Honda CBR 1000RR Fireblade SP: vitrine acelerada

A versão Fireblade SP, tem a sofisticação de suspensões semi-ativas Ohlins, duplo quickshifter, freios Brembo, mais potência e menos peso

Os modelos superesportivos representam para as montadoras uma espécie de cartão de visitas, pois servem para demonstrar alta tecnologia e máxima eficácia em performance. A rigor, o conjunto tem maior a potência e o menor peso possíveis: uma equação solucionada com ajuda de componentes nobres e também muita eletrônica. Esta foi a fórmula adotada pela Honda CBR 1000RR Fireblade SP, versão 2018, a topo de linha da família CBR Fireblade (Lâmina de Fogo), que foi lançada em fins de 1992, há 25 anos, ainda com motor de 900 cm³.

A CBR 1000RR Fireblade SP conserva a arquitetura de motor com quatro cilindros em linha, mas ganhou nova cavalaria e o conceito de “controle total”, devido ao acelerador eletrônico, que equipa o modelo pela primeira vez. O propulsor fornece 192 cv a 13.000 rpm e um torque de 11,82 Kgfm a 10.000 rpm.

A massa total da moto, já abastecida, é de 195 kg, o que proporciona uma relação entre peso e potência extremamente favorável. Para tanto, o regime foi aos “mínimos detalhes”, com redução no peso de parafusos e arruelas, na espessura de peças plásticas e nas rodas, com cinco raios (subdivididos) em vez de seis.

Lipoaspiração na Honda CBR 1000RR Fireblade

A bateria é em íon-lítio, e tanque (de 16 litros) e escape são em titânio, material inédito em modelos do segmento. Além disso, a tampa de motor é em magnésio, o radiador ficou menor e o quadro em alumínio é mais leve, com vigas mais finas. O resultado foi uma lipoaspiração, com redução de 15 kg na balança, combinado com acréscimo de 11 cv de potência, em relação à versão anterior.

A Fireblade SP (Sports Production) conta ainda com decoração inspirada nos modelos HRC (Honda Racing Corporation), que competem em várias modalidades ao redor do mundo.

Com menor peso e maior potência, a Fireblade SP tem um cérebro eletrônico que gerencia a entrega de potência. Quem recolhe as informações sobre a dinâmica da moto é a Unidade de Medida de Inércia (IMU), que percebe qualquer inclinação (em cinco eixos), aceleração e frenagem, para ajustar instantaneamente o controle de tração e a dosagem dos freios ABS com precisão cirúrgica.

Além disso, tem cinco modos de pilotagem. Street (mais manso), Widing (mais esportiva) e Track (totalmente esportiva), além de mais dois modos amplamente personalizáveis (cinco níveis de entrega de potência e nove de torque) ao gosto do piloto, que também podem ser memorizados.

Acelerando a superesportiva

A Fireblade SP tem ainda a possibilidade de ajustar em três níveis o freio motor. Um “pacotaço” que também conta com suspensões de última geração Ohlins semi-ativas (auto-reguláveis em três níveis), que podem ainda ser ajustadas manualmente.

Além disso, na hora de acelerar, o amortecedor de direção regula a “leveza” do guidão e o “barato” do quickshifter permite trocar as marchas para cima, sem desacelerar e sem usar a embreagem, que é deslizante. Funciona também para baixo, quando dá até uma aceleradinha para equilibrar os giros. O resultado é o tal conceito de “controle total”, que também poderia ser “diversão total”, ou ainda “adrenalina total”, com a opção da eletrônica desligada…

Para brecar, mais sofisticação e precisão. A Fireblade SP tem pinças radiais monobloco Brembo, com duplo disco dianteiro. O painel em tela digital LCD (ajustável) também conta com a luzinha (shift light), que acende indicando a hora de trocar as marchas. Já a iluminação é em LED, com os faróis afilados para reduzir a área frontal e melhorara a aerodinâmica.

Entretanto, a Fireblade SP é egoísta. Só tem lugar para o piloto, que fica na tradicional posição agressiva de ataque, curvado para frente. A Honda CBR 1000RR Fireblade SP tem preço sugerido de R$ 79.900.

Confira a galeria de fotos:

Fotos Honda | Divulgação

Dê sua opinião:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

Publicado por

Especialista na cobertura do mercado de motocicletas e competições com mais de 30 anos de experiência.

Últimas Notícias

Como funciona o IPVA de carros antigos? Isenção é regra no Brasil?

Cobrança da taxa é de responsabilidade de cada estado; no geral, veículos com mais de 15 anos de fabricação são…

3 de agosto de 2020

‘Nova gasolina’ ou etanol? Continua a regra dos 70%?

Regra que determinas novo padrão para o combustível começa a valer nesta segunda-feira (3) e promete melhorar consumo em até…

3 de agosto de 2020

Nova gasolina passa a valer a partir de hoje; o que muda ao abastecer?

Válida a partir de hoje, a nova gasolina determinada pela ANP terá, na teoria, mudanças importantes. Na prática, ela influi…

3 de agosto de 2020

Peugeot 208: tecnologia é nova, mas motor é velho

Novo Peugeot 208 é bastante moderno em muitos aspectos, entretanto para os mais exigentes, ele deixa a desejar por conta…

2 de agosto de 2020

Gambiarra ou aperfeiçoamento? As transformações de carros dos anos 80

Nas décadas passadas, quando o mercado era fechado às importações e havia poucas fábricas de veículos instaladas no país, existiram…

2 de agosto de 2020

Carro movido a energia solar é promessa para o ano que vem

Com cinco metros quadrados de painéis solares e quatro motores elétricos, "One" será capaz de entregar 725 km de autonomia

1 de agosto de 2020