Não são só as drogas: conheça 7 remédios que interferem na direção

Até mesmo medicamentos comuns, como analgésicos e relaxantes musculares, podem afetar a capacidade cognitiva dos motoristas

No mês de junho, a Lei Seca completou 10 anos. As campanhas de conscientização do trânsito alertam a população e os motoristas sobre os riscos de dirigir após a ingestão de bebidas alcoólicas e uso de drogas. O que muitas pessoas não sabem, no entanto, é que alguns remédios prejudicam tanto ou mais na capacidade de condução do que o álcool em pequenas proporções. Listamos, com a ajuda do médico e diretor da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), Dirceu Alves, sete tipos de remédios que interferem na direção.

“Os remédios afetam três estruturas essenciais para uma direção segura: as funções cognitiva (responsável pela percepção e raciocínio), motora (responsável pelas respostas físicas aos estímulos) e sensório-perceptiva (audição, sensibilidade tátil e visão). Com a utilização de medicamentos, os motoristas podem aumentar o tempo de resposta – ideal de 0,75 segundo – e correm o risco de se envolverem em acidentes”, explica o médico.

Alves acrescenta, ainda, que a sensibilidade para os efeitos colaterais pode variar entre os indivíduos. Cabe ao condutor evitar a ingestão de medicamentos sem receita médica e tomar bastante líquido durante o tratamento. Os analgésicos, antitussígenos e relaxantes musculares, por exemplo, interferem na direção em graus diferentes, a depender da reação do corpo do motorista. Na dúvida, dirija com atenção e pare o carro se sentir tontura ou outro efeito colateral.

1. Analgésicos

  • Efeitos colaterais: Euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva, passividade.
  • Recomendações: Dirigir com cautela em razão dos efeitos colaterais. Percebendo qualquer sinal diferente, deve-se interromper a direção veicular.

2. Antitussígenos

  • Efeitos colaterais: Euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva com menos intensidade do que os analgésicos.
  • Recomendações: Dirigir com cautela em razão dos efeitos colaterais. Percebendo qualquer sinal diferente, deve-se interromper a direção veicular.

3. Antidepressivos

  • Efeitos colaterais: Sedação pronunciada, problemas de acomodação, hipotensão, fadiga, vertigens, alterações do comportamento.
  • Recomendações: Não dirigir nas primeiras semanas de tratamento.

Atenção: A depressão pode afetar a capacidade de dirigir. O tratamento pode, então, até melhorar a atenção e a coordenação psicomotora dos pacientes motoristas. Nem todos os antidepressivos afetam a capacidade de dirigir.

4. Anti-histamínicos

  • Efeitos colaterais: Sedação, ansiedade, insônia, parestesia, alterações da visão, alucinações.
  • Recomendações: Não dirigir durante o tratamento com anti-histamínicos de primeira geração (Dimenhidrinato, Bromfenirama, Clorfeniramina, Cinazarina, Difenhidramina, Hidroxicina). O risco é menor nos de segunda geração. Nesse caso, o ideal é dirigir com cautela.

5. Relaxantes musculares

  • Efeitos colaterais: Euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva, passividade.
  • Recomendações: Dirigir com cautela em razão dos efeitos colaterais. Percebendo qualquer sinal diferente, deve-se interromper a direção veicular.

6. Antidiabéticos

  • Efeitos colaterais: palpitações, náuseas, alterações na visão; agressividade, alucinações, tonturas, hipoglicemia e alteração do comportamento.
  • Recomendações: o motorista só deve conduzir quando a glicemia estiver controlada e ou quando estiver ciente do nível de insulina a ser aplicado sem causar efeitos colaterais.

7. Antiepiléticos

  • Efeitos colaterais: sonolência, confusão, perda de memória e concentração, letargia, diminuição da capacidade psicomotora.
  • Recomendações: o motorista só deve ser liberado para dirigir após um ano de tratamento sem apresentar crises.

É importante lembrar que existem inúmeros outros tipos de remédios que interferem na direção. Na dúvida, consulte um profissional da saúde sobre os efeitos colaterais.

Portal para quem gosta de carro e para quem não gosta, mas precisa dele no dia a dia.

Dê sua opinião:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

Publicado por

Portal para quem gosta de carro e para quem não gosta, mas precisa dele no dia a dia.

Últimas Notícias

Qual a melhor opção para o flex? Preços de gasolina e etanol variam até 58% no Brasil

Confira em quais estados brasileiros vale a pena abastecer com o derivado da cana-de-açúcar; na maior parte do Brasil, gasolina…

30 de setembro de 2020

Extintor de incêndio em carros: será o fim da polêmica?

Projeto de Lei quer proibir a cobrança do equipamento como item obrigatório em qualquer tipo de veículo; veja o que…

30 de setembro de 2020

Kombi corujinha ganha clone elétrico feito na China

Songsan Motors exibea versão modernizada do clássico monovolume da Volkswagen no Salão do Automóvel de Pequim

30 de setembro de 2020

Multa de trânsito pode chegar a R$ 17 mil. Saiba como

Três níveis, de leve a gravíssimo, classificam a multa de trânsito no Brasil. Mas se engana quem pensa que R$…

30 de setembro de 2020

O discreto Honda WR-V ganha reestilização na linha 2021

Ele não é um fracasso, mas também não é um sucesso absoluto: linha 2021 do WR-V ganha mais segurança em…

29 de setembro de 2020

Mercado brasileiro não tem mais nenhuma picape com cabine estendida

Todas as caminhonetes à venda no país, sejam elas compactas, médias ou grandes, são comercializadas apenas com cabine dupla ou…

29 de setembro de 2020