BMW M3 Competition é a morte gloriosa do carro esportivo a combustão?

"Deve haver um pensamento (...) de que não adianta ganhar 1 km/h extra no desenvolvimento de sedãs esportivos super-rápidos, já que o fim está próximo"

bmw m3 competition azul de frente em movimento
M3 tem comportamento dinâmico incrível (foto: BMW | Divulgação)
Por Jeremy Clarkson
16 de abril de 2021 09:30
Tradução de Bob Sharp

Dá-me tristeza quando alguém diz que carros elétricos podem ser divertidos, porque, é claro, não podem. Eles acabam com o som do motor de combustão interna, sua vibração e a estranha característica do torque, e fica-se com algo sem sequer o conceito de diversão.

Certamente um elétrico pode ser muito rápido, mas e daí? Para ter emoção eu preferiria andar a 180 km/h num Sopwith Camel (avião biplano utilizado na Primeira Guerra Mundial) do que a 900 km/h num Boeing 777. Ou a 40 km/h num jet-ski em vez de a 60 km/h num navio de cruzeiro. E tem isso também: um micro-ondas assa uma batata em cinco minutos, ótimo, mas o resultado final não será nem perto de alguma coisa que tenha ficado duas horas no forno.

VEJA TAMBÉM:

Há muita gente no meu círculo de trabalho que acha que carros elétricos podem ser apreciados pelos entusiastas tanto quanto os a gasolina. Estão errados. Pois quando somos forçados pela lei a andar em glorificados carros de entrega de leite, simplesmente compraremos o que nos dê o maior alcance ou que tenha o preço mais atraente. Carros se tornarão freezers com rodas. Ferramentas. E o espírito do automóvel, sua essência, morrerá.

Não está acreditando em mim? Ok, assista à perseguição de carros do filme Bullit com som desligado.

Coisa enorme e sem graça disputa rali

Tem mais. No último fim de semana um velho amigo que dirige uma empresa chamada Prodrive me ligou para falar de um carro que ele fez. Financiado pela família real do Bahrein e produzido em Banbury (Inglaterra), era uma coisa enorme e sem graça que chegou em quinto no rali Dacar deste ano.

No ano que vem provavelmente vencerá e, depois disso, haverá versões para o exército e, melhor que isso, serão modelos que se pode comprar; caso você tenha 750 mil libras (cerca de R$ 5,8 milhões) sobrando. E um deserto onde possa usá-lo. Eu não tenho um, mas tenho uma fazenda, de modo que, no último sábado, dei pulos de alegria no ar.

veiculo prodrive hunter t1 no rally paris dakar 2021
Prodrive Hunter T1 chegou em quinto lugar no rali Dacar 2021 (foto: Prodrive | Divulgação)

Com o mesmo motor V6 turbo do Ford GT, não é o carro mais rápido do mundo, mas estará à vontade a 190 km/h o dia inteiro pelo estéril e irregular interior da Arábia Saudita. Desse modo ele pode se dar bem nas piores partes de Oxfordshire e, isso, andando de lado com um motorista gordo ao volante sorrindo de orelha a orelha.

Sem dúvida que eu estava em contravenção de muitas normas de compactação de solo, mas era tão relaxante estar lá derrapando de propósito ao acelerar forte sobre o trigo de inverno numa orgia de pensamento livre, otimismo e divertimento. Dirigir apenas pelo prazer de dirigir. E trocando marchas para a recompensa auditiva.

Um “millenial” ou um “chato” diriam, se vissem esse enorme monstro barbarizado, que eu era dos que negavam as mudanças climáticas. E não adiantaria explicar que uma nova versão projetada para rodar com hidrogênio está para ser lançada, pois não escutariam. Eles não escutam. Porque é direito deles viver num mundo onde todo mundo concorda com todo mundo e nenhum protesto acontece.

BMW M3 Competition

Tudo isso me traz para o novo BMW M3 Competition. Deve haver um pensamento nas salas dos fundos das fabricantes em todo o mundo de que não adianta ganhar 1 km/h extra no desenvolvimento de sedãs esportivos super-rápidos, já que o fim está próximo. Seria como desenvolver uma locomotiva a vapor (Nigel Gresly Pacific) pouco antes da chegada de uma diesel (Napier Deltic). *

De fato, já podemos ver o que foi decidido porque a BMW não venderá na Inglaterra o M3 normal, só a versão Competition. E sem câmbio manual também. Parece que o novo M3 é um pão sofisticado para a hora do chá, apenas algo para tapear enquanto o carrasco não chega.

