Ford apostará em novos SUVs para recuperar mercado no Brasil

Fabricante deve lançar dois utilitários de porte médio no país ao longo dos próximos meses: o Territory e o Escape

Por Alexandre Carneiro 10/05/19 às 08h30
ford territory marrom visto de frente

A Ford, que durante muitos anos foi a quarta maior fabricante de automóveis do Brasil, vem perdendo espaço sucessivamente. No resultado acumulado do primeiro quadrimestre deste ano, a multinacional está em sexto lugar nesse ranking, atrás de Chevrolet, Volkswagen, Hyundai, Renault e Fiat, respectivamente.

A participação da marca norte-americana no mercado brasileiro, que já esteve na casa dos dois dígitos, foi de apenas 8,97% durante esse período. O declínio nas vendas de veículos já trouxe revezes: em fevereiro último, a Ford anunciou o encerramento das atividades na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). Ciente de que precisa reagir, a empresa já traçou uma estratégia para voltar a crescer no país: apostará todas as suas fichas em SUVs.

A decisão de mudar o foco não foi tomada por acaso. As vendas de SUVs estão, atualmente, em plena ascensão. A Ford já tomou os primeiros passos rumo em direção aos veículos desse tipo. Recentemente, reestilizou o EcoSport, pioneiro entre os utilitários compactos. O veículo ganhou ainda um novo motor 1.5, câmbio automático de seis marchas e uma versão sem estepe preso à tampa traseira. Na outra ponta, acabou de lançar a nova geração do grandalhão Edge. Todavia, a empresa ainda não tem representante entre os SUVs médios.

Ford Territory chega em 2020

Ford Territory no salão do automóvel de São Paulo: modelo é um dos SUVs que a marca lançará no Brasil
Foto Felipe Boutros | AutoPapo

Para preencher essa lacuna, a Ford deverá trazer dois novos SUVs para o mercado brasileiro. Um deles é o Territory, que já foi até exposto no país, durante o último Salão do Automóvel de São Paulo. Trata-se de um modelo de porte médio, com 4,58 metros de comprimento e 2,71 metros de entre-eixos. Isso o coloca como concorrente direto para Jeep Compass, Chevrolet Equinox, Volkswagen Tiguan, Honda CR-V e Toyota RAV4. O lançamento deve acontecer em 2020.

O Territory foi desenvolvido em conjunto com as parceiras chinesas da Ford, mirando os chamados países emergentes. Isso significa que ele não se destina à Europa e à América do Norte. Por outro lado, se encaixa muito bem nos mercados da América do Sul. Apesar de o projeto não ser global, o modelo tem tecnologias semi-autônomas, como controlador de velocidade adaptativo, assistentes de estacionamento, de ponto cego e de manutenção de faixa.

Um dos SUVs que a Ford deve lançar no Brasil é o Territory
Foto Ford | Divulgação

Na China, o Territory é equipado com um motor 1.5 sobrealimentado. O bloco é o mesmo que equipa as versões top de linha da linha Ka e a s básicas do EcoSport. Porém, o conjunto inclui sofisticações, entre as quais o turbocompressor. Consequentemente, potência e torque aumentaram significativamente. Essa é a mecânica mais cotada para chegar ao mercado brasileiro. Entretanto, no país asiático, há outras opções, inclusive uma versão com propulsão híbrida.

Em 2021, será a vez do Escape

Outro dos SUVs que integrarão a linha Ford é o Escape. Trata-se de um utilitário baseado no Focus, cuja nova geração foi lançada mundialmente neste ano. As dimensões são as mesmas do Territory: 4, 58 m de comprimento e 2,71 metros de entre-eixos. As vendas no Brasil ainda devem demorar um pouco, e a estreia não deve acontecer antes de 2021.

Foto Ford | Divulgação

Ao contrário do Territory, o Escape é, realmente, um carro global. O modelo até recebe outro nome na Europa: por lá, chama-se Kuga. Porém, o projeto é exatamente o mesmo. Isso faz com que seu padrão de construção seja mais elevado. Aliás, todo o projeto é mais sofisticado e inclui, a exemplo do Focus, suspensão traseira independente. Consequentemente, deverá ser posicionado em um patamar superior de mercado, com preços mais altos.

Sob o capô, mais semelhanças entre os SUVs médios da Ford. Um dos motores do Escape é o mesmo 1.5 turbo que equipa também o Territory. Porém, o modelo mais sofisticado pode vir também com o 2.0 turbo que, no Brasil, move o Fusion. Claro, há também versões com tecnologias híbridas de propulsão, ao menos no exterior.

Foto Ford | Divulgação

SUVs da Ford serão importados ou nacionalizados?

Ainda não há informações sobre a logística que a Ford vai adotar para trazer seus novos SUVs ao Brasil. Ao menos inicialmente, os dois podem chegar como importados. Porém, é possível que pelo menos um deles seja fabricado no Brasil ou na Argentina.

No país vizinho, inclusive, a fábrica da Ford em General Pacheco está com capacidade ociosa. Justamente lá, deixou de ser produzida, nesta semana, a linha Focus. A saída desse modelo do mercado é um reflexo do encolhimento das categorias de hatches e sedãs médios, devido à ascensão dos SUVs. O Fiesta também sai de linha neste ano, devido ao já citado fechamento da planta de São Bernardo do Campo (SP). Eis aí a opção da empresa por apostar em segmentos inexplorados.

Porém, o momento instável pelo qual está passando a economia da Argentina pode desestimular investimentos na unidade industrial. Por essas e outras questões, a multinacional ainda não bateu o martelo sobre a nacionalização dos novos SUVs.

Acompanhe o AutoPapo também no Youtube!

SOBRE
11 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
GêPruda 5 de agosto de 2020

Cada carro tem seu perfil, claro condições financeira comanda compra melhor. Mas mercado com muitas opções, faz público diversificado em preferências e cada vez mais exigente. Tendências sempre tem tempo determinado, bons produtos permanecem mais tempo… claro já tivemos onda das “peruas, sedans ….”!!!
*
Como disse Boris, BRasil não aceitava carros 4 portas, depois virou tendência, mas também ampla necessidade. SUV é maior tendência, mas hatchs porta de entrade de vendas das montadoras, isto permanece com certeza com amplas atualizações… Pois UNO, FUSCA, GOL etc…todos tiveram seu auge, “época de ouro”!

Avatar
marcus 2 de outubro de 2019

SUV é moda. Sou fã de Sedan. Até rimou. Não saio da Fusion de jeito nenhum.

Avatar
Aquino 30 de maio de 2019

Devemos e brigar para baixar esse bando de impostos que nos massacra, ai sim os nossos carros serão mais baratos. Já pensou pagar de 30% a 40% em um carro popular de impostos???

Avatar
Antonio Donizeti Martins 13 de maio de 2019

O melhor é, ou 8 ou 80. Ou é automático ou manual, não tem meio termo. Sou PCD e tenho até hoje um chevette hatch automático ano 86 (adquirido em 1991). o câmbio é de 3 marchas e já foi feito em 2006 por velhice, nunca deu problema.

Avatar
josé carlos 11 de maio de 2019

e quem disse que esse aí não é o Focus?

Avatar
Fabio 11 de maio de 2019

Vc está certíssimo. O meu é câmbio manual, ou seja, defeito zero. E em 2011, já veio com controle de tração e estabilidade, além da suspensão independente. Faz curvas como nenhum outro carro. Uma pena, o brasileiro não ser exigente. A Ford tem carros bons, mas o brasileiro tem que rejeitar o que é lixo. Eu quero ver o Escape no Brasil. Já o Territory é mais do mesmo , que já roda por aqui.

Avatar
Edgar zagraysk 10 de maio de 2019

Sinceramente não mais pretendo ter um carro da Ford,sofri muito com uma eco câmbio automatizado,minhas idas e vindas,foram sempre desrespeitadas por aqueles que me propuseram um carro maravilhoso,eu creio ter aprendido a lição,FORD jamais!

Avatar
Cesar 10 de maio de 2019

Câmbio automatizado não presta. Dirigi todos e são muito ruins de manusear. Da raiva de tão ruim que o carro fica de dirigir. Ou vai de automático ou de manual. Automatizado eficiente só o da Mercedes Classe A, que na verdade era um automático combinado com o acionamento manual. Espetacular.

Avatar
Iara 10 de maio de 2019

Os preços de carro no Brasil é um absurdo…Esse carro nos EUA é muito barato…

Avatar
Antonio Lima 10 de maio de 2019

Fez besteira em tirar de linha o melhor médio do Brasil, que era o Focus…

Avatar
André Ricardo 12 de maio de 2019

Antonio,ontem eu fui ver um 2017 E pensei a mesma coisa. O Focus ainda tem mercado.

Avatar
Deixe um comentário