O Gordini que era tão doido que deixou o guarda sem palavras

O velho Gordini chegou ao final da descida a mais de 110 km/h, um feito para o Gordini no curto espaço que atingiu essa velocidade

Por Douglas Mendonça 09/03/20 às 21h00
renault dauphine

Esse fato notório ocorreu lá pela metade dos anos 70. Os protagonistas desse episódio foram um Renault Gordini ano 1962 na cor verde-claro ou, quem sabe, azul-claro, não me lembro mais, e de outro lado um grande amigo meu que não vejo há décadas, o Antônio João Gonçalves, ou simplesmente Português.

Conheci o Português fazendo um curso de mecânico de automóvel na escola Senai no Ipiranga, em São Paulo. De boa índole, o Português se esmerava e estudava para entender em detalhes toda a mecânica de um automóvel.

VEJA TAMBÉM

Na escola nos conhecemos e logo ficamos muito amigos, graças principalmente ao fato de gostarmos muito de carro e de mecânica. Lutando na vida, sempre com empregos simples e de baixa remuneração, meu amigo acabou comprando um Gordini 1962.

Já nessa época, o Gordini já era um carro de 15 anos de uso. Bem sambado. Mas eu e o Português vivíamos desmontando e montando o pobre e velho Gordini, consertando nele tudo o que o tempo havia desgastado.

Mas, na época, nós eramos metidos: não bastava consertar, nós queríamos modificar e envenenar o velho carro para que ele andasse mais. O Português tinha um tino admirável para procurar raridades nos ferros-velhos de carros em São Paulo. Encontrava pistões maiores, carburador de corpo duplo, comando de válvulas especial, coletor de escapamento dimensionado e por aí vai.

Nos fins de semana, pegávamos essas tranqueiras e metíamos tudo dentro do motor do velho Gordini e, claro, não tinha dinheiro para peças novas e, dessa forma, juntas, velas e os demais componentes do motor eram todos velhos e usados: nós os buscávamos em latas onde separávamos as peças velhas.

Rápido feito notícia ruim!

Gordini era o mesmo carro que Renault Dauphine

Na realidade, não sei nem como aquilo funcionava. Mas a verdade é que funcionava, e muito bem, pois o tal Gordini andava rápido feito notícia ruim. Um belo dia, Português estava experimentando um desses motores monstro que havíamos feito literalmente nas coxas: colocávamos o minúsculo motor entre as pernas e íamos montando até que ficasse pronto para ser colocado no carro.

Português morava perto da Via Anchieta, rodovia que liga a cidade de São Paulo à cidade de Santos, no litoral paulista. Logo no início da Via Anchieta, há um posto da polícia rodoviária estadual e, depois disso, a rodovia tem uma bela decida. Português passou pelo posto de vistoria da polícia e, na descida, apertou o pé até o fundo do acelerador.

O velho Gordini chegou ao final da descida a mais de 110 km/h, um feito devido ao curto espaço em que ele atingiu essa velocidade. O que o meu grande amigo lusitano não sabia é que havia um radar controlando a velocidade dos apresadinhos no final da descida.

O limite de velocidade naquele trecho era de 80 km/h e nosso amigo passou a mais de 110 km/h. O guarda do radar, pelo rádio, avisou o comando a frente que, imediatamente, parou o Português. O guarda rodoviário, educadamente pediu ao Português sua carteira de motorista e os documentos do combalido Gordini.

Sem documentos

Português entregou sua habilitação e, do minúsculo porta-luvas, começou a retirar papéis amarelados e meio rasgados pela idade. A cada papel ele abria no colo, esfregava a mão para ver se era aquilo que o guarda estava pedindo.

O oficial rodoviário, ainda de maneira polida e educada, foi logo dizendo: “Pelo jeito, o senhor não tem documentos desse carro. Além disso, eu estou vendo que os pneus estão carecas e o senhor passou pelo radar em excesso de velocidade. Gostaria de saber do senhor, se eu apreender esse carro, o senhor vai retirá-lo no pátio e pagar as multas?”

Prontamente meu amigo Português fez o sinal negativo com a cabeça. E o guarda rodoviário continuou: “Então este será mais um carro apodrecendo no pátio e ocupando lugar e, pelo que estou vendo, ele já está bem podre e não vai durar muito tempo por lá. Ou seja, se eu apreender esse seu carro, que é o que deveria ser feito, arrumarei uma dor de cabeça, estou correto?”

Português novamente fez sinal afirmativo com a cabeça e o educado guarda, já meio sem paciência, disse: “Tome a sua habilitação e leve esse troço daqui, porque de dor de cabeça eu já estou cheio! Vá devagar e respeite os limites de velocidade e espero não encontrar mais o senhor e essa porcaria andando na estrada!”

Português, mais do que depressa, ligou o velho Gordini, que também estava com medo de terminar os seus dias com outros carros apodrecendo em um pátio e pegou de pronto, e o português se mandou daquela situação de quase degola. Por pouco não voltou a pé para casa.

Só para terminar, o Gordini não foi muito adiante: na própria Anchieta o motorzinho mexido cuspiu uma biela, abrindo um buraco no bloco do motor.

Sabe como o criativo Português arrumou isso? Foi a uma farmácia em que conseguiu chegar a pé e comprou bastante gaze e esparadrapos. Pelo buraco aberto, tirou a biela quebrada, fechou aquele rombo com muita gaze e esparadrapo, colocou óleo no cárter e voltou para casa com apenas três cilindros.

E não é que o danado chegou em casa?

SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Robson José Vieira de Carvalho 21 de maio de 2020

Excelente história automobilística!!!!! Parabéns!!!!! Ri muito… cuspir uma biela foi muito boa… KKKKK….

Avatar
ademir moia uliani 2 de agosto de 2020

Não ria não Robson José, isso já aconteceu comigo, o pistão da Kombi que eu viajava fêz um buraco na carcaça do motor e saiu pra fora, tive que trocar a mesma e mandar soldar o bloco do motor

Avatar
Deixe um comentário