Pneu mais fino é melhor em evitar aquaplanagem

Quanto mais largo for o pneu de um carro, mais tendência ele terá para cair na aquaplanagem quando estiver em uma pista molhada

shutterstock 191714753
Por Boris Feldman
12 de julho de 2018 19:00

Já comentamos nesta coluna sobre os perigos da aquaplanagem. Fenômeno que acontece quase sempre quando chove e se forma uma lâmina de água sobre o asfalto. Se acontece de o automóvel subir nesta água como se estivesse esquiando sobre ela, os pneus perdem o contato com o asfalto. E nessa hora não há o que fazer: nem virar o volante, acelerar, nem frear. Pois, como o carro não obedece, o jeito é rezar para que ele saia lá na frente alinhado com a pista.

pneu mais fino é melhor para aquaplanagem

O que alguns leitores questionam é se não existe algum jeito de se reduzir o risco da aquaplanagem. Existe:
O primeiro é a velocidade: quanto mais rápido, maior a possibilidade de os pneus “subirem” e esquiarem sobre a água. Exatamente como um esquiador sendo puxado por uma lancha. Ele só vai para a superfície da água depois de atingir uma determinada velocidade.

O segundo é o sulco dos pneus: quanto mais profundos estiverem, menor o risco de aquaplanar. É por isso que se recomenda, na época das chuvas, descartar os pneus que estejam com o sulco no limite mínimo de profundidade, determinado pelo TWI (Tread Wear Indicator). Este indicador de desgaste só aparece quando o sulco está com apenas 1,6 mm de profundidade. Nenhum problema na pista seca. Mas, na molhada…

Em terceiro lugar, a largura do pneu. Por incrível que pareça, quanto mais largo, tanto pior. Aqueles pneus de automóveis esportivos, que conferem extrema estabilidade nas curvas, são também os mais propícios a provocarem a aquaplanagem. Basta imaginar uma hipotética bicicleta entrando num trecho alagado: suas rodas fininhas terão muito maior probabilidade de “cortar” a lâmina de água que um carro com pneus super largos.

Então, como é impossível equipar um automóvel com pneus fininhos como os de uma bicicleta, vale pelo menos o raciocínio de que, quanto mais estreitos os pneus de um carro, menor a probabilidade da aquaplanagem.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Rodolfo 13 de julho de 2018

Caro Boris, muito bom dia!
…. Excelente artigo! Parabéns!
…. Ayrton Senna era conhecido na sua época como o “Rei da Chuva”, porém nas pistas de corrida o perigo é muito menor, pois se o carro bater sempre terá algo para amortecer a batida ou o próprio carro de F1 em si irá amortecer a batida.
….. Já na vida real… nas nossas rodovias e nos nossos carros populares correr na chuva pode custar a própria vida. Assim sugiro que as pessoas tenham o bom senso na hora da chuva, pois chuva e velocidade nunca combinaram, muito menos nas curvas.
…. Vou deixar uma homenagem ao “Rei da Chuva”… Ayrton Senna:
https://www.youtube.com/watch?v=1OcOjTV08U4
Um forte abraço,
Rodolfo
Engenheiro Mecânico

Avatar
Gouglas viana 18 de março de 2021

então não corre na chuva sua besta

Avatar
Armando 13 de julho de 2018

Verdade se todos os pneus tivessem o mesmo desenho dos sulcos, porém mais do que a largura o que importa é a forma que o pneu joga a água para fora, os engenheiros inclusive filmam o pneu passando por uma placa transparente para verificar como os sulcos e a água interagem. Os veículos elétricos estão utilizando pneus mais finos não pela conta da aquaplanagem, mas para reduzir o atrito dinâmico aumentando assim a autonomia.

Avatar
Deixe um comentário