O SUV iX e o sedã i4 são os novos BMW elétricos no Brasil

A dupla de elétricos da BMW terá as vendas iniciadas no primeiro semestre de 2022, mas os preços ainda não foram revelados

bmw ix cinza bmw i4 branco
A dupla i4 e iX são os elétricos mais recentes da BMW e servem como vitrine tecnológica da marca (Foto: BMW | Divulgação)
Por Eduardo Rodrigues
17 de setembro de 2021 15:42

A oferta de carros elétricos no Brasil não para de aumentar. A BMW foi uma das pioneiras no nosso mercado, quando lançou i3 em 2014. No primeiro semestre de 2022 o fabricante alemão está expandindo suas opções no Brasil com a dupla i4 e iX. Os preços ainda não foram revelados.

O BMW i4 é um sedã elétrico com estilo esportivo que foi apresentado mundialmente em junho desse ano. Já o iX é um SUV grande, com o porte do tradicional X5 e apresentado mundialmente em 2020. Essa dupla compõe a linha de elétricos junto do i3 e do iX3.

VEJA TAMBÉM:

O BMW i4 foi feito para competir com a Tesla

O i4 chega ao Brasil em duas versões: a eDrive40 e a esportiva M50. O estilo de “cupê de quatro portas” é mais agressivo que o do irmão à combustão, o Série 3. A grade falsa na dianteira segue a nova tendência de grades verticais estreada pelo Série 4.

Mas não deixe o estilo esportivo te enganar: o i4 consegue ser mais prático que um sedã tradicional. Sua tampa do porta-malas abre junto do vigia traseiro e dá acesso a um bagageiro com 470 litros de volume. Com o banco traseiro rebatido o volume chega a 1.290 litros.

Além da praticidade, o interior do i4 traz as tecnologias mais avançadas da marca. O painel traz uma tela curva que integra o painel de instrumentos com tela de 12,3 polegadas e a tela da central multimídia com 14,9 polegadas.

O i4 traz também o assistente virtual da BMW. O motorista pode programar a rota do navegador, comandar o sistema de som, ajustar o ar-condicionado dentre outras funções através de comandos de voz. O assistente também pode responder perguntas sobre o veículo.

Desempenho e autonomia do BMW i4

A versão eDrive40 traz apenas um motor elétrico, montado no eixo traseiro. Ele produz 544 cv e 81 kgfm, levando o carro de 0 a 100 km/h em 5,7 segundos. No assoalho do carro ficam as baterias de 80,7 kWh, que proporcionam uma autonomia de 590 km no ciclo WLTP.

Na versão esportiva M50 são dois motores elétricos, um para cada eixo, com potência combinada de 544 cv e torque de 81 kgfm. A aceleração de zero a 100 km/h realizada em 3,9 segundos  rivaliza com o M4 Competition. Devido ao segundo motor, o M50 possui autonomia de 510 km.

O desempenho é próximo de um M4, mas não possui o ronco do motor seis cilindros. Mas nem por isso o i4 é um elétrico silencioso, o sedã conta com o IconicSounds Electric. Esse sistema emula sons para dar um feedback da condução para o motorista. A autoria desses sons é do compositor Hans Zimmer, vencedor do Oscar de melhor trilha sonora em 1994 pelo filme O Rei Leão.

A recarga completa utilizando o Wallbox de 400v demora 8,5 horas. Uma carga rápida de 10 a 80% leva apenas 31 minutos. Caso o motorista esteja com pressa, é possível acrescentar 164 km de autonomia (140 km para o M50) em uma carga de 10 minutos.

O iX é o primeiro BMW projetado para ser 100% elétrico

Atualmente, o iX é o carro-chefe da linha de elétricos da BMW. Esse SUV com cara de carro conceito é o guia de como o fabricante alemão está traçando a sua estratégia elétrica para o futuro. O estilo da carroceria lembra um carro conceito, porém esse SUV grandalhão tem um baixíssimo coeficiente aerodinâmico de 0,25.

