Clássicos do Boris: o norte-americano Lincoln K 1936 Le Baron

Conheça mais detalhes sobre o vencedor do Troféu Roberto Lee, do Brazil Classics, um Lincoln raríssimo e elegante

Por Boris Feldman 16/12/17 às 08h11
araxa lincolnh

O colecionador mineiro Rubio Fernal entregou os pontos e cansou de procurar um cupezão norte-americano da década de 1930. Até receber a ligação de um amigo, que morava nos Estados Unidos, dizendo ter visto o anuncio do carro de seus sonhos, um Lincoln K 1936 Le Baron em – aparentemente – bom estado.

Ele gostou, disse que iria no mês seguinte e que aproveitaria para ver o carro. O amigo respondeu: “Ou você me autoriza a comprá-lo agora ou fica sem ele. É muito raro e duvido que demore muito a mudar de mãos”. Rubio decidiu correr o risco e, dois meses depois, o Lincoln chegou ao Brasil.

Não se arrependeu: o Lincoln K era completamente original, marcava apenas 43 mil milhas no odômetro, pintura (um nobre azul-marinho) só precisando de um “tapa” e toda a mecânica funcionando como um relógio.

Achou nos EUA o tecido original para refazer o revestimento dos bancos, tirou o couro preto da capota e encontrou debaixo, branco, porém manchado, o original com ranhuras. Mandou a amostra e encomendou a um curtume no sul do Brasil um outro idêntico, igualmente ranhurado.

Clássicos do Boris: Lincoln K Le Baron 1936

Perguntado sobre se as peças para reparação foram difíceis de encontrar, ele ri:

Não faço a menor ideia, pois só foi necessário o vidrinho da lanterna que ilumina a placa traseira, mais nada…

E assim ficou pronto o raríssimo Lincoln que ganhou em 2016 o mais prestigiado prêmio do antigomobilismo brasileiro: “Trofeu Roberto Lee”, do Brazil Classics Show de Araxá.

Foi um dificuldade (como sempre…) para o júri decidir a quem conferir a premiação máxima: raro por raro, o Lincoln K 1936 Le Baron enfrentou a duríssima concorrência de um Packard Saoutchic 1931, poucos no mundo, único no Brasil.

A Le Baron era uma encarroçadora norte-americana. A Saoutchic, francesa, ainda mais extravagante e requintada, assinou modelos das mais famosas marcas como Bugatti, Mercedes, Cadillac, Delahaye e Pegaso. Na época, era comum a fabricação de séries especiais por empresas especializadas em carrocerias, tanto nos EUA como na Europa.

Milionários compravam nas fábricas apenas o chassi com toda a mecânica, enviado para os encarroçadores onde se escolhia o design, acabamento interno, acessórios,etc.

O Lincoln K de Rubio recebeu o número 15 de apenas 25 chassis que a Lincoln (divisão de luxo da Ford) forneceu em 1936 para a Le Baron. Tem um raro opcional de época, o compartimento para tacos de golfe com a tampa lateral atrás da porta direita.

Só leva passageiros na frente, pois o “banco da sogra” não carrega parente nenhum: ele se abre normalmente, como porta-malas, só para bagagens. Tem dois estepes montados nos para-lamas e pesa 2.300 kg.

Clássicos do Boris: Lincoln K Le Baron 1936

Motorização e câmbio do Lincoln K 1936

A mecânica do Lincoln K 1936 era excepcional para a época: motorzão V12 com 6.8 litros de cilindrada e 155 cv. O câmbio é manual de três marchas, sem sincronização. Rubio diz que custou até acertar o “tempo” para cambiar sem arranhar.

Seu velocímetro marca até 120 milhas (192 km/h), o que sinaliza um ótimo desempenho com as margens de praxe.

O Lincoln Le Baron era um automóvel tão requintado e com tal desempenho que fez jus ao apelido de “Mercedes 540 wK americano”, alusão aos mais famosos carros da estrela de três pontas do pré-guerra.

Os Lincoln K ganharam rodas estampadas de aço, com aro de 17”, em vez das raiadas que equipavam os Lincoln K até 1935. A série foi produzida de 1930 até 1940.

Na hora de explicar como é dirigir o Le Baron, Rubio é da maior honestidade: “É quase a sensação de estar ao volante de um trator: muito alto, duro e pesado…”

SOBRE
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Franco Vieira 18 de dezembro de 2017

Maravilha! Essa coluna tem que ser diária!

Avatar
Deixe um comentário