Mercedes-Benz 600 Pullman, o extravagante carro do Papa

Não deixa de ser extravagante dirigir o enorme Mercedes 600, pois se tem a nítida sensação de que no banco traseiro deveria estar ou Sua Santidade, o Papa

vs651616
Por Boris Feldman
12 de abril de 2018 16:51

Assim como seus modelos topo de linha, a Mercedes-Benz lançou o modelo “600” também em duas versões, a “normal” com 5,45 metros e a “Pullman” com 6,24 metros de comprimento. Fabricada de 1963 até 1981, foram 2.677 unidades incluindo aí 428 Pullman, 59 “Landaulet” (conversível na traseira, como o “carro do Papa”) e dois cupês protótipos.

mercedes-benz 600 pullman 1965 papa paulo vi carro do papa
O modelo Mercedes-Benz 600 Pullman Laudalet de 1965 foi o veículo oficial do Papa Paulo VI

Seu motor era o maior da linha Mercedes: um V-8 com 6,3 litros desenvolvendo 250 cv e torque “de caminhão”: 51 mkgf a 2.800 rpm. O carro, apesar de seus 2770 kg (Pullman), acelerava de zero a 100 km/h em apenas 12 segundos. O “600”, com 2.600 kg, acelerava até os 100 por hora em 10 segundos.

Todo o Mercedes-benz 600 Pullman funciona hidraulicamente: o fechamento automático e a trava das portas, porta-malas e tampa do tanque, o ajuste dos bancos, a abertura do teto solar e os vidros das portas. Até os sistemas de aquecimento e ar condicionado são comandados hidraulicamente. Um dos dispositivos da linha “600” acabou sendo adotado dezenas de anos depois pela indústria: freio-de-estacionamento desligado automaticamente quando se liga o motor.

mercedes-benz 600 pullman 1965 papa paulo vi carro do papa

O carro do Papa, considerado na época o “melhor do mundo”, tinha suspensão independente nas quatro rodas e um sistema pneumático no lugar de molas, com amortecedores hidráulicos que controlavam a altura do automóvel com comando no painel.

Ao encomendar o “600”, as possibilidades fazem lembrar as que se oferecem hoje para o cliente de um Mercedes Maybach: combinações de cores e revestimentos internos, geladeira, TV, toca-fitas (ainda não existia CD nem DVD), mesinhas acopladas à parte traseira dos bancos dianteiros, vidro para separar o motorista dos passageiros, intercomunicadores, barbeadores elétricos e outros mimos como ar-condicionado duplo e até o número de portas: eram seis na 600 Pullman, oferecendo acesso a três filas de bancos ou quatro com os dois bancos centrais virados para trás. Ou duas camas. Os “landaulets” eram os preferidos dos governantes pois abaixavam a capota traseira (de pano) e eram vistos e aplaudidos pelas multidões, durante os desfiles ou em ocasiões especiais. A fábrica oferecia a versão blindada que foi encomendada, entre outros, por Leonid Brezhnev e Mao Tsé-Tung.

O carro do Papa é apertado

Por incrível que pareça, a linha 600 foi definitivamente projetada para muito conforto atrás. Mas ai do motorista que medir mais que 1.70 m (meu caso): o curso do banco dianteiro é limitado (para privilegiar o espaço atrás) e desconfortável. A única regulagem interessante é da altura do volante. Mas requinte é marca registrada e está presente em todo o interior, com profusão de couro, veludo, madeira legítima e muito cromado.

É claro que o espaço do modelo de carro do Papa para os passageiros que vão atrás é descomunal e, apesar de o teto ser baixo, ninguém esbarra a cabeça, mesmo os mais altos.

Mercedes-benz 600 Pullman

A transmissão é automática de quatro marchas com a nostálgica alavanca na coluna. As marchas passam razoavelmente sem trancos. O motor do carro compensa seu peso e até hoje ele anda como gente grande na estrada. E não faz feio fora da “autobahn”: mesmo em estradinhas apertadas e sinuosas a suspensão pneumática garante curvas razoáveis. Os freios são bons, mas revelam a idade do automóvel, sem nenhum recurso além da assistência a vácuo e discos com pinças duplas nas quatro rodas. Uma sofisticação para a época mas que pode assustar o motorista mais afoito, afinal o carro chega fácil aos 200 km/h.

O ar condicionado funciona para valer, o som é de ótima qualidade (para a época) e o isolamento acústico excepcional. O carro avaliado era um modelo 1974 com apenas 17 mil km rodados, quase todos pelo governo de Baden-Würtemberg, estado da Alemanha cuja capital é Stuttgart, onde fica também a sede da Mercedes-Benz.

Design com “pedigree”

Rudolf Uhlenhaut, o designer que projetou a mais famosa Mercedes de todos os tempos (“Asa de Gaivota”), participou ativamente do projeto da série 600. Elementos importantes na carroceria do novo carro foram idealizados a partir da 300 SL (Asa), como os conjuntos óticos dianteiros verticais incorporando faroletes, faróis principais e auxiliares e luzes direcionais. O grande radiador com as entradas laterais de ar foram lançados pelos sedãs das décadas de 50 (Ponton) e 60 (Rabo de peixe). Os parachoques traseiros com lâminas duplas viraram marca registrada da linha Mercedes. A suspensão pneumática virou hidro-pneumática na série seguinte e foi relançada com comando eletrônico na década de 90. Apesar de não esconder suas linhas de enorme limusine, ainda assim a “600” manteve um estilo agradável e sóbrio, o que permitiu que o modelo fosse produzido durante 17 anos ininterruptamente.

Fotos Mercedes-Benz | Divulgação

SOBRE
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Franco Vieira 10 de maio de 2018

São as melhores matérias.
Aqui em Bh já vi em exposição uma 600, azul com interior vinho.
Linda.

Avatar
Deixe um comentário