Carros que ganharam segunda chance em outros países

As montados enviam seus ferramentais para outros países para lançar carros novos com pouco investimentos, listamos cinco casos

chevrolet onix joy 2020
O Onix de primeira geração saiu de linha no Brasil, mas continuou em outro país (Foto: Chevrolet | Divulgação)
Por Eduardo Rodrigues
Publicado em 07/07/2024 às 09h02

As grandes montadoras tentam sempre evitar o desperdícios. Quando um carro sai de linha, seu ferramental pode ser enviado para outra parte do mundo e dar uma segunda chance em outros mercado.

O lado negativo disso é saber que está recebendo um veículo defasado. Em contrapartida, pode ter a chance de ser um carro com qualidade comprovada e de segmento superior pelo preço de modelos menores. Listamos a seguir alguns carros que ganharam uma segunda chance.

VEJA TAMBÉM:

1. Chevrolet Onix Joy

frente Onix Joy atualizado
A Chevrolet do Brasil enviou o ferramental do Onix para a Colômbia (Foto: Chevrolet | Divulgação)

A Chevrolet não colocou as duas gerações do Onix para conviver juntas no Brasil por muito tempo. A primeira, conhecida como Joy, conviveu com a atual por menos de um ano.

Ele teve a produção transferida de Gravataí (RS) para São Caetano do Sul (SP), onde era feito apenas para exportação. Em 2023 a General Motors mandou esse ferramental do Onix para a Colômbia.

A segunda chance desse carro durou pouco, em 2024 a GM anunciou o fim de suas fábricas na Colômbia e no Equador. Um fato curioso do Onix de exportação e do modelo produzido na Colômbia é usar o câmbio manual de cinco marchas. Apenas o Brasil e a Argentina usaram a caixa de seis marchas.

2. Renault 12

dacia 1300 kombi
A Dacia foi criada após o governo romeno comprar os direitos de produção do Renault 12 (Foto: Dacia | Divulgação)

O Renault 12 foi um dos carros mais populares na Europa dos anos 60 e 70, com 2,5 milhões de unidades produzidas. Ele foi feito em várias partes do planeta, sua plataforma deu origem ao Ford Corcel brasileiro inclusive.

O governo da Romênia decidiu comprar o ferramental de um carro nos anos 60 para não depender mais de produtos importados. Eles queria um carro familiar barato e confiável. A escolha acabou sendo o Renault 12.

Foi assim que nasceu a Dacia, com uma fábrica na cidade de Mioveni. O Renault 12 ganhou uma segunda chance na Romênia com o nome 1300, onde foi feito de 1969 até 2006.

Essa plataforma do Renault 12 deu origem a uma família completa de carros, que incluía sedã, perua, caminhonete de cabine simples ou dupla, furgão, cupê e hatch. A Renault comprou a Dacia em 1999 e usou essa marca para criar o Logan.

3. Seat Exeo

seat exeo seda e perua
Parece um Audi A4 né? Porque é um, só que feito na Espanha (Foto: Seat | Divulgação)

Não são apenas os carros populares que ganham segunda chance, o grupo Volkswagen deu uma sobrevida inusitada para a terceira geração do Audi A4. O sedã executivo ganhou uma grande atualização em 2008 e seu ferramental foi enviado para a fábrica da Seat na Espanha.

O sedã e a perua ganharam a dianteira e traseira com a identidade visual da marca espanhola. O painel com visual mais esportivo da versão cabriolet foi adotado, para combinar com proposta da Seat.

Assim nasceu o Exeo, o primeiro sedã executivo da Seat desde o fim do 132 em 1982. Ele virou uma alternativa mais esportiva ao Skoda Superb e ao VW Passat, mas durou pouco: foi feito apenas entre 2008 e 2013.

4. Chevrolet Classic

chevrolet corsa classic 2010 prata frente parado
Esse visual veio da China (Foto: Chevrolet | Divulgação)

Foi a General Motors do Brasil quem criou as carrocerias sedã, perua e caminhonete do Corsa. Mas foi na China que esse compacto ganhou mais reestilizações, onde foi vendido com o nome Sail pela Buick e pela Chevrolet.

A reestilização mais profunda feita na China foi realizada em 2005, mudando o visual da dianteira e adotando lanternas maiores na traseira. O Sail baseado no Corsa saiu de linha em 2009, com um sedã de baixo custo novo feito sobre a plataforma do Sonic entrando no lugar.

Esse ferramental foi enviado para a Argentina, onde o Chevrolet Classic vendido no Brasil era feito. O carro fazia sucesso mesmo sem mudanças, ganhou uma segunda chance com a atualização. Durou até 2016, até ser aposentado de vez pelo Prisma Joy.

5. Austin Maestro

faw etsong lubao
Uma fábrica de cigarros comprou os direitos de produção do Austin Maestro (Foto: FAW | Divulgação)

Todos esses carros que ganharam sua segunda chance tiveram o ferramental enviados para uma fábrica de carros. Já o britânico Austin Maestro foi recebido por uma fábrica de cigarros na China.

Você leu certo. A Etsong, uma empresa que trabalhava no setor do tabaco, decidiu que iria produzir um carro. A MG Rover havia vendido os direitos de produção do Austin Maestro para a RDS International Engineering, que por sua vez vendeu os direitos para os chineses.

Como a Etsong não era registrada como uma montadora de veículos, os carros recebiam registros de ônibus pelo governo chinês. Ele foi feito por essa marca até 2003, quando a FAW comprou os direitos e seguiu vendendo o Maestro com outro visual.

Newsletter
Receba semanalmente notícias, dicas e conteúdos exclusivos que foram destaque no AutoPapo.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook X X Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify YouTube PodCasts YouTube PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário