Salão do Automóvel de Munique amplia o foco na mobilidade

"O evento até foi rebatizado. Agora se chama IAA Mobility e inclui um setor dedicado inteiramente a bicicletas elétricas, por exemplo"

salao de munique 2021
Grande maioria dos lançamentos do Salão de Munique valorizou os modelos 100% elétricos (foto: Divulgação)
Por Fernando Calmon
10 de setembro de 2021 10:25

O maior salão internacional do automóvel (IAA, na sigla em alemão) do mundo abriu suas portas no último dia 7 e vai até o próximo dia 12, em Munique, Alemanha. Aliás, abrir as portas nunca teve um sentido tão figurado: a exibição inclui um grande espaço ao ar livre (no total sete cenários na área central da cidade) e muitas atividades interativas com o público.

A exposição bienal (anos ímpares) não é mais tão gigantesca quanto a tradicional realizada em Frankfurt. Certamente receberá muito menos visitantes por reflexos da pandemia do covid-19 que obrigou os organizadores a cortar as atividades de 11 para 6 dias.

VEJA TAMBÉM:

O evento até foi rebatizado. Agora se chama IAA Mobility e inclui um setor dedicado inteiramente a bicicletas elétricas, por exemplo. A grande maioria dos lançamentos valorizou os modelos 100% elétricos que, por si só, não se trata mais de novidade. A indústria, no entanto, está engajada no longo prazo. Então é necessário demonstrar seu potencial criativo e técnico desde já. Algumas marcas mais otimistas, outras, cautelosas.

Várias projetam datas para a virada total de chave, de combustão para elétrico, sem ter em vista limitações de poder aquisitivo de cada país e, além disso, a infraestrutura capilar ser cara de implantar. Isso sem contar a matriz energética mundial, que precisa dar uma guinada muito forte para reduzir o uso de fontes fósseis como petróleo, gás e carvão para gerar eletricidade.

As fabricantes alemãs, como sempre, mantêm o protagonismo de donos da casa. Audi mostrou o carro-conceito Grandsphere que indica como será o sucessor do A8, seu sedã topo de gama, com mudanças externas e internas impressionantes. Outros modelos da marca seguirão a diretriz: Skysphere e UrbanSphere.

A BMW apresentou o avançado conceito i Vision Circular, previsto para 2040. Aplica matérias-primas amplamente recicláveis em um compacto de quatro metros de comprimento. O iX5 Hydrogen pode ser testado pelos visitantes no circuito do seu estande.

Mercedes-Benz apresentou o EQE, versão elétrica do seu sedã grande, e surpreendeu com o EQG, a visão de como será o SUV elétrico de maior porte que respeita os traços originais.

O Porsche Mission R, desenhado para futuras competições de monomarca, mantém essa herança e destaca lanternas traseiras com efeito gráfico tridimensional.

A Volkswagen exibiu o conceito de um subcompacto, o ID.Life, também propondo o uso de materiais recicláveis. O entre-eixos de 2,50 m (entre up! e Polo) permitirá agilidade e facilidade de estacionar. Intenção da marca é oferecê-lo, em 2025, por 20.000 euros (R$ 124.000, em conversão direta), equivalente ao atual up!.

Interessante a posição do presidente mundial da Renault, Luca de Meo, quando perguntado durante o Salão de Munique pela revista inglesa Autocar, sem citar a Tesla, se não o incomodava uma fabricante iniciante ter valor de mercado muitas vezes superior.

“Quando se acumulam mais de 100 anos de história e uma força de trabalho de 200.000 pessoas como a nossa, pode ser estranho ver a valorização de bilhões em empresas que oferecem apenas uma promessa. Mas esse é o mundo em que vivemos. Distorção faz parte da vida. Tenho que aceitar isso”, respondeu.

Alta Roda

DIFICULDADES de fornecimento de peças, em especial semicondutores, continuam a comprometer fortemente as vendas de automóveis e comerciais leves novos. Dados da Fenabrave mostram queda de 8,6% em agosto sobre o mesmo mês de 2020. Indicam que filas de espera continuarão sem perspectivas de melhora até o final do ano.

Porém, no mercado de usados, ao contrário, a comercialização subiu 13,8%. E no comparativo janeiro a agosto de 2021 com o mesmo período de 2020, mais 47,2%, segundo a Fenauto.

COMO se previa, o Corolla Cross ultrapassou as vendas do Corolla sedã nos últimos três meses. Estilisticamente o novo modelo se enquadra mais como crossover do que SUV.

Dinâmica ao volante e desempenho são quase equivalentes ao sedã. Na parte interna, ênfase à praticidade e menos aos materiais de acabamento. Acionado com o pé, o freio de estacionamento é uma solução datada.

LATIN NCAP perde-se cada vez mais com discursos agressivos e desligados da realidade econômica da região, embora esteja correta sua disposição de elevar o nível de segurança.

Seu erro primário, no entanto, é impor testes de colisão do mesmo modelo com protocolos diferentes. Além de tecnicamente falacioso, o que programas na Europa e EUA descartaram, confunde mais do que ajuda. Essa distorção grave é escondida, de forma injustificável, dos resultados.

CONCORRÊNCIA chegou ao mercado de automatização de passagem por pedágio e saída de estacionamento. O banco Itaú isentará de mensalidade os portadores de seus cartões de crédito que utilizam adesivos Conectcar, a partir do próximo dia 15, e do seu futuro tag próprio, em novembro. Até o final do ano todos os correntistas estarão livres da cobrança.

Espera-se que outros fornecedores parem de exigir essa taxa. Não há sentido em diminuir custos de pedágio e estacionamento com a automatização, sem repassá-los ao usuário do serviço.

SOBRE
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário