Chevrolet 110 anos: veja 10 modelos marcantes no Brasil

Relembre carros, picape e SUVs emblemáticos da marca aqui no nosso mercado; muitos, curiosamente, são de origem Opel

chevrolet opala ss 1971 prata inca quatro portas de frente em pista de corrida
Opala: modelo tem legião de fãs (Fotos: Chevrolet | Divulgação)
Por Fernando Miragaya
04 de novembro de 2021 12:09
Especial para o AutoPapo

Há 110 anos, Louis-Joseph Chevrolet fundava a marca que colocaria seu sobrenome na história da indústria automotiva mundial. E que se tornou uma das empresas de veículos mais importantes e bem-sucedidas do Brasil. Tanto que não faltam carros marcantes que consolidaram o fabricante por aqui.

Curiosamente, a história de Louis Chevrolet começa no mundo do ciclismo, fabricando, consertando e competindo com as magrelas. Em 1901, o então jovem engenheiro suíço foi para Nova Iorque para trabalhar na Fiat e logo depois projetou seu primeiro motor para a Buick.

VEJA TAMBÉM:

Foi nas corridas, como piloto da marca norte-americana, que Louis conheceu William C. Durant, o chefão da General Motors, fundada em 1908. Os dois, então, criaram, em 3 de novembro de 1911, a Chevrolet Motor Car Company.

Só que o homem que emprestou o nome à empresa não ficou muito tempo nela. Em 1913, após muitas discordâncias com o sócio sobre projetos de automóveis, Louis vendeu sua parte na Chevrolet para Durant e foi se dedicar às corridas. De longe, viu a marca da gravata se tornar uma das mais poderosas da GM.

O fabricante, por sinal, se instalou no Brasil em 1925, mas para produção de caminhões e comerciais leves. Só em 1968, com o Opala, é que a empresa fabricou seu primeiro modelo de passeio no país. De lá para cá, não faltaram carros marcantes da Chevrolet para contar história e colocar o fabricante entre as grandes montadoras do país.

Só que, curiosamente, a história da Chevrolet e de seus automóveis no Brasil foi moldada mais pela Europa do que propriamente pela matriz. Boa parte dos carros mais marcantes que desfilaram por aqui com a gravatinha na grade foram projetos Opel, a divisão europeia da GM que há poucos anos foi vendida para a PSA Peugeot Citroën e que hoje faz parte do conglomerado Stellantis.

Chevrolet Veraneio

O Veraneio foi um dos primeiros veículos que podemos classificar como SUVs no Brasil – e um dos primeiros não caminhões fabricados pela GM aqui. Derivado da linha de picapes dos anos 1960, o modelo nasceu como Chevrolet C-1416 em 1964 e com a proposta de ser uma station-wagon grande e parruda, com nove lugares e motor 4.3 de 142 cv.

O nome Veraneio só foi adotado em 1969, o que reforçava a vocação familiar. Só que o Veraneio também virou sinônimo de carro de vários serviços públicos. As dimensões generosas e sua robustez logo o credenciaram a ser ambulância e viatura policial – que deu origem até à música “Veraneio Vascaína”, originalmente do Aborto Elétrico e gravada pelo grupo Capital Inicial.

Na década de 70, passou por pequenas maquiagens, ganhou configuração com quatro portas e até direito a versões Luxo ou com motor 2.5 (mesmo do Opala) – o 4.1 substituiu o 4.3 só em 1981.

O Veraneio foi um dos carros mais emblemáticos da Chevrolet no Brasil e foi produzido até 1989. Sua segunda geração foi lançada naquele mesmo ano, com base no chassi da picape D20 e linhas mais retilíneas inspiradas no modelo estadunidense Tahoe.

Chevrolet Opala

Como dito, o Opala foi o primeiro carro de passeio produzido pela General Motors no Brasil, e se tornou um dos carros mais icônicos de todos os tempos por aqui. Foi anunciado em 1966 e lançado em 1968, com o “melhor dos dois mundos” para os padrões automotivos brasileiros da época.

Afinal, o sedã adotava desenho inspirado no alemão Opel Rekord C e usava mecânica estadunidense Chevrolet. No caso, o 2.5 quatro cilindros de 81 cv e o seis canecos 3.6 de 126 cv. A tração era traseira e o câmbio manual de três marchas tinha alavanca na coluna de direção, o que fazia do banco dianteiro um sofá inteiriço com três lugares.

O sedã era sinônimo de luxo, conforto e estilo, com linhas que emprestavam um quê de esportividade ao sedãzão. Mas para atrair um público mais jovem, em 1971 a Chevrolet, então, lançou o ícone do ícone: o Opala SS e suas indefectíveis faixas laterais da carroceria.

Foi a SS a responsável por debutar o motor 4.1 seis cilindros que se tornou emblemático dentro da linha. Com 140 cv de potência, fazia o Opala partir da inércia e alcançar os 100 km/h em 12 segundos. Na mecânica, trazia freios a disco na dianteira e barra estabilizadora traseira, enquanto a alavanca da transmissão, agora com quatro marchas, abandonou a coluna de direção.

Em 1972, a gama se aproximou ainda mais do estilo do Rekord ao adotar uma carroceria cupê duas portas lindíssima e sem coluna central. Ao longo da década, a linha recebeu o 4.1 e a variante esportiva estreou a opção SS-4, equipada com o motor 2.5 com carburador de corpo duplo e potência elevada para 99 cv.

Reestilização

Para responder ao lançamento do Ford Maverick, a Chevrolet fez a primeira reestilização do Opala em 1975, só que foi beber na escola de design norte-americano, com clara inspiração no Chevelle. As mudanças se concentraram nos faróis, grade e parachoques, e a traseira passou a ter as clássicas quatro lanternas redondas.

Ao longo dos anos, o Opala ainda sofreu vários facelifts, adotou câmbio manual de cinco marchas, o motor 4.1 passou a ter sua variante a etanol e a caixa automática de três marchas deu lugar a uma transmissão ZF, de quatro velocidades.

Após a volta da importação de veículos, em 1990, o Opala perdeu destaque no segmento de sedãs grandes. Mesmo assim, nos últimos anos de vida, ainda passou por uma nova reestilização.

Opala sai de linha

O carro deixou de ser fabricado em abril de 1992. Ao longo de sua história, teve 1 milhão de unidades produzidas – o que inclui a station-wagon Caravan.

Apesar de cultuado, o Opala foi um clássico problemático:

Chevrolet Chevette

Pode-se dizer que o Chevette foi, além de um carro marcante da Chevrolet (e um dos mais vendidos), um dos primeiros modelos globais da General Motors fabricado no Brasil. O então Projeto T ficou a cargo da Opel, e dessa plataforma nasceu a terceira geração do Kadett europeu. Por aqui, virou o compacto querido por muitos.

Um detalhe é que o Chevette foi lançado no Brasil em 1973, meses antes do Kadett lá fora. Com frente inclinada, faróis quadrados e grade bipartida, começou como sedã de duas portas, com motor 1.4, tração traseira e peculiaridades, como o bocal do tanque na coluna traseira.

Teve versões marcantes, como a GP e a S/R e deu muitas crias: as variantes hatch, station-wagon (Marajó) e picape (Chevy 500). Também passou a ser equipado com propulsor 1.6.

A grande mudança se deu em 1983, quando o Chevette adotou estilo que remetia ao recém-lançado Monza, e que reforçou seu apelido de Tubarão. Faróis retangulares, grade única com frisos horizontais e novo capô davam o tom. Na traseira, lanternas também retangulares.

Esta safra do Chevette passou a ter opção de motor 1.6 a álcool e até versão com câmbio automático de três marchas – importado da Austrália -, que, obviamente, não vendeu nada. Também foi dessa era que surgiu o Chevette Jeans, uma série especial inusitada com bancos forrados de brim e porta-revistas em forma de bolsos de calças.

Após a reabertura das importações e de melhorias no conjunto com o motor 1.6, o sedã perdeu força. Em 1991, passou a ser vendido apenas na versão DL e, anos depois, o Chevette Junior tentou se valer dos benefícios fiscais para modelos com motor até 999 cm³.

Mas a chegada do Corsa, em 1994, era sinal de que o Chevette deixaria de existir. Em 1993, o carro se despediu das linhas de montagem após ter mais de 1,6 milhão de unidades vendidas no país.

Chevrolet Monza

Apesar de não ser o modelo de entrada da GM na época, o Monza foi um estrondoso sucesso e um dos carros mais marcantes da Chevrolet no Brasil. Lançado inicialmente como hatch em 1982 e inspirado no Opel Ascona, logo virou sedã e tornou-se o carro mais emplacado do mercado brasileiro por três anos seguidos.

O médio foi sinônimo de automóvel mais sofisticado – tanto que a variante duas portas só apareceu depois da estreia do sedã de quatro portas. Começou com o motor 1.8 de 86 cv – 96 cv na versão movida a etanol lançada em 1984.

A derivação Classic, topo de linha, logo virou referência na linha. Saía de fábrica com ar-condicionado, direção hidráulica e trio elétrico, algo impressionante nos anos 1980. Já a esportiva S/R foi em cima do hatch, com motor de carburação dupla e 106 cv, câmbio com relações mais curtas, rodas de liga leve aro 14” e pneus de perfil baixo.

Em 1987, passou a ser equipado com o motor 2.0 e em 1990 fez as honras de ser o primeiro modelo nacional com injeção eletrônica, só que na forma da série especial EF500, em referência a Emerson Fittipaldi – o Gol GTI, porém, acabou sendo o primeiro nacional de produção com a tecnologia.

O apelido Tubarão surgiu depois da profunda remodelação de 1991, com capô mais abaulado, faróis afilados, tampa do porta-malas reta e lanternas trapezoidais. A linha passou a ter motores com injeção eletrônica e 121 cv.

Nos anos 1990, o Monza teve séries emblemáticas, como Barcelona (em alusão às Olimpíadas de 1992), 650 (referência às 650 mil unidades vendidas) e Club. Saiu de cena em 1996 com uma marca impressionante de mais de 850 mil carros comercializados no Brasil.

Chevrolet Kadett

A quinta geração do hatch da Opel foi lançada no Brasil em 1989, mas não sucedeu o Chevette (lembre que o compacto era a fase 3 do modelo europeu). O Kadett ficou posicionado justamente entre o então modelo de passeio mais barato da Chevrolet no país e o Monza. O design mais esportivo tornou-o um dos carros famosos da marca por aqui.

O Kadett começou a ser vendido em três versões, duas com motor 1.8 e a GS, com o 2.0. Destacava-se pelo espaço na frente e pelo volante com ajuste de altura. Contudo, os melhores itens eram opcionais: ar-condicionado, direção hidráulica, regulagem da altura do banco, rodas de liga leve e toca-fitas. Detalhe que o câmbio automático só era disponível para o 1.8 com etanol…

Logo com um ano de vida ganhou sua primeira edição limitada, a Turim, em referência à Copa do Mundo de 1990. Em 1991, tornou-se o primeiro carro a ter motor a álcool com injeção eletrônica, no 1.8, enquanto o 2.0 recebeu a tecnologia e se transformou na versão mais famosa do hatch: a GSI, com direito a uma variante conversível cuja montagem era finalizada na Itália.

Após muitas séries e versões, o Kadett deu origem à perua Ipanema e chegou a conviver com o Astra belga (1994 e 1995). Deu adeus em 1998 para dar lugar à então nova geração do Astra, desta vez nacional. Foram quase 600 mil unidades vendidas em nove anos de vida.

Chevrolet Omega

A Chevrolet continuou a ser um dos poucos fabricantes a produzir um sedã grande no país, mesmo após o fim do Opala. Isso graças ao Omega. Lançado em agosto de 1992, o imponente modelo manteve-se como um dos poucos nacionais de luxo nos anos 1990.

Esta primeira geração do Omega foi mais um projeto Opel, que nasceu em 1986, mas que também marcou presença sob a alcunha Commodore, na Austrália, onde era vendido pela Holden (subsidiária da GM). Por aqui, era um dos carros mais espaçosos do país, com 4,74 m de comprimento e 2,73 m entre-eixos.

O Omega brasileiro começou os trabalhos com motores 2.0 de 116 cv (mesmo de Monza e Kadett), além do 3.0 de seis cilindros em linha e 165 cv que era importado da Alemanha – com esta unidade, era um dos poucos modelos nacionais a ultrapassar a barreira dos 200 km/h de velocidade máxima. Meses depois do lançamento, deu origem a sua versão station-wagon Suprema.

Apesar dos números, o Omega 3.0 era alvo de críticas quanto à manutenção e também em relação ao torque ruim em baixas rotações. A GM, então, em 1995, equipou as versões topo de linha do sedã com o conhecido 4.1 seis canecos do Opala, que rendia 168 cv. Já a opção 2.0 era substituída pelo 2.2 de 126 cv.

Este Omega teve a produção encerrada na Europa em 1994, mas no Brasil sua fabricação foi esticada até 1998. A terceira geração do sedã passou a ser importada no ano seguinte, já que a Chevrolet não trouxe oficialmente a segunda geração para cá.

Chevrolet Corsa

O Corsa foi um daqueles carros que quebrou paradigmas na categoria de compactos. Lançado menos de um ano depois de sua estreia na Europa (com o símbolo da Opel, e já em sua segunda geração), o modelo usava plataforma moderna para os padrões brasileiros e trouxe para o segmento a injeção eletrônica, até então exclusividade de carros maiores ou de modelos com pegada esportiva.

O hatch foi tão badalado que teve até ágio no início de sua vendas – isso em um carro considerado “popular” na época. Caso contrário, era preciso esperar até três meses pelo compacto.

Suas vendas começaram com o motor 1.0 de 50 cv e meses depois agregou o 1.4 de 60 cv – ambos, como dito, com injeção eletrônica. Empolgava mais que na relação de equipamentos. A versão de entrada Wind não tinha conta-giros, tampouco para-choques pintados ou calotas nas rodas de aço.

Mesmo assim, o Corsa se estabeleceu como um dos carros mais vendidos do país, e obviamente deu origem a diversas configurações. Teve o sedã (que se perpetuou como Classic até o fim dos anos 2000), a Corsa Wagon e a Pick-Up Corsa.

Uma das versões mais disputadas pelos entusiastas, contudo, é a GSI. Lançada naquele mesmo ano de 1994, tinha saias dianteiras e traseiras, além de spoiler, e usava motor 1.6 16V importado da Hungria com 106 cv de potência. Era o rival direto do VW Gol GTi até então.

Em 2002, o “Kinder Ovo” deu lugar a uma nova geração do hatch – só o sedã se manteve em produção. Mas o novo Corsa era mais caro (a GM criou o Celta sobre a plataforma do velho hatch para compensar isso) e não repetiu o mesmo sucesso do primeiro.

Chevrolet S10

Havia uma espécie de hiato no mercado de picapes no Brasil. Numa ponta você tinha as compactas derivadas dos carros de passeio, e na outra as grandonas, como Chevrolet D20 e Ford F-1000. Coube à S10 inaugurar o segmento de médias e se tornar um dos modelos mais marcantes da montadora em nosso mercado.

Lançada em 1995, a S10 estreou com o motor 2.2 de 106 cv do Omega. Logo depois chegou a variante turbodiesel, com o 2.5 Maxion de 95 cv – o sistema de injeção eletrônica e a tração 4×4 só seriam lançados na picape em 1998. Além das variantes com cabine dupla e simples, teve uma configuração cabine estendida.

A primeira S10 se valeu de um sem número de versões e séries, além de gerar o SUV Blazer e de passar por diversas mudanças de motores, com direito ao 2.8 da MWW (o mais cultuado pelos picapeiros entre os turbodiesel), 2.4 que se tornou flex e até de uma versão V6 a gasolina.

A nova geração da S10 surgiu em 2012, agora inspirada na norte-americana Colorado. Além do novo padrão de design da Chevrolet, a picape aprimorou sua dirigibilidade, mas manteve a robustez para se garantir entre as médias mais vendidas do mercado.

Ao longo dos anos, continuou com a variedade de séries e versões, enquanto o motor 2.5 flex passou a ter injeção direta. Hoje, porém, a S10 é vendida apenas em versões com o motor turbodiesel de 200 cv e sua última novidade foi a configuração Z71, apresentada recentemente pela Chevrolet.

Chevrolet Vectra

O primeiro Vectra surgiu aqui em 1993 com motor 2.0 de 116 cv e uma divertida versão GSi de 150 cv. Mas foi a segunda geração, lançada em 1996, que se tornou um dos carros mais marcantes da Chevrolet no Brasil. Até porque a GM podia se gabar de que era a única que fabricava automóveis de todos os segmentos por aqui: compactos, médios, médio-grandes e grandes.

O Vectra era o médio-grande da Opel e só ficava abaixo do Omega no Brasil. Chegou com o motor 2.0, com potências de 110 cv (8V) e 141 cv (16V). Com o fim do sedãzão de luxo, em 1998, coube ao novo modelo fazer as honras de ser o carro mais caro e sofisticado da Chevrolet no mercado nacional.

Logo trocou o 2.0 pela linha de motores 2.2, com potências de 123 cv e 138 cv. Entre os destaques do Vectra, comportamento dinâmico, conforto a bordo, desempenho empolgante e nível de equipamentos. O desenho fluido também chamava a atenção, com destaque para os retrovisores integrados.

Pena que a GM quase estragou o legado do Vectra. Em 2005, o modelo ganhou uma terceira geração, só que sobre a plataforma do Astra brasileiro, lançado aqui em 1998. Ou seja, apesar de 20 cm maior, o carro usava plataforma de médio e tinha preço de médio-grande. Ganhou o apelido de Astrão.

