Fiat Uno se despede oficialmente com a edição Ciao

Após 37 anos de mercado, o Fiat Uno se aposenta. A versão Ciao marca essa despedida, com 250 unidades numeradas e trazendo detalhes exclusivos

fiat uno ciao cinza parado dianteira 2
Pintura cinza com detalhes em preto e adesivos exclusivos identificam a versão Ciao (Foto: Fiat | Divulgação)
Por Eduardo Rodrigues
20 de dezembro de 2021 18:33

Com o fim do Volkswagen Fusca em 1996 ficou um questionamento no ar sobre qual seria o seu sucessor espiritual no Brasil. Quem acabou tomando esse posto foi o Fiat Uno, graças a sua simplicidade e valentia. A primeira geração do Uno foi feita de 1984 a 2013, passando o legado para a segunda geração lançada em 2010.

A segunda geração pegou o conceito das linhas retas do Uno original e o deixou mais arredondado. Na mecânica continuava com a robustez e simplicidade dos motores Fire, o que lhe rendeu boas vendas. Agora o Uno se despede, depois de 37 anos no Brasil.

VEJA TAMBÉM:

Como é a edição de despedida do Fiat Uno

A edição de despedida foi chamada de Ciao, expressão italiana que serve tanto para cumprimentar quanto para despedir. O AutoPapo adiantou essa edição em novembro, a pintura cinza, teto preto e pacote de equipamentos batem com as informações de nossa fonte.

Por dentro ele recebe cores diferenciadas na padronagem dos tecidos, rádio com bluetooth e entrada USB, vidros elétricos na dianteira e o console de teto com porta-óculos e espelho convexo para vigiar o banco traseiro. De acordo com o configurador no site da marca, será necessário desembolsar R$ 84.990 para ter esse pedaço de história.

Serão 250 unidades numerada, identificadas por uma plaqueta no painel. Na lateral vem um adesivo exclusivo identificando a versão e na traseira o emblema do carro ganhou as cores da bandeira italiana. A derradeira última unidade irá receber o número 4.379.356 na plaqueta de identificação. Essa é a quantidade de unidades do Uno que foram produzidas na fábrica de Betim (MG).

fiat uno ciao cinza interior plaqueta de indentificacao
A plaqueta no painel indica qual das 250 unidades o cliente levou

Um breve histórico do Uno no Brasil

O lançamento do Fiat Uno em 1984 foi um marco para nossa indústria. Ele chegou apenas um ano depois do lançamento mundial do modelo, trazendo desenho assinado por Giorgetto Giugiaro. O motor transversal, como o do 147, permitia um melhor aproveitamento de espaço no carro.

O nosso Uno era diferente do modelo italiano: o nosso usava a suspensão traseira independente com molas semielípticas transversais do 147, enquanto lá fora ele usava eixo de torção. Essa suspensão roubava espaço no assoalho e por isso o estepe foi para o cofre do motor.

A família Uno cresceu com as versões sedã (Premio), perua (Elba) e picape (Fiorino). Por não ter um carro maior, a Fiat fez versões mais equipadas do Uno e seus derivados para competir com carros médios. No outro extremo veio o Uno Mille, o primeiro carro popular 1.0 moderno do Brasil.

A segunda geração

Com a chegada do Palio em 1996, o Uno foi resumido ao Mille e virou o carro de entrada da marca. Uma segunda chance veio com a nova geração de 2010, que resgatou o nome Uno.

O plano da Fiat era de fazer do Uno um carro como o Mini moderno: um compacto estiloso e altamente personalizável. O painel trazia uma moldura que podia ser trocada por outras, adesivos eram oferecidos para personalizar o exterior e uma gama de acessórios estava disponível nos concessionários.

Ao contrário do que muitos acham, esse Uno moderno não era derivado do Fiat Panda italiano. O design é parecido, mas são feitos em plataformas diferentes e até as medidas da carroceria não batem.

O Uno ficou na gama da Fiat espremido entre o Palio Fire e o Palio. Na linha 2014 ele ganhou o primeiro fece-lift, que trouxe um painel novo e mais equipamentos. Dois anos depois veio uma mudança discreta de estilo e os antigos motores Fire foram substituídos pela nova família Firefly. Depois de algum tempo ele voltou a usar o motor Fire.

O Fiat Uno terminou sua carreira com apenas a versão Attractive 1.0 Fire. O modelo ainda fazia sucesso nas vendas diretas para empresas. Sua produção será encerrada por não atendar à norma de emissões Proconve L7. Um motivo similar ao da morte do Mille, que não atendia à legislação de segurança de 2014.

Fotos: Fiat | Divulgação

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Eduardo Henrique 23 de dezembro de 2021

O nome deveria ser Uno “AnCiao”. Por esse preço exorbitante só quem vai ter coragem de comprar serão os colecionadores fartos de grana!

Avatar
Deixe um comentário