Jaguar MK2 1967: com 220 cv sedã era requintado e esportivo

Conheça em detalhes um dos modelos mais icônicos da Jaguar que, além de luxuoso, tinha o comportamento esportivo como destaque

Por Boris Feldman 30/05/20 às 15h05
jaguar mk2
Jaguar MK2 (Foto: AutoPapo)

Ladies and gentlemen! Esse é o Jaguar 1967, uma obra-prima da indústria britânica. Quero que vocês concordem comigo: já não se fazem mais carros como antigamente. Olha a beleza e a harmonia das linhas desse Jaguar Mark II (MK2), um sedã quatro portas considerado um esportivo por seu desempenho.

Quem assinou o projeto desse carro foi Sir Malcolm Sayer, que começou como engenheiro da indústria aeronáutica. Depois “pulou” para a Jaguar, na década de 50, mas manteve os conceitos da aerodinâmica da aeronáutica nos projetos que ele fez para a Jaguar – esse foi um deles! Mas o mais badalado de todos foi o esportivo considerado o mais bonito de todos os tempos, o Jaguar e-Type.

É extremamente prazeroso dirigir alguns dos carros antigos: o Jaguar MK2 é um deles. Tem carro antigo com a suspensão dura, motor fraquinho que não anda muito. Mas esse Jaguar não é nada disso. Ele tem uma suspensão boa, agradável – ele foi muito usado em competições na década de 60, apesar de ser um sedã. Mas ele era considerado um sedã esportivo: a estabilidade é muito boa.

O motor do Jaguar MK2 foi uma criação da engenharia da marca inglesa no fim da década de 40: motor de seis cilindros em linha com duplo comando. Sabe quantos cavalos estão ai debaixo do capô? 220 cavalos! O carro não é tão pesado assim, 1350 kg, então ele anda muito bem.

Acreditem se quiser: esse carro é câmbio manual de cinco marchas. Tinha também o automático convencional. Mas olha a curiosidade: na alavanca, são quatro marchas. Mas quando ele está de quarta e o motorista aciona uma “alavanquinha” na coluna de direção, a quinta marcha é engatada eletricamente.

Além da beleza e da harmonia, das linhas da carroceria, reparem na sofisticação no requinte: a profusão de cromado (que não exite mais hoje), que destaca as linhas do carro. Reparem na roda: na época não tinha – ainda bem – as rodas de liga leve de hoje. Então faziam nos carros mais sofisticados as rodas raiadas, como as que equipam o Jaguar.

jaguar mk2 roda
Rodas raiadas eram usadas em esportivos da época

Claro que um carro da década de 60, esse é um Jaguar MK2 1967, ainda não tinha eletrônica, não tinha nenhuma dessas grandes modernidades de hoje. Mas veja bem: o Jaguar MK2 já era um carro com  freio a disco nas quatro rodas, o primeiro sedã do mundo com isso daí. Está bem, não tem eletrônica mas tem direção assistida. Claro, não é elétrica, mas é hidráulica e é macia do mesmo jeito.

Tem ar-condicionado, sem contar do requinte interno e de várias outras pequenas tecnologias. Agora confiram comigo: dificilmente um carro moderno tem um charme desse painel todo de madeira, inclusive marchetado: esse friso mais claro veio na madeira mais escