Ford Escort: uma história de tecnologia além do seu tempo

Lançado em 1983, o Ford Escort foi um carro inovador que estreou suspensão independente nos compactos e se tornou referência em design

escort xr3 1987 reestilizado
O Ford Escort marcou época no Brasil, principalmente na versão esportiva XR3 (Fotos: Ford | Divulgação)
Por Douglas Mendonça
02 de julho de 2022 15:03

O Ford Escort foi lançado no mercado nacional em meados de 1983, mais precisamente em agosto, já como modelo 1984. Ele chegou aqui com novidades tecnológicas que não eram usuais em carros nacionais, até mesmo aqueles de porte maior e, consequentemente, mais caros. Já começou sua carreira nacional com motor e transmissão dispostos transversalmente, sobre o eixo dianteiro, e suspensões independentes nas quatro rodas, além de uma aerodinâmica bem apurada quando comparada aos seus concorrentes.

VEJA TAMBÉM:

Graças às suspensões independentes e a boa distribuição de peso entre os eixos dianteiro e traseiro, a dinâmica do então novo carro surpreendia. E os números de consumo de combustível estavam bem abaixo daquilo visto na época, também graças ao bom perfil de carroceria e ao motor CHT (Compound High Turbulence), que foi inaugurado por ele no Brasil.

Apesar de ter sido lançado aqui como uma tremenda novidade, o Escort, na realidade, já era comum na Europa e estava em sua terceira geração. A primeira, lançada em 1968, já tinha sido um sucesso de vendas por lá, bem como a segunda, de 1975.

ford escort 1984 frente e lateral
O Escort estreou no final de 1983 já como linha 84

O carro nacional teve uma origem interessante: os projetistas dessa terceira geração foram um alemão (Uwe Bahnsen) e outro francês (Patrick Le Quément), mas o compacto foi desenvolvido para ser produzido pela Ford da Inglaterra, da Alemanha e Espanha. Um típico projeto europeu.

E para completar a miscelânea de nações, o modelo foi produzido na América do Norte e, claro, no Brasil. Lançado inicialmente em três versões (Básica, L e GL), com exceção da utilização do nosso CHT, o modelo nacional era praticamente idêntico ao europeu. Com a crescente pedida de carros com maior espaço interno da época, a novidade trazia duas carrocerias: três ou cinco portas, que poderiam servir a pessoas sozinhas ou famílias.

Para completar a gama de configurações desse novo carro, que seria o mais barato da Ford na época, em outubro de 1983 chegava a versão luxuosa Ghia, mais completa da gama e que contava com equipamentos bem interessantes até hoje (tinha até teto-solar opcional).

Ford Escort XR3

Antes do final daquele mesmo ano, ainda era lançada a esperada versão esportiva XR3 do Escort (sigla para Experimental Research 3, ou “Pesquisa Experimental 3”). Mas desse esportivo em particular, vamos falar em outra matéria específica, mostrando tudo que ele tinha de diferente com relação aos demais Escort, inclusive a carroceria conversível montada pela Karmann-Ghia que viria meses depois.

ford escort xr3 1984 publicidade
O XR3 não demorou para incorporar na linha do compacto

Voltando ao Ford em suas versões “comuns”, apesar de ele ser construtivamente semelhante ao carro europeu, o modelo nacional tinha significativas alterações na calibração de molas, amortecedores e buchas de todo o sistema de suspensão e direção. Afinal de contas, o Escort deveria estar apto aos nossos pisos, estradas e utilizações mais severas daquelas encontradas no Velho Continente.

Tudo foi reforçado e refeito também na motorização. O bom e velho motor CHT, de projeto francês e conhecido de bons anos pelos brasileiros (vinha do Corcel e, antes disso, dos Renault), era oferecido com 1.3 litro nas versões de entrada com cerca de 60 cv de potência, onde a economia de combustível valia mais que o desempenho.

Acima dela, nas versões mais caras, estava o 1.6 de aproximadamente 70 cv. Os dois motores contavam com opção de álcool ou gasolina, e vinham de série acoplados a um câmbio manual de 4 marchas (5ª era opcional).

ford escort motor cht
Motor CHT 1.6 oferecia bom desempenho

Durante o ano de 1985, primeiro cheio do Escort no Brasil, a Ford promovia uma série de melhorias diversas no projeto, principalmente na mecânica: freios, direção, suspensão e aperfeiçoamentos na estrutura geral da carroceria, tudo para adequar o carro às características e usos daqui.

“Nova geração” para a linha 87

Já como linha 1987 e apenas três anos depois do lançamento inicial, o Escort passava por sua primeira reestilização, acompanhando aquilo que já havia sido feito na Europa antes. O monobloco (a carroceria básica) foi mantido. Portas, janelas e colunas eram as mesmas. Mas as alterações, fora isso, foram completas na dianteira, traseira e interior, totalmente reformulados e modernizados.

Apresentados ao público brasileiro em agosto de 1986, os carros logo foram para as revendas Ford e caíram no gosto do consumidor graças às linhas mais arredondadas e graciosas, que deixavam o compacto com aparência de ser maior. Curiosamente, essa reestilização foi chamada de “nova geração” na Europa, ganhando inclusive o apelido de MK4.

ford escort 1987 traseira
Na linha 1987, o Escort passou por ajustes visuais que deixaram o desenho mais suave

A pouca procura da carroceria de quatro portas, bem como das versões equipadas com motor 1.3, fizeram com que elas fossem extintas: o Novo Escort 87 só estava disponível com carroceria duas portas e motor 1.6. A unidade passou por melhorias e ficou mais potente e econômico, mesmo ainda trazendo o velho carburador. Afinal a injeção eletrônica só viria dois anos depois. Além disso, o câmbio manual ganhava a quinta marcha de série para toda a linha.

Apesar de nenhuma alteração profunda na mecânica, ela foi aperfeiçoada com suspensões recalibradas, mais firmes em prol da dinâmica da carroceria, além de receber barra estabilizadora dianteira mais firme. E, como principal novidade, uma barra estabilizadora traseira, o que evitava a rolagem excessiva da carroceria em curvas, reclamação frequente do Escort até então. Realmente, essa linha 87 foi um marco importante na vida do compacto da Ford.

Mas não parava por aí, já que, ainda em 1988, outra boa novidade chegava: seu tanque de combustível passava para generosos 65 litros, ante 48 de antes. E, como pioneirismo no Brasil, o reservatório era fundido em plástico. Com isso, o modelo, que ainda era novidade, passava a ter maior alcance tanto no uso urbano quanto rodoviário.

Escort e a Autolatina

Na história do Escort, em 1987 aconteceu um fato que não causou alterações imediatas, mas importantes: estamos falando da criação da Autolatina, união entre Volkswagen e Ford visando a produção de veículos compartilhados entre elas.

A partir da linha 1989, ele passou a receber os famosos e cultuados motores VW 1.8 AP para as versões top de linha, como XR3, que trazia a mesma configuração esportiva utilizada no Gol GTS, ou Ghia, com potência e torque mais comedidos visando menor consumo e docilidade.

ford escort guia 1989 publicidade
Na era Autolatina, o Escort ganho motor 1.8 AP da Volkswagen

Os Escort Ghia e XR3 1.8 AP tinham melhor desempenho e, dependendo do caso, ainda mais força quando comparados com os VW. Explico: os motores AP eram instalados transversalmente no Escort, enquanto na família VW Gol era longitudinal, o que gera maior perda mecânica. E o interessante é que o motor CHT do Escort foi parar na família Gol/Parati/Saveiro/Voyage, mostrando-se mais econômico que os AP 1.6, apesar das limitações de desempenho.

Vale lembrar também que a transmissão manual de 5 marchas dos Escort 1.8 AP passou a ser também VW, importada, enquanto o motor 1.6 CHT era mantido nas versões de entrada do compacto da Ford, inclusive com a mesma caixa de marchas de antes.

Volta da carroceria de quatro portas

Em 1991, logo após outra série de melhorias na gama Escort, focando principalmente na versão XR3 (catalisador para toda a linha, novas rodas e calotas, para-choques pintados na cor da carroceria e mais), a Ford percebia que a carroceria de quatro portas, retirada de linha em 1986, estava fazendo falta. O público consumidor dessa época, início dos anos 90, já buscava praticidade com as portas traseiras.

ford escort guaruja 1991 quatro portas
No início dos anos 1991, a Ford voltou a oferecer carroceria quatro portas no Escort

Assim, na linha 1992, chegava importado da Argentina o Escort Guarujá, série especial que estava mais para versão em linha, que trazia as tais quatro portas e só motor 1.8 AP a gasolina. Apesar da investida de crescer a linha Escort no Brasil, a Ford não foi muito feliz com o Guarujá quatro portas, que durou menos de um ano por aqui e logo saiu de cena outra vez.

A Autolatina permaneceu até a segunda metade dos anos 90, o que favoreceu bastante o Escort por aqui. Ela inclusive gerou frutos como os sedans Ford Verona/VW Apollo, VW Pointer (um Escort com carroceria diferenciada) e VW Logus (versão sedan do Pointer), além das trocas de motores e tecnologias (motores AP nos Ford, CHT nos VW e por aí vai).

A história do compacto da Ford não parava por aí: na segunda parte dessa trajetória, falaremos da chegada da segunda geração em 1992, estreia do popular Hobby 1.0 na carroceria antiga, crescimento da família com três volumes (Verona e depois Escort Sedan) e perua (Escort SW), até sua despedida definitiva em 2003. Não perca!

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
13 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Rita 8 de julho de 2022

Eu tenho um pretinho de lista vermelha e nesse momento estava querendo vender pois estou tendo mto gasto com ele ,mais depois de ler a matéria e os comentários mudei de idéia ,vou arrumar ele e ficar com ele mesmo .

Avatar
Hilberto Vasconcelos 7 de julho de 2022

Tive um GL 1986, um L 1992 e tenhp um Verona LX até hoje. Gosto do motor CHT a álcool. Velocidade e torque excelentes.

Avatar
Milton f,. de Oliveira 6 de julho de 2022

Tenho um 94 CHT 1,6 comprei em 98 vou seguindo pra praia em SC nunca me deixo empenhado nem uma vez

Avatar
Roberto 4 de julho de 2022

Tenho um 84, lindo! Modifiquei um pouco. Rodas 17, central multimídia, câmera de ré, iluminação toda em led, bancos recaro em couro.

Avatar
Vamberto castro de Souza 4 de julho de 2022

Sou apaixonado por escort,tenho um se 97 se glx,.

Avatar
Pedro 4 de julho de 2022

Eu tenho um 92 cinza muito bonito

Avatar
Polvo 3 de julho de 2022

Escort tinha um design muito moderno para a época. Carro muito bom, eu tive dois, um era o sapao GLX 1.8 96 e um Zetec 1.8 16V 97.

Avatar
Isac proensi 3 de julho de 2022

Eu tenho um 86 e não troco por carro nenhum só me dá alegria

Avatar
Michel 3 de julho de 2022

Tenho um escort xr3 ano 87 top

Avatar
Thiago 3 de julho de 2022

Depois de 4 Escorts, 2 Veronas e no sexto Focus, todos de variados anos, versões e gerações, tenho propriedade para dizer que a Ford sempre acertou nos veículos e errou cada vez mais no marketing. Sempre foram referência e acabamento, conforto e economia, mas sempre pareceu correr atrás da concorrência em pós-venda e absorção de determinadas tecnologias. Uma pena…

Avatar
Ailton 3 de julho de 2022

Ja tive um modelo 84. Um 86 agora estou com um 87/88 nao vendo por nada

Avatar
Marcos woss 2 de julho de 2022

Tive um europeu ano 96 motor AP 1 8 até hj me arrependo de ter vendido fui sei terceiro dono carro era show

Avatar
Rossano Huf 2 de julho de 2022

Só uma correção: o Escort foi lançado em agosto de 1983 como modelo 1984. O primeiro ano de vendas cheio foi, portanto, 1984 e não 1985 como citado na matéria.

Avatar
Deixe um comentário