Os componentes de borracha também têm prazo de validade

Com o tempo, os componentes de borracha do automóvel se deterioram. Então, é bom ficar atento a validade e aos sinais de desgastes dessas peças

arte borrachas pneus correias palhetas
Por Boris Feldman
07 de outubro de 2018 20:00

Os componentes de borracha também apresentam sintomas de velhice. Fique atento aos sinais e aos prazos de validade para não ter que gastar mais do que o necessário.

[TRANSCRIÇÃO]

O automóvel tem muitos componentes feitos com borracha. E todos eles se degradam, tem prazo de validade. O composto de borracha, desde a data de sua fabricação vai se oxidando, perde as suas características originais, resseca, trinca perde a flexibilidade. É exatamente como remédio, ele fica quietinho dentro da gaveta, mas tem prazo de validade de dois anos, quatro anos.

No automóvel, o pneu é um deles, e têm prazo de validade de 5 a 6 anos, não importa se ele estava rodando, ou no porta-malas, ou no estoque da loja de pneus. Depois de cinco a seis anos pode jogar no lixo. E, assim como no remédio, o pneu também tem a sua data de fabricação estampada na banda lateral. Outro dia eu fui comprar um jogo de pneus e dois deles tinham sido fabricados há quase quatro anos. Ou seja, eu só poderia rodar mais um ou dois anos com eles. Claro que eu recusei.

Além dos pneus, o automóvel tem vários outros componentes de borracha e que deve também ser substituídos, como: as palhetas dos limpadores de parabrisas, as correias (do alternador ou a correia dentada), e também, as mangueiras do sistema de refrigeração. E é simples fazer uma vistoria periódica, visual mesmo: se elas deram mostras de ressecamento e começar a parecer pequenas trincas, é porque chegou a hora de trocá-las.

Os componentes de borracha

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Márcio Avilez Duarte 24 de junho de 2021

Os produtos de borracha se deterioram com o tempo, isso é inegável e observável. Quando se estabelecem normas, através de estudos ciêntíficos, para determinar a vida útil de um componente, isso significa que, a partir daquele momento, os componentes começam a perder suas propriedades, ao ponto de se tornarem suscetíveis a falhas durante o uso. Apesar de “aparentemente” parecerem bons, o risco de rompimento por fadiga é grande, devendo, por segurança, serem substituídos. Isso inclui todos os equipamentos que utilizam aquele material. Buchas, pivôs borrachas de portas, etc. estão sujeitos aos mesmos problemas porém apresentam riscos diferentes à segurança e performance do veículo.
Parabéns Boris, pela excelente análise.

Avatar
Pércio Guimarães Schneider 8 de outubro de 2018

Seu blog não permite anexar arquivos ou imagens, então só me resta transcrever as informações recebidas do sac-goodyear.ascbrazil.com.br/Chat:

– A Goodyear do Brasil garante seus pneus por um prazo de 5 anos, contra falhas no processo de fabricação, devidamente constatados por técnicos credenciados de nossa rede de Revendedores

– Não há dados científicos ou técnicos conhecidos que estabeleçam ou que identifiquem a vida útil mínima para pneus que equipam carros de passei ou caminhonetes. A Goodyear continua a recomendar que o consumidor verifique, faça a manutenção e substitua os pneus de acordo com os princípios de manutenção

Consultei apenas um fabricante, mas não creio que saiba mais sobre pneus do que quem os fabrica a mais de 100 anos

Avatar
Pércio Guimarães Schneider 8 de outubro de 2018

Corrigindo:

– Não há dados científicos ou técnicos conhecidos que estabeleçam ou que identifiquem a vida útil mínima específica ou máxima para pneus que equipam carros de passei ou caminhonetes. A Goodyear continua a recomendar que o consumidor verifique, faça a manutenção e substitua os pneus de acordo com os princípios de manutenção

Avatar
Pércio Guimarães Schneider 8 de outubro de 2018

Pneus não tem prazo de validade, e sim de garantia. Basta consultar os sites dos fabricantes.

Não entendo sua insistência nisso. Se sua argumentação fosse correta, por que a omissão em relação a outros componentes de borracha que todo veículo tem, como correias, buchas e coxins de suspensão e motor, vedações, etc.? Também são feitos de borracha, também deveriam ter “prazo de validade”.

Avatar
Deixe um comentário