Inmetro: Como confiar diante de tanto desrespeito com o consumidor?

Boris explica porque deixou de confiar no Inmetro, que tem cedido à pressões de fabricantes para regulamentar produtos conforme seus interesses

remoldado
Pneu remoldado deveria constar as características da carcaça para dar mais clareza e segurança ao consumidor (Foto: Internet)
Por Boris Feldman
26 de junho de 2022 15:03

Sabe por que eu não acredito no Inmetro? Ele é um órgão federal vinculado ao Ministério da Economia, encarregado de estabelecer padrões de qualidade e segurança dos produtos colocados à venda no nosso mercado.

No caso dos automóveis o Inmetro criou aquela etiqueta de consumo, sem dúvida uma boa referência para o consumidor e que até já existia há mais tempo nas geladeiras, por exemplo. Mas o órgão nem sempre é confiável e costuma dar umas perigosas derrapadas.

VEJA TAMBÉM:

Uma delas foi ao certificar o pneu remoldado, uma espécie de recauchutagem que remove toda a borracha, de talão a talão, e aproveita a carcaça velha para fabricar um novo. Eu não tenho nada contra pneu recauchutado, aprovado até para aviões.

Mas no caso do pneu remoldado no Brasil, o Inmetro escorregou feio. Porque por pressão na época da fábrica BS Colway, o órgão decidiu não exigir, ao contrário da Europa, um item básico de segurança, que as características da carcaça original 0 km fossem mencionadas na banda lateral do pneu reformado, exigência que consta sob nº 109 na regulamentação da comunidade europeia.

Mas e daí? Qual o perigo de não se mencionar essas características da carcaça original? Porque dois remoldados com, aparentemente, as mesmas propriedades e as mesmas medidas externas podem ter comportamento completamente distinto em situações de maior exigência, como freadas de emergência ou curvas mais apertadas, pois as duas carcaças podem ter sido projetadas para veículos tão diversos como um Porsche e a outra para um furgão de hot dog.

Outra escorregada do órgão foi elaborar as etiquetas para os pneus, que os classificam de acordo com três características: resistência ao rolamento, que dá maior ou menor consumo de combustível, aderência na pista molhada e ruído.

Mas o que a maioria dos motorista quer saber de fato é qual a durabilidade de um pneu? Indicada para o índice, chamado em inglês de Treadwear. Mas esse item foi “esquecido” pelo Inmetro. Os únicos pneus fabricados no Brasil com essa indicação treadwear são os exportados para os Estados Unidos.

Lá ele é exigido, porque lá o consumidor merece respeito. Eu questionei na época o Inmetro e a resposta foi ridícula: “desgaste de pneu é item subjetivo e sujeito a muitas variáveis”.É claro, como se o consumo do combustível daquelas etiquetas de consumo também não fosse. Mas não param por aí as mal contadas histórias do Inmetro.

Outras do Inmetro

Ele decidiu com décadas de atraso certificar peças de reposição para os automóveis. Mas, das milhares delas aplicadas em um carro, elaborou uma ridícula lista com cerca de 20 componentes por um critério sujeito a chuvas e trovoadas e pressões das fábricas.

Olha o disparate, peças internas do motor estão incluídas, mas limpadores de para-brisa ficaram de fora. Dá para explicar? Aliás, questionado, o Inmetro “explicou” sim. “Até o presente momento não foi identificada a necessidade de estabelecimento de medida regulatória para outros componentes automotivos. O Inmetro faz o processo de certificação quando identifica um problema, ou para responder às demandas da sociedade.” Eu, hein!?

Mas a cereja do bolo da irresponsabilidade do órgão foi ceder à pressão dos fabricantes, dos famigerados engates bola, aqueles aplicados junto ao para-choque traseiro, que danificam não só o próprio automóvel no caso de um impacto traseiro, como também outros automóveis estacionados por perto durante as manobras. E pior, vai também a canela do pedestre desavisado.

O Inmetro, ao invés de exigir que o dispositivo se encaixe no interior do para-choque, ou desmontável, que só possa ser engatado ao rebocar alguma coisa, certificou o perigoso dispositivo quebra-canela desde que “aparadas as arestas” e outras exigências inócuas. E durma-se com umas arestas dessas.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
5 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Gilmar Araujo 30 de junho de 2022

Com tido respeito, vejo que voce esta muito mal informado, pois o pneu remoldado ou recapado e tanto seguro quanto um novo, testado em laboratórios certificados, EM TODOS OS PAISES, alem de serem mais economicos tanto no preço quanto no rendimento, alem de ser uma questao ambiental, pois o reuso do pneu promove o prolongamento da vida util do mesmo, antes de se transfirmar em um lixo com descarte irregular e sem controle, promovendo a poluiçao do planeta que cinhecemos muito bem…a defesa incndicional do pneu novo sem reuso é no minimo intersse das multinacionaus fabricantes…

Avatar
Geraldo 27 de junho de 2022

Pneu recauchutado, remold, refeito ou sei lá o q mais não deveria existir, pneu bom é pneu novo e ponto.
Agora não é só inmetro que defende as empresas não, tem anatel, aneel, ans, anvisa e por aí vai…

Avatar
PS 27 de junho de 2022

Pneus de avião não são recauchutados. São remoldados, reformados de talão a talão. Precisa se informar melhor

Avatar
Barrista 27 de junho de 2022

Se o proprietário tem grana para possuir um carro, é insano equipar o mesmo com pneu remold.
Simples assim!

Avatar
Marcio Sampaio 27 de junho de 2022

Achei estranho, não falou do Corolla Cross!!!!
O que houve?

Avatar
Deixe um comentário