Museu da Moto de Tiradentes: modelos raros, nacionais e exóticos

Museu da Motocicleta reúne acervo de modelos raros, nacionais e exóticos, contando a história das duas rodas através do tempo

Por Teo Mascarenhas 16/02/18 às 13h31
salao de exposicoes1

Rômulo Filgueiras, sem qualquer ajuda oficial, construiu o Museu da Moto, em Tiradentes, Minas Gerais, em uma área de 2.800 metros quadrados; que inclui, além do espaço de exposição das motos, amplo estacionamento, loja e café. Também está nos planos incluir uma coleção de miniaturas, uma biblioteca e acervo para consultas – além de oficina de restauração.

Para entender o presente e vislumbrar o futuro, é preciso conhecer o passado. A coleção reúne mais de 80 modelos e cerca de 20 em restauração (além de constante negociação para ampliar e compor o acervo), que vão do fim do século XVIII à década de 1990, além de muitas curiosidades e modelos exóticos.

museu da moto teo mascarenhas
FN, de 1909, com sidecar de vime e motor de 1,5 cv: considerada a moto mais antiga do Brasil.

A belga FN com 1,5 cv de potência, de 1909, por exemplo, é considerada o modelo mais antigo do Brasil. Além do celerífero francês, de 1790, em madeira, com tração humana. Este é considerado o conceito que deu origem às motos. Sem motor, a Draisiana, desenvolvimento do celerífero, de 1817, está completando 201 anos. Já conta com regulagem de banco e com o guidão para direcionar a roda dianteira.

museu da moto de tiradentes teo mascarenhas
Celerífero francês de 1790: onde tudo começou

O acervo também conta com motos que vieram com os imigrantes para colonizar diversas partes do país. São modelos americanos, asiáticos e europeus; incluindo muitos do leste: Checoslováquia, Rússia, Hungria e Bielorrússia, com marcas que ainda são produzidas e outras que já não existem mais.

Draisiana é aperfeiçoamento do Celerífero e conta com banco regulável, freio e guidão

Na década de 1920, destaque para a Triumph 500 de 1928 e a Sarolea 350 de 1929. Na década de 1930, a DKW 200 de 1935 é a representante. Na década de 1940, o modelo de origem inglesa Royal Enfield 350 Bullet, de 1947, é a grande atração. A marca voltou ao Brasil oficialmente, via Índia, e comercializa as Bullet, praticamente sem alterações.

Outras vedetes do acervo são os modelos Ariel 500, de 1951, Zundapp 600, de 1950, Harley Davidson 1200, de 1.948 e Indian Chief 1200, de 1947. Vespas, Lambrettas, Jawas e a Salsbury – uma espécie de scooter que imitava carros (tinha capô e acelerador no pé) para vencer a resistência dos compradores inseguros – também se destacam. Na década de 1960, as japonesas aparecem com a Honda 125 dois cilindros de 1969, a Honda CD 90 de 1964, a Yamaha A-1 125 de 1964 e a Suzuki A-100 de 1969.

museu da moto teo mascarenhas
A inglesa Matchless: “sem igual”, em tradução literal

Na década de 1970 temos como representante a unidade de número 32 da Honda CG 125 a deixar a linha de produção em Manaus.  a Honda CG 125. Posteriormente, se tornaria o veículo mais vendido do Brasil. Destaque também para a Yamaha RD 50, pioneira entre as japonesas em escala industrial no Brasil, com fábrica em Guarulhos, São Paulo. A genuinamente brasileira Xispa, de 1973, baseadas nas Lambrettas, mas com jeito de moto.

Dos anos 1980, marca presença a ousada Suzuki Katana 750, de 1981, com motor de quatro cilindros e a Honda XL 250 de 1982, que também frequentou nossas trilhas. Nos anos 1990 o destaque é a BMW K-1 com ABS de série ainda em fase de desenvolvimento e nos anos 2000 a Aprilia Motó 650, com motor Rotax austríaco, desenhada pelo badalado projetista francês Philippe Starck e vencedor de diversos prêmios.

museu da moto teo mascarenhas
A italiana Aprilia Motó 650, desenhada pelo badalado projetista Philippe Starck

Além disso, tem também a ala das espanholas, com destaque para a Montesa H6 360 fora de estrada, que reinava nas trilhas, com motorzão dois tempos e que foi montada no Brasil (no Paraná) e descontinuada por força da então “reserva de mercado” imposta para “proteger” a indústria nacional.

museu da moto teo mascarenhas
BMW K-1: primeiro modelo equipado com sistema de freios ABS

Museu da Moto de Tiradentes. Endereço: Av. Israel Pinheiro, 35. Telefone: (31) 99976-6777. Entrada: R$ 10,00; crianças não pagam. Os horários de funcionamento variam em função de feriados e fins de semana.

Fotos: Teo Mascarenhas e Rômulo Provetti

Confira mais imagens fantásticas do Museu da Moto de Tiradentes na galeria

Teo Mascarenhas

Especialista na cobertura do mercado de motocicletas e competições com mais de 30 anos de experiência.

Teo Mascarenhas
3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Anderson 29 de setembro de 2018

Parabéns ao Rômulo pela iniciativa. Tem duas motos que foram minhas aí ( BMW K750 E MOTO GUZZI NTX 650). Em breve irei visitar este paraíso para os amantes das 2 rodas.

Avatar
Roque 25 de fevereiro de 2018

Ótima reportagem, parabéns !

Avatar
Eder 28 de novembro de 2018

Conhecem alguém que compra moto antiga?

Avatar
Deixe um comentário