Chevrolet Onix

Um dos poucos carros marcantes da Chevrolet no Brasil que não é um projeto europeu ou norte-americano. O Onix nasceu de uma plataforma desenvolvida pela filial sul-coreana da GM, que assumiu as rédeas da antiga Daewoo. O carro começou a ser projetado no Brasil em 2008, com a dura missão de substituir o Celta e o Corsa de segunda geração.

Feito sobre a arquitetura Gamma – de veículos compactos da GM -, foi lançado em 2012 com os manjados motores Família I 1.0 e 1.4, mas com custo/benefício agressivo e preço de manutenção baixo. Também foi um dos pioneiros em popularizar equipamentos “sofisticados” para a época entre os compactos, como transmissão automática (de seis marchas) e central multimídia.

Em 2015, o Onix assumiu a liderança de vendas de carros de passeio do país e só não vai celebrar o heptacampeonato este ano devido aos problemas na produção em Gravataí (RS) – a linha de montagem ficou parada por quase quatro meses devido à falta de semicondutores.

E olha que o Onix já estreou uma segunda geração, em novembro de 2019, com base na plataforma GEM e novos motores três-cilindros e turbinados. O modelo ficou mais caro, porém melhorou o custo/benefício com mais equipamentos. E dificilmente não retomará a ponta dos emplacamentos no ano que vem.

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
10 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Lege Salles Baptista 12 de novembro de 2021

Fiquei triste. Não citaram a Meriva. Tenho um modelo de 2004 1.8 com 68mil km rodados. Foi um veículo marcante pois alimentou a maioria da frota de táxis neste país durante muitos anos, pois era bonito, espaçoso e resistente. Não tinha concorrente para este fim.

Avatar
LEONIDAS DA SILVA DUIZIT 8 de novembro de 2021

Eu acho que o Agile não teve forma nem conteúdo mais não é um carro ruim mas a spim e o Sonic e as Meriva são os piores carros da Chevrolet

Avatar
Frederico Bacellar 8 de novembro de 2021

Boris, tem gente que NÃO LÊ a reportagem ou só quer RECLAMAR POR RECLAMAR

Na primeira linha do Chevette já é citado que é a terceira geração do Kadett
Em vários outros textos fala da relação Chevette – Kadett – Vectra – Astra – É SÓ LER
Terceira geração é IGUAL a Kadett C
Quinta geração é IGUAL a Kadett E
Vauxhall tem a mesma relevância no Brasil que um carro da Landwind

Avatar
Paulo Roberto De Oliveira Silva 7 de novembro de 2021

Porque o celta não entrou na lista afinal ele foi o carro mais vendido da Chevrolet durante todo tempo no Brasil.

Avatar
Edson Clement 5 de novembro de 2021

Faltou o Chevrolet prisma

Avatar
Joabe 5 de novembro de 2021

Poxa, não citaram o Ágile…. o pior carro que a GM já fez…

Avatar
Mario Sergio 7 de novembro de 2021

Kkkkk discordo vc esqueceu do Sonic, esse sim foi o pior kkkkk
Agile está na classificação de menos pior.

Avatar
Diego 5 de novembro de 2021

Bons tempos da GM no Brasil. Acredito que estes produtos citados, em suas épocas, eram melhores que os modelos atuais da GM. Hoje consideraria somente a S10 como um carro que chama a atenção na linha chevrolet. Astra, Vectra, Corsa, Opala, Omega, Zafira eram referências em seus segmentos. Os atuais modelos perderam essa magia!

Avatar
Luiz Carlos 5 de novembro de 2021

Cadê o Astra??
Organizando a falta de pesquisa:
Chevette veio do Opel Kadett C
Kadett veio do Opel Kadett E, que também era Vauxhall Astra E
O Astra belga era o Opel Astra F, que seria o Kadett F mas Opel e Vauxhall fundiram os nomes.
O Astra nosso era o Opel/Vauxhall Astra G
O Vectra 3a. geração no Brasil era nada mais nada menos que o Opel/Vauxhall Astra H
Portanto, Chevette, Kadett e Astra são uma mesma linhagem e não poderiam deixar de citar isso.

Avatar
Polvo 5 de novembro de 2021

Concordo contigo, ao invés do Kadett acho que o Astra deveria estar nessa lista, até porque ficou mais tempo em produção e vendeu mais, além de ser mais bonito.

Avatar
Deixe um comentário