Está certo chamarmos carros com ‘superalternadores’ de híbridos?

Tecnologia híbrida leve ou parcial está se popularizando no Brasil e sendo vendida como se fosse híbrida plena ou plug-in

mercedes benz mild hibrid leve portal
Sistema híbrido leve não traciona as rodas (Foto: Mercedes-Benz | Divulgação)
Por Leonardo Felix
06 de agosto de 2022 08:03

Tornou-se batido dizer que a eletrificação é um caminho sem volta para a indústria automotiva, inclusive no Brasil. Eu mesmo já devo ter afirmado isso algumas vezes nesta coluna. Também já apontei que a oitava fase do Proconve, o programa que legisla sobre emissões veiculares no país, praticamente obrigará esse movimento nos próximos anos.

Já se antecipando a isso, muitas fabricantes vêm apostando em modelos híbridos em nosso mercado. Só que aí está uma certa pegadinha, porque quando falamos em um veículo “híbrido”, isso pode significar muitas coisas.

Ele pode ser um híbrido com recarga externa (PHEV), geralmente dotado de um banco de baterias maior e uma dose razoável de autonomia para uso em modo 100% elétrico. O Jeep Compass 4xe e o novo Caoa Chery Tiggo 8 Pro Hybrid são exemplos.

Ou, ainda, um híbrido pleno ou convencional (HEV), como os Toyota Corolla e Corolla Cross, que possuem uma bateria menor, mas um motor elétrico relativamente robusto, capaz de auxiliar o motor ou tracionar sozinho as rodas em diversas situações-chave de uso, como as arrancadas, momento em que mais se gasta combustível.

Mas o tipo que mais vem despontando em nosso mercado, e que em breve estará espalhado por modelos mais populares de marcas generalistas, como Volkswagen – com a tecnologia eTSI – e Stellantis, é o chamado híbrido leve ou parcial (MHEV). Os novos Caoa Chery Tiggo 5X Pro Hybrid, Tiggo 7 Pro Hybrid e Arrizo 6 Pro Hybrid são dotados dessa tecnologia, assim como o recém-lançado Kia Sportage de quinta geração.

tiggo 5x pro hybrid
Tiggo 5X Pro é exemplo de híbrido leve – MHEV na sigla em inglês

Controvérsia

A controvérsia se dá porque, nesse tipo de sistema, a participação da eletricidade como substituta ou auxiliadora do motor a combustão na propulsão das rodas é ínfima. Trata-se de uma espécie de superalternador ligado ao virabrequim, à bateria de 12 Volts e a uma outra bateria, de 48 Volts, por correia.

Ele usa a energia do próprio motor para alimentar todo o conjunto elétrico do veículo, incluindo um pequeno motor elétrico, geralmente acoplado ao próprio motor a combustão ou até ao sistema de transmissão. Este último ajuda pontualmente nas acelerações, aliviando o consumo de combustível nessas horas.

No caso do Kia Sportage, o trem de força 1.6 turbo híbrido leve permitiu uma melhora de 32% em consumo, 8,7 km/l para 11,5 km/l com gasolina em ciclo urbano, segundo o Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro. A comparação é com o velho motor 2.0 aspirado flex das gerações anteriores.

Não é uma evolução de se jogar fora, mas também está longe dos mais de 20 km/l que se costuma alcançar em veículos híbridos convencionais. É justamente por isso que, em inglês, esse tipo de produto é chamado mild hybrid ou MHEV, o que se traduz como híbrido parcial ou híbrido leve em nosso idioma. Eles não são híbridos plenos.

Estratégia das montadoras

Ocorre que muitas marcas vêm ocultando o “leve” ou o “parcial” ao denominar seus novos produtos “híbridos”. E nós, imprensa especializada, estamos comprando essa tática quase de olhos fechados. E aí, para o consumidor, fica mais difícil entender por que seu Sportage ou Tiggo 7 Pro “híbridos” mal passam de 10 km/l, enquanto o Corolla Cross do vizinho faz facilmente 18 km/l.

Outra parcela da culpa está, claro, na legislação brasileira. Em nosso país, qualquer veículo que atinja 2% de participação da energia elétrica enquanto fonte para tracionar as rodas pode ser considerado híbrido. E os modelos híbridos leves costumam superar esse parâmetro.

Por isso, enquanto um Mercedes-Benz C 200, que tem nota C em emissões gerais no PBVE, só usa gasolina e mal passa de 10 km/l, está isento de rodízio veicular na cidade de São Paulo (SP), um carro 1.0 flex que tem nota A, polui menos (ainda mais se abastecido com etanol) e faz 16 ou 17 km/l segue sendo proibido de rodar nos horários de pico por lá em um a cada cinco dias da semana útil. Faz algum sentido?

Conheça o C200 em detalhes neste vídeo do AutoPapo

A essa altura, já deveríamos estar discutindo uma distinção legal entre as categorias de híbridos e híbridos leves, tanto para tributação quanto na questão de rodízio e eficiência energética. Como sei que isso é um sonho, já me dou por vencido: se vivemos em um país no qual SUVs que não são bem SUVs fazem um tremendo sucesso, por que não nos acostumarmos também aos híbridos que não são tão híbridos assim?

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Bob Philco 7 de agosto de 2022

Excelente artigo. Parabéns.

Avatar
Nanael 6 de agosto de 2022

Errado mesmo, a rigor não está, mas é como chamar de “cozinheiro” alguém que acabou de aprender a fritar um ovo.

Avatar
Deixe um comentário