O estilo de conceito se repete no interior. O painel tem desenho minimalista traz apenas a grande tela curva e as saídas de ventilação. Comandos adicionais ficam em um console central com desenho flutuante. O teto panorâmico é o maior já feito pela BMW e deixa o interior arejado.

Dois sistemas de som são oferecidos. O mais simples é um da Harmon Kardon com 18 alto falantes — oito deles são nos apoios de cabeça e sob o assento traseiro existem dois subwoofers. A outra opção é um sistema de som da Bowers & Wilkins, trazendo 30 alto-falantes e capacidade para áudio 4D.

Carro reciclado

A BMW fez do iX um carro ecológico desde a sua produção. A fábrica onde o modelo é feito utiliza energia gerada de fontes renováveis, como hidrelétrica, solar e eólica. 50% do alumínio, 20% do termoplástico e 60 kg dos plásticos utilizados no SUV são reciclados.

Os bancos são forrados em couro Castanea, naturalmente curtido com folhas de oliveira, e os tapetes são fornecidos pela Econyl. No interior também é utilizado detalhes em madeira vindas de plantações com o certificado FSC.

As matérias primas usadas no iX são de fontes certificadas, o que resulta em emissões de CO₂ 17% menor no processo de produção. Segundo uma certificação do instituto TÜV Rheinland, a pegada de carbono desse modelo é 45% menor que a de um SUV similar.

Desempenho e autonomia do BMW iX

O iX virá em duas versões: a xDrive40 e a xDrive50. Ambas contam com dois motores elétricos, um para cada eixo. Elas se diferenciam pela potência desses motores e pela capacidade de carga do conjunto de baterias.

Começando pelo xDrive40, que traz potência combinada de 326 cv e torque de 64 kgfm. O conjunto de baterias tem 76,6 kWh de capacidade, capaz de proporcionar uma autonomia de 425 km no ciclo WLTP.

Na versão mais potente xDrive50 os motores produzem 523 cv e 78 kgfm. O conjunto de baterias dessa versão possui mais capacidade de carga: 111,5 kWh. A autonomia máxima é de 630 km no ciclo WLTP.

O tempo da recarga complete é de 8 horas no xDrive40 e 11 horas no xDrive50, ambos utilizando o Wallbox. O tempo para a carga rápida de 10 a 80 % é próximo entre os dois modelos. O xDrive40 leva 31 minutos e o xDrive50 leva 35 minutos. Em uma carga rápida de 10 minutos ambas versões conseguem cerca de 120 km de autonomia.

As baterias são o diferencial da BMW

bmw ix baterias
As baterias são produzidas por fornecedores com base em projetos da própria BMW

O conjunto de baterias é um item essencial para os elétricos, mas também é seu calcanhar da Aquiles. Uma preocupação que vemos entre os leitores do AutoPapo é a durabilidade dessas baterias, já que a troca do conjunto é extremamente cara.

A BMW não compra suas baterias prontas de um fornecedor, o fabricante diz que o conjunto de baterias foi projetado “em casa” e os fornecedores fabricam com essas especificações. Por isso, a BMW garante que as baterias tem a vida útil do carro, que é prevista para 12 anos sem limite de quilometragem.

Após o fim desse ciclo as baterias não ficam inutilizadas. Quando não estão mais aptas para mover um carro, ainda resta cerca de 70 a 80% da capacidade de carga. Com essa capacidade as baterias ainda servem para alimentar residências.

A BMW também certifica a origem das matérias primas de suas baterias, assim como faz com os materiais do iX. O cobalto é comprado diretamente de minas da Austrália e do Marrocos, evitando minas que usam trabalho escravo. O lítio vem de minas australianas. As minas precisam ser transparentes sobre a origem dos materiais.

Fotos: BMW | Divulgação

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário