Não são só as drogas: conheça 7 remédios que interferem na direção

Até mesmo medicamentos comuns, como analgésicos e relaxantes musculares, podem afetar a capacidade cognitiva dos motoristas

No mês de junho, a Lei Seca completou 10 anos. As campanhas de conscientização do trânsito alertam a população e os motoristas sobre os riscos de dirigir após a ingestão de bebidas alcoólicas e uso de drogas. O que muitas pessoas não sabem, no entanto, é que alguns remédios prejudicam tanto ou mais na capacidade de condução do que o álcool em pequenas proporções. Listamos, com a ajuda do médico e diretor da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), Dirceu Alves, sete tipos de remédios que interferem na direção.

“Os remédios afetam três estruturas essenciais para uma direção segura: as funções cognitiva (responsável pela percepção e raciocínio), motora (responsável pelas respostas físicas aos estímulos) e sensório-perceptiva (audição, sensibilidade tátil e visão). Com a utilização de medicamentos, os motoristas podem aumentar o tempo de resposta – ideal de 0,75 segundo – e correm o risco de se envolverem em acidentes”, explica o médico.

Alves acrescenta, ainda, que a sensibilidade para os efeitos colaterais pode variar entre os indivíduos. Cabe ao condutor evitar a ingestão de medicamentos sem receita médica e tomar bastante líquido durante o tratamento. Os analgésicos, antitussígenos e relaxantes musculares, por exemplo, interferem na direção em graus diferentes, a depender da reação do corpo do motorista. Na dúvida, dirija com atenção e pare o carro se sentir tontura ou outro efeito colateral.

1. Analgésicos

  • Efeitos colaterais: Euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva, passividade.
  • Recomendações: Dirigir com cautela em razão dos efeitos colaterais. Percebendo qualquer sinal diferente, deve-se interromper a direção veicular.

2. Antitussígenos

  • Efeitos colaterais: Euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva com menos intensidade do que os analgésicos.
  • Recomendações: Dirigir com cautela em razão dos efeitos colaterais. Percebendo qualquer sinal diferente, deve-se interromper a direção veicular.

3. Antidepressivos

  • Efeitos colaterais: Sedação pronunciada, problemas de acomodação, hipotensão, fadiga, vertigens, alterações do comportamento.
  • Recomendações: Não dirigir nas primeiras semanas de tratamento.

Atenção: A depressão pode afetar a capacidade de dirigir. O tratamento pode, então, até melhorar a atenção e a coordenação psicomotora dos pacientes motoristas. Nem todos os antidepressivos afetam a capacidade de dirigir.

4. Anti-histamínicos

  • Efeitos colaterais: Sedação, ansiedade, insônia, parestesia, alterações da visão, alucinações.
  • Recomendações: Não dirigir durante o tratamento com anti-histamínicos de primeira geração (Dimenhidrinato, Bromfenirama, Clorfeniramina, Cinazarina, Difenhidramina, Hidroxicina). O risco é menor nos de segunda geração. Nesse caso, o ideal é dirigir com cautela.

5. Relaxantes musculares

  • Efeitos colaterais: Euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva, passividade.
  • Recomendações: Dirigir com cautela em razão dos efeitos colaterais. Percebendo qualquer sinal diferente, deve-se interromper a direção veicular.

6. Antidiabéticos

  • Efeitos colaterais: palpitações, náuseas, alterações na visão; agressividade, alucinações, tonturas, hipoglicemia e alteração do comportamento.
  • Recomendações: o motorista só deve conduzir quando a glicemia estiver controlada e ou quando estiver ciente do nível de insulina a ser aplicado sem causar efeitos colaterais.

7. Antiepiléticos

  • Efeitos colaterais: sonolência, confusão, perda de memória e concentração, letargia, diminuição da capacidade psicomotora.
  • Recomendações: o motorista só deve ser liberado para dirigir após um ano de tratamento sem apresentar crises.

É importante lembrar que existem inúmeros outros tipos de remédios que interferem na direção. Na dúvida, consulte um profissional da saúde sobre os efeitos colaterais.

Dê sua opinião:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

Publicado por

Portal para quem gosta de carro e para quem não gosta, mas precisa dele no dia a dia.

Últimas Notícias

Toyota desenvolve ‘escudo de perdigotos’ para proteger motoristas

Equipamento feito sob medida para os modelos Etios, Yaris e Corolla divide a cabine, separando o banco traseiro dos dianteiros

10 de agosto de 2020

Seu carro pode ter explosivo de Beirute (e colocar sua vida em risco)

Nitrato de amônio, elemento químico que provocou a explosão no Líbano, era utilizado pela Takata na produção dos chamados 'airbags…

10 de agosto de 2020

Mitsubishi pode dar adeus à Europa para focar na Ásia

Marca japonesa tem baixa participação no Velho Continente e deve se retirar de forma gradual sem lançar novos modelos nos…

10 de agosto de 2020

Hyundai lança Ioniq, submarca de carros elétricos, com 3 novos modelos

Marca sul-coreana tem plano ousado para o segmento e já anunciou um SUV, um crossover e um sedã que serão…

10 de agosto de 2020

Não dá para acusar o posto antes de três medições de consumo

Pode ser que o método que você usa para calcular o consumo do seu carro esteja errado. Entenda aqui a…

10 de agosto de 2020

Desconfiado do posto? Exija dois testes com a nova gasolina!

Você está com dúvidas ao abastecer com essa nova gasolina no posto? Não se preocupe, basta exigir estes dois testes!

9 de agosto de 2020