Eles nem foram sensíveis com o preço. Alguém numa reunião apenas soltou: “setenta e cinco mil”? E todos aquiesceram e voltaram a olhar o TikTok.

Mas, um momento, o que é isso? O motor seis em linha biturbo é em grande parte o mesmo de sempre, mas quase todas as peças internas são maiores e mais robustas, e a potência e o torque subiram, mais 60 cv e 8,4 kgfm.

Há um novo direcionamento de estilo também, com uma frente tipo Pontiac e uma grade tão grande se poderia passar as férias nela. O carro todo também está maior, percebe-se logo, mas a essência de M3 ainda se evidencia. Tem-se impressão de que a carroceria foi espichada para cobrir as rodas, que por acaso são maiores na traseira do que na dianteira. Isso, você começa a concluir, não é um carro da hora do cafezinho que foi meio que impiedosamente atirado à traseira de uma caixa.

BMW M3 dá nota ao drift do motorista

Na hora de entrar nele, o motorista é saudado pelos novos bancos — os melhores em que me sentei. São melhores até que os do Renault Fuego turbo. E um painel totalmente novo que traz todas as novidades. Por exemplo, pode-se estabelecer as regras do sistema de ar-condicionado. Olha, como isso é alemão!

Há também um dispositivo que mede e depois dá uma nota ao seu drift. É sério, executa-se um powerslide numa curva e ele lhe informa o resultado. Não tenho certeza se esse tipo de informação é, ou deveria ser, legal, mas é bom tê-la. E também bom saber que absolutamente qualquer pessoa que utilizar o carro terá a informação — momentos depois de dizer para seu passageiro, “Certo, olhe isso” — e definitivamente dará um passeio de ambulância aérea.

É o caso de desvio de objetivo. Pode-se acertar uma vez ou duas, ou talvez 200 vezes. Mas, eventualmente, pode-se entrar num inferno de sons de coisas quebrando e proferir palavrões.

Pode-se, sim, acertar 500 vezes no BMW M3 porque, puxa, esse carro tem um comportamento incrível. Eu não ligava muito para o acerto do modelo anterior — funcionava bem só no modo Comfort — mas se trabalhou muito na nova versão e ela é sublime. Como também é a aderência. E o que acontece quando ela é superada.

BMW já gravou vídeo para ensinar como fazer drift: assista!

Talvez, só talvez, o câmbio seja mais lento do que a velha e mole alavanca do manual, mas é preciso atenção para notar diferença. Contudo, a questão dos 500 cavalos é sua capacidade de mascarar essas coisas. E eles mascaram. Maravilhosamente.

Este é um daqueles carros, como o Alfa Romeo Giulia Quadrifoglio, que apenas planeia de curva para curva no que parece uma onda de telepatia, prepara e dá um frio na barriga. É um balé.

Eles querem morrer com glória?

E reconfortante, porque isso significa que os engenheiros da BMW não vão ficar sentados nos seus dias finais dando de ombros e lembrando o passado. Eles querem morrer com glória.

Podemos apenas esperar que outros fabricantes façam o mesmo; isso, antes que todos tenham que trabalhar para a divisão automobilística da gigante dos eletrodomésticos Zanussi, fazendo produtos para encher as vitrines da grande varejista Currys. Eles estão lembrando a todos nós que era isso o que queriam antes de mais nada: ser engenheiros de carros.

