Caminhões bicudos: nova regra do Contran pode trazê-los de volta

Regra publicada em dezembro muda tamanho de para-choque a para-choque e abre caminho para modelos com arquitetura com motor à frente da cabine

caminhões bicudos
Scania 113H foi um dos caminhões bicudos de maior sucesso no Brasil (Foto: Márcio Zatarin | Divulgação)
Por Érico Pimenta
Publicado em 01/01/2024 às 09h03
Atualizado em 02/01/2024 às 09h22

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou a Deliberação n° 270, no dia 6 de Dezembro, na qual altera o tamanho de conjuntos ou carretas que rodam pelas estradas brasileiras. De acordo com a nova regra, os conjuntos, tecnicamente conhecidos como Combinações de Veículos de Cargas (CVCs), que é o conjunto de um cavalo mecânico e um semirreboque, poderão ter um comprimento máximo de 19,30 metros. Com isso, os conjuntos passam a ter um ganho de 70 centímetros, já que antes da Deliberação n°270, essa dimensão era de 18,60 metros.

VEJA TAMBÉM:

Vale lembrar que as cegonhas, aquelas carretas usadas para o transporte de carros. não se enquadram nessa deliberação; elas poderiam ter até 22,40 metros. Mas em 2018, uma nova resolução passou o limite para 23 metros. O novo limite já é citado pelo art. 4° da Resolução n° 882, que menciona: “que veículos articulados com duas unidades, do tipo caminhão-trator e semirreboque: máximo de 19.30 m”. Porque a mudança foi realizada?

volvo fh
Caminhões do tipo cara-chata se tornaram padrão devido ao comprimento menor do cavalo (Foto: Volvo | Divulgação)

 Volta dos caminhões bicudos?

Com a mudança, teremos algumas novas “oportunidades” para o segmento de transportes, como o aumento do transporte de cargas de baixa densidade e grandes volumes, como copos plásticos, colchão ou latas de alumínio para processo de envase.

A medida também atende a preparação para a chegada dos caminhões a hidrogênio, já que em sua maioria, atrás da cabine é fica acondicionado todo o sistema de funcionamento desse tipo de veículo.

A deliberação 270 que abre espaço para volta dos caminhões bicudos ainda amplia a possibilidade de as montadoras trazerem cabines maiores, como a Volvo Globetrotter XXL. A Scania com a sua cabine Highline XL e a DAF com os modelos europeus XG é XG Plus. E quem sabe até modelos bicudos como a linha VNL, que a Volvo oferta no mercado americano.

Vale ressaltar que a nova deliberação faz menção apenas ao novo comprimento e não altera a capacidade máxima de carga. Com isso ainda temos que esperar como o mercado vai absorver essa nova deliberação.

Newsletter
Receba semanalmente notícias, dicas e conteúdos exclusivos que foram destaque no AutoPapo.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook X X Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
18 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Santiago 7 de janeiro de 2024

Nada mudará para os cavalos, já que este parco 0,7 m será acrescentado às carretas pra render mais carga.
Também entendo que a regulamentação deveria ater-se mais às medidas das carretas, flexibilizando o comprimento total dos conjuntos e permitindo cavalos-mecânicos maiores.

Avatar
Carlos Alberto Ranieri 3 de janeiro de 2024

Sou fortemente a favor de caminhões bicudos e contra os cara-chata. Mais seguros em colisões contra traseira de outro caminhão, muito comum aqui no Brasil.

Avatar
Maurício 2 de janeiro de 2024

Boa tarde!!!
Deveriam criar uma lei baseada no comprimento apenas do implemento e não sobre o conjunto, pois daqui uns dias vai inventar carreta 32 palets e o problema não acaba nunca , se o comprimento máximo for 19,70 mts e o implemento com no máximo 15.30 ou 30 Palet aí sim acabaria com o problema dos cavalos bicudos e Tds trabalhariam com o mesmo implemento “carreta” ser bicudo ou frontal passaria a ser uma opção do proprietário.

Avatar
Pedro Jair 3 de janeiro de 2024

O problema, é que, quêm faz as resoluções, dificilmente já sentou numa boléia, pra saber como é a realidade do caminhoneiro!

Avatar
Jouberth Sobrinho 2 de janeiro de 2024

Que esses caminhões longos competem nas mesmas estradas que automóveis pequenos ninguém lembra, ou seja, as ultrapassagens sobre essas verdadeiras composições ferroviarias ficam cada vez mais dificeis e perigosas, vez que boa parte das rodovias tem pistas simples e muitas em região de curvas. Esse Conselho é uma brincadeira.

Avatar
Carlos Alberto Ranieri 3 de janeiro de 2024

… por falar em composições ferroviárias, o transporte de carga por ferrovia é muito barato e seguro que o de rodovia.

Avatar
Delfim 3 de janeiro de 2024

Mas é proibido ultrapassar em curvas e quando motorista do carro de passeio é prudente ultrapassa trinta metros sem sufoco. Quem passa sufoco em ultrapassagem só imprudente ingnorantes.

Avatar
Roberto Dias Alvares 2 de janeiro de 2024

A resolução é Benvinda, contudo poderia ser mais específica. Esclarecendo que o comprimento para o conjunto CVC com cabine recuada, conhecido como caminhões bicudos tenha esse ganho adicional ou um ganho superior aos caminhões com cabine avançada conhecidos como cara chatas. Assim a indústria automobilística saberia que fabricando um cavalo mecânico com cabine recuada ele teria a mesma capacidade de carga do cavalo com cabine avançada sem o prejuízo do espaço destinado ao motor fora da cabine

Avatar
Douglas 2 de janeiro de 2024

Essa nova regra foi positiva mas poderia ser 1 metro

Avatar
Antônio 1 de janeiro de 2024

O contra tem uma equipe de irresponsáveis que hora pública proibição outra liberação, deveria ter pessoas sérias e que realmente querem ajudar a desenvolver não ficar tirando onda com os caminhoneiros

Avatar
Claudio Roberto Pastoriza 3 de janeiro de 2024

Todo hora o Contran ,muda as regras,na hora que quer,
Do que adianta isso ,acho eu que é simplesmente,satisfazer o EGO deles.Ai tu vai descarregar num empresa que não tem espaço pra manobrar,onde entra um Kombi eles querem que entra uma Carreta.
Tropa de incompetente

Avatar
Erik Schulenburg 1 de janeiro de 2024

Uma regra imbecil num país de ladrões!

Avatar
Douglas 2 de janeiro de 2024

Concordo plenamente temos poucas pessoas honestas e poucos que querem ver esse país se desenvolver.

Avatar
Valmir Antônio Roik 1 de janeiro de 2024

Isso vão aproveitar o tamanho da carreta e não o tamanho da cabine,e em um futuro próximo já vi falarem que vão deixar só um espaço pra caber o motorista do lado esquerdo e do lado direito vai ter uma plataforma que vai caber um ou dois pallts,os caminhões vão ter uma micro cabine igual a de uma pc que cabe só o motorista

Avatar
Mateus 1 de janeiro de 2024

Com certeza vão optar em colocar mais carga . Sobre caminhões bicudos ou frontal : o frontal e muito melhor para manobrar nas ruas brasileiras .

Avatar
Aleudo bezerra da Silva 1 de janeiro de 2024

A reportagem esqueceu de mencionar os caminhões bicudo da Mercedes que são ótimos bonitos e tradicional

Avatar
Sebastião Gomes sobrinho 1 de janeiro de 2024

A lei tinha que ter um tamanho máximo pra carreta, e um tamanho máximo pro cavalinho, sendo de parachoque a parachoque vão continuar dando preferência pra carga

Avatar
FELIPE 1 de janeiro de 2024

Concordo. E essa alteração vai beneficiar apenas as cargas leves e de maior volume, pois não alteraram o peso total.

Avatar
Deixe um comentário