Cintos de segurança: é possível adaptar abdominal para três pontos?

Adaptar os componentes exige inúmeras modificações na estrutura da carroceria e do próprio banco; entenda por que o cinto mais seguro não é obrigatório

Por Boris Feldman 19/05/18 às 21h24
cinto de seguranca

Os poderes legislativo e executivo brasileiros só se interessam pelo tema segurança veicular quando provocados por lobistas interessados em faturamento. Prova disso é que, no passado, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) só tornou obrigatório os cintos de segurança retráteis e o apoio de cabeça para os passageiros que vão nas extremidades do banco traseiro.

Por que se esqueceram de quem vai no centro do banco? Porque a maioria dos carros brasileiros é exportada para o Primeiro Mundo com capacidade para quatro passageiros. Sendo, portanto, dispensável mais um cinto de segurança de três pontos e apoio de cabeça. Entretanto, no Brasil, mesmo sendo habilitado a levar motorista mais quatro passageiros, nossa legislação se “esqueceu” de torná-los obrigatórios. Pressão das fábricas, pois é mais complexo e caro instalar o cinto de três pontos no meio do banco traseiro.

Durante muitos anos, passageiro no meio do banco de trás teve apenas a ridícula proteção do cinto abdominal, até que, recentemente, apesar da pressão contrária, foram tornados obrigatórios os cintos de segurança retráteis e o apoio de cabeça para todos os ocupantes. Mas, cedeu no prazo: a obrigatoriedade só tem início em 2020.

Os cintos de três pontas são mais seguros, mas não estão presentes no quinto lugar dos carros brasileiros. Boris explica se é possível adaptar o cinto abdominal.

Na prática, a maioria dos modelos comercializados no país não oferece esta importante proteção ao quinto passageiro. Desnecessário lembrar que o apoio de cabeça evita lesões na coluna cervical no caso de o carro sofrer um impacto frontal ou traseiro.

Adaptação nos cintos de segurança

Alguns poucos motoristas (a minoria, pois a maioria acha dispensável qualquer dispositivo de segurança…) se preocupam e questionam a possibilidade de se adaptar os cintos de segurança e encostos de cabeça. A resposta?

Tudo é possível. Mas, na prática, é inviável: adaptá-los exigiria inúmeras modificações na estrutura da carroceria e do próprio banco. Mais simples e muito mais econômico trocar o carro por outro que já tenha estes dois dispositivos instalados na linha de montagem.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Gilmário Melo 21 de janeiro de 2021

Olá, existe amparo legal para uso do cinto de 2 pontos para carros antigos, bem como, para carros conversíveis? Tenho um Opala 76 e não quero receber multas. Obrigado. gilmariocmelo@hotmail.com

Avatar
Roberto 11 de janeiro de 2020

Acho que o cinto de segurança do banco traseiro deveria ser coletivo, ou seja, um cinto único para todos os ocupantes! Temos engenheiros capacitados a desenvolver essa ideia! Faltam incentivos!

Avatar
DANIEL VALENTIM CIRILO FILHO 2 de outubro de 2019

Gostaria de saber,fiquei sabendo que o Fox route 2008 tem a mesma plataforma dos carros da Argentina que tem cinto de três pontos no meio do banco trazeiro será verdade ?
E se for posso adaptar no meu ?

Avatar
Deixe um comentário