O Fusca rico que, para alegria do povo, espalhou dinheiro pela rua

"Como era um dia de sol, a luz do astro-rei refletindo naquelas várias centenas de moedas se espalhando pela rua deu um brilho milionário àquele instante"

Por Douglas Mendonça 23/03/20 às 18h32
montagem andre fusca amarelo chuva de moedas shutterstock

Esse “causo” aconteceu realmente na segunda metade dos anos 70. Digo realmente porque eu, Douglas Mendonça, e meu Fusca 1500 1972 na cor amarela, mais popularmente conhecido como Fuscão, fomos os protagonistas deste episódio, alegre para muitos pedestres, mas não muito feliz para mim.

Em meados dos anos 70, era comum as famílias brasileiras irem acumulando moedas em cofrinhos, latas, vidros ou qualquer outro recipiente que tivesse uma fenda que permitisse a colocação delas.

VEJA TAMBÉM

Para se livrar daquelas incomodas moedas que ficavam chacoalhando nos bolsos, as pessoas guardavam-nas e, depois de juntar um determinado montante, trocavam por dinheiro de papel . Não é preciso dizer, que em um breve período de tempo, aqueles recipientes precisavam ser esvaziados.

Como tínhamos centenas de moedas – ou milhares, dependendo do tamanho do depósito – recorríamos aos contadores de moedas existentes nas agências bancárias. Aquelas maravilhosas máquinas automatizadas que, em alguns poucos minutos, contavam as várias centenas de moedas, separando-as por valores e dando a quantia total que havíamos levado.

Um belo dia, minha querida mãe, Maria Demétrio Mendonça, me avisou que eu tinha um belo saco de moedas para levar ao banco, passar na máquina milagrosa e fazer o depósito do saldo na conta da família. Era um saco plástico bem grosso que, certamente, pesava mais do que cinco quilos.

Peguei a economia em moedas da família e parti para minha missão de levá-la ao banco. Com cerca de 20 e poucos anos, tinha minha cabeça mais voltada ao mundo da lua e, principalmente, ao mundo dos automóveis, minha verdadeira paixão.

No mundo da lua

Fui ao Fusca com a minha carteira em uma das mãos e o tal saco de moedas na outra mão: para abrir a porta, coloquei o saco de moedas na capota do carro. Abri a porta, entrei, guardei minha carteira no porta-luvas, coloquei a chave no contato, liguei o possante, fechei a porta e saí.

Você leitor deve estar me perguntando: “E o tal saco de moedas?” Pois bem, meus leitores, eu esqueci! Saí do prédio em que morava e, enquanto andava devagar, o tal saco de moedas, até pelo seu peso, permaneceu no teto.

Mas, meus amigos, quando fiz a primeira curva, ouvi um barulho de raspar (era o tal saco pesado escorregando pelo teto do carro) e logo depois um forte estouro que me pareceu metálico.

Na realidade, quando ele começou a escorregar pelo teto, imediatamente me lembrei do saco de moedas, mas, nessa altura do campeonato, era tarde demais.

Confesso a vocês que olhando pelo retrovisor, o espetáculo foi lindo: como era um bonito dia de sol e eu fazia uma curva para esquerda, o tal saco de moedas atravessou a capota e voou pelo lado direito… Vi de camarote a explosão dele na rua.

E como era um dia de sol, a luz do astro-rei refletindo naquelas várias centenas de moedas se espalhando pela rua deu um brilho milionário àquele instante.

Freei o Fusca com toda a minha força, desci do carro e larguei a porta aberta e saí gritando para o povo que se aproximava: “Por favor, não mexam, é tudo meu, acabei de deixar cair!”

Depois da curva, Fusca espalhou moedas pela rua (Foto André Almeida sobre foto de Shutterstock)
Depois da curva, Fusca espalhou moedas pela rua (Foto André Almeida sobre foto de Shutterstock)

Catástrofe!

Várias pessoas foram se aproximando e já iam recolhendo as moedas que ficaram espalhadas pela rua e calçada para meu desespero. Peguei o tal saco arrombado e fui recolhendo o que conseguia. Algumas pessoas me ajudavam a pegar e iam me devolvendo. Outros não eram assim tao cordiais: simplesmente pegavam algumas e iam embora.

Depois de estacionar melhor o meu Fuscão e contar com a ajuda de várias pessoas, cerca de 30 minutos depois consegui resgatar o que foi possível. Derrotado, voltei a minha missão de ir ao banco. Apesar da catástrofe, acredito que recuperei pelo menos uns 70% do total.

Fui ao banco, a máquina fez a tal contagem, e fiz o depósito. Minha mãe, Dona Maria, estranhou que o valor tivesse sido bem abaixo de sua expectativa pois, mais ou menos, ela sabia quanto rendia um saco de moedas daquele tamanho. Ela jamais soube do porque uma queda tão grande no montante do tal saco plástico de moedas.

Se eu contasse a verdade, certamente ouviria pelo menos por uns três dias a ladainha de minha distração até mesmo quando o assunto era dinheiro. Preferi me calar e omitir o que de fato havia acontecido.

Dona Maria partiu para o mundo dos justos sem nunca saber a verdade dessa história de que uma parte da economia da família havia se perdido na rua.

SOBRE
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Dennys 23 de março de 2020

Que história!

Avatar
Deixe um comentário