Mild Hybrid é a solução de eletrificação da Stellantis para o Brasil

Grupo que dirige as marcas Fiat, Jeep, Ram, Peugeot e Citroën no Brasil quer 20% de sua gama eletrificada até 2030

jeep compass 4xe 44
O contrário do Jeep Compass 4xe, que é um híbrido convencional, o modelo Mild Hybrid utiliza uma unidade 48 volts para auxiliar o motor térmico (Foto: Jeep | Divulgação)
Por Marcelo Jabulas
08 de julho de 2022 10:33

Quando se fala em carro elétrico há muitas dúvidas, receios, gargalos e desafios. Afinal, a substituição completa do motor a combustão por um elétrico demanda um investimento gigantesco em tecnologia, infraestrutura de recarga, neutralização das fontes geradoras, dentre outros problemas, que vão além de guiar um elétrico.

A Europa quer abolir os motores a combustão nos próximos 13 anos.  Muitas marcas também já anunciaram que irão encerrar a produção de motores térmicos já no final desta década. Mas tudo isso pode funcionar muito bem em mercados estruturados para receber elétricos. Para o Brasil e o restante da América do Sul, o caminho da eletrificação será guiado pelo carro híbrido.

SAIBA MAIS:

Mas para a Stellantis, a solução para o mercado latino é mais simples, mas não menos eficiente. O grupo vai apostar no modelo híbrido leve, ou Mild Hybrid. Esse conceito não abre mão do motor a combustão interna e nem exige um grande módulo elétrico e um caro pacote de baterias. Atualmente diversas marcas já oferecem modelos com módulos 48 volts, como BMW, Mercedes-Benz e Land Rover.

Mas como o Mild Hybrid poderia ser limpo se ainda mantém motor a combustão funcionando? Segundo o presidente da Stellantis para América do Sul, Antonio Filosa, a solução é combinar o híbrido leve com etanol.

“O Mild Hybrid com etanol é tão limpo quanto o conceito elétrico. Isso porque o etanol não emite CO2. Além disso, o plantio da cana-de-açúcar, com a fotossíntese, neutraliza as emissões de de carbono da atividade minerária para extração de metais como lítio e cobalto, que compõem as baterias”, explica o executivo.

De fato, o híbrido leve é um conceito mais barato de produção que um híbrido convencional, como o Jeep Compass 4xe (que custa R$ 360 mil). E muito menos que um modelo totalmente elétrico como o pequenino Fiat 500e ou Peugeot e-280 GT, que também custa acima dos R$ 250 mil. Isso permitiria a Stellantis atingir volumes mais expressivos, uma vez que o modelo eletrificado atual, mais barato parte de R$ 140 mil. Cifras proibitivas para volumes elevados.

fiat 500e 4
100% elétrico, o Fiat 500e é um carro moderno, mas tecnologia ainda é cara demais para girar grandes volumes (Foto: Fiat | Divulgação)

Assim, a Stellantis espera chegar em 2030 com 20% da gama dos produtos eletrificados, com sua grande maioria utilizando o sistema híbrido leve. O percentual corresponde a modelos das marcas Fiat, Jeep, Citroën, Peugeot e Ram.

Em volume, é difícil precisar quanto o percentual corresponderia. No entanto, se hipoteticamente o grupo repetir o desempenho de 2021, que emplacou no Brasil cerca de 650 mil unidades, segundo a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), seriam pelo menos 130 mil carros eletrificados.

Como funciona o Mild Hybrid?

Na prática, o Mild Hybrid acopla ao motor um pequeno módulo elétrico de 48 volts que auxilia a unidade térmica e substitui agregados como alternador e motor de arranque. Ou seja, esse motorzinho dá a partida e também recarrega a bateria de 12 volts, que continua com suas tarefas de iluminação, refrigeração, rádio, destrava e tudo mais que funciona com eletricidade num carro comum.

Esse motorzinho também entrega torque às rodas em conjunto com o motor térmico. No entanto, em situações de baixa velocidade, como manobras, engarrafamentos e outras situações que não exijam a plena cavalaria do bloco, ele pode operar sozinho.

A energia para alimentar o motor elétrico vem da conversão da energia cinética das frenagens. Ela alimenta a bateria de 48 volts. É bem parecido com o sistema KERS desenvolvido para a Fórmula 1. Nas corridas, a frenagem acumulava energia para acionar o módulo elétrico que pode ser utilizado em determinados pontos do circuito e garantir mais força para o monosposto.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Davi 10 de julho de 2022

Realmente está seria uma ótima ideia, príncipalmente para se utilizar nas faixas mais “baratas” de carros populares pequenos! Legal a matéria! 👍

Avatar
José Everaldo 8 de julho de 2022

Boa noite uma dúvida, se o álcool não emite nenhum co2 um carro com motor a combustão apenas, usando etanol não seria considerado carro limpo? Dessa forma com a tecnologia atual já conseguimos carros totalmente limpos, bastaria usar apenas o álcool

Avatar
Bernardo Almeida Maciel 11 de julho de 2022

O que torna o álcool inviável é o preço e autonomia baixa. Projeto legal utilizando o álcool é o da Nissan com célula de combustível.

Avatar
Victor Hugo 12 de julho de 2022

Correto companheiro, a maior das limitações é o grande volume de cana que deveria ser plantada pra substituição dos combustíveis fósseis, além de problemas análogos as plantações, como os períodos de safra que tornariam os preços voláteis demais.

Avatar
Deixe um comentário