastante material pra gastar. Se eu deixasse por mais tempo, creio que pastilhas e discos teriam atingido espessura mínima juntos.

  • Avatar
    Fernando B 23 de julho de 2020

    Se fizer a preventiva da pastilha, dá pra segurar até três trocas de pastilha para substituir o disco. Agora quem deixa a pastilha chegar no talo, sem chances. Lembrando, ao trocar a pastilha, troque o fluido tbm.

  • Avatar
    Valdir Cecunello 23 de julho de 2020

    Sempre troquei os dois. Faço o serviço em casa mesmo. Mas nas oficinas, no mínimo um passe de retifica, se a medida do disco permitir. O assentamento fica muito melhor e a frenagem atinge os 100% em pouco tempo. Tem economia que não vale a pena fazer. E a cada dois anos deve-se trocar o fluído dos sistema. Grande abraço.

  • Avatar
    Halverson 22 de julho de 2020

    O que deveria ser trocado junto com as pastilhas de freio é o fluido.

Avatar
Deixe um comentário