*Só James May entenderia isso

Nota do Jeremy
4 ★★★★☆
Ficha técnica  BMW M3 Competition
Motor 2.993 cm³, 6 cilindros biturbo, gasolina
Potência 510 cv a 6.250 rpm
Torque 66,3 kgfm a 2.750 rpm
Aceleração 0-96 km/h: 3,9 s
Velocidade máxima 290 km/h (com pacote opcional M Driver)
Consumo/ CO2 9,8 km/l / 234 g/km
Peso 1.730 kg
Preço 76.850 libras com pacote opcional M Driver (R$ 593,9 mil)
Lançamento À venda no Reino Unido
mercedes benz amg c63 s vermelho de frente
Mercedes AMG C63 S é concorrente direto do BMW M3 (foto: Mercedes-Benz | Divulgação)
Frente a frente BMW M3 Competition Mercedes AMG C63 S
Preço BMW: 76.850 libras (R$ 593,9 mil) Mercedes: 76.903 libras (R$ 594,3 mil)
Potência BMW: 510 cv Mercedes: 510 cv
0-96 km/h BMW: 3,9 s Mercedes: 4.0 s
Velocidade máxima BMW: 290 km/h Mercedes: 290 km/h
SOBRE
3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Pedro 19 de abril de 2021

Mais uma excelente coluna do Jeremy. Parabéns ao Auto Papo e ao Bob Sharp, pela tradução.

Avatar
Rodrigo MARTINIANO 17 de abril de 2021

• O DILEMA DO VEÍCULO ELÉTRICO VERSUS BMW M3 •
Evidentemente eu concordo que veículos elétricos são muito superiores – em termos de qualidade intrínseca – aos de combustão interna.
Entretanto, mesmo quando resolvidos todos os percalços que dificultam a produção massiva de veículos elétricos, resta lembrar de onde vem a ELETRICIDADE consumida por nós, cerca de 70% DELA produzida em usinas termoelétricas, através da queima de combustíveis fósseis derivados do petróleo, salvo raras exceções, mas sempre QUEIMANDO alguma coisa.
O maior impacto ambiental vivenciado atualmente pelo planeta advém da termoeletricidade, citando como exemplos o recrudesicimento do efeito estufa (e, por conseguinte do aquecimento global), da chuva ácida, etc.
Assim, imaginemos uma frota de veículos não 100%, mas ‘apenas’ 50% elétrica: DE ONDE VIRIA TANTA ELETRICIDADE? É óbvio que das usinas termoelétricas! Permitam-me avançar no imaginário, aí os apagões iriam ‘pipocar’ pra tudo que é lado!
Solução racional para poluir menos nossa Terra, o nosso único planeta, surgiu aqui, no nosso amado Brasil: ERA O PROALCOOL, criado sob a égide do meu velho professor coronel Urbano Ernesto Stumpf. Houve um tempo no qual quase ninguém tinha carro a gasolina, tinha sim carro a álcool (SOMENTE A ÁLCOOL / DIFERENTE DE FLEX), tempo em que a frota de caminhões da Coca-Cola era de Chevrolet a álcool, quando a Volkswagen fabricava caminhões Dodge a álcool, e quando eu viajava até o estágio nos ‘ônibus vermelhos do CTA’, 100% a álcool; e – notem – o álcool combustível dos primórdios era péssimo comparado ao de hoje, rebatizado de ETANOL, nada além do nome científico do ÁLCOOL.
Na Suécia, onde é custoso fabricar ETANOL, uma frota de ônibus SCANIA-ETANOL serve o povo; no Brasil os ‘esquerdopatas’ SUCATEARAM O PROALCOOL: por mera birra contra os militares os ‘ônibus vermelhos do CTA’ foram vendidos a peso, jazem num ferro-velho de Cruzeiro-SP.
Eu concordo que veículos elétricos são muito superiores, a partir do momento de eles gerarem a sua própria energia, oriunda do SOL.
Até lá devemos nos dar por satisfeitos em POLUIR O MÍNIMO POSSÍVEL!
Vocês, nobres amigos brasileiros, USEM SOMENTE ETANOL.
Vocês, nobres amigas brasileiras, IDEM!
Vosso carrinho teima em não ‘pegar’ nas manhãs frias?
BASTA NÃO ‘AFOGAR’ SEU CARRINHO COM ETANOL !!!
. . . . .
Vá de leve, que nem com seu marido consumidor de ‘álcool’… Lembrando que qualquer X ‘roda’ com álcool, igual aos primórdios do bom e velho motor de combustão interna.
Rodrigo.

Avatar
Marcos 16 de abril de 2021

A colocação sobre a batata no micro ondas. Perfeita…..

Avatar
Deixe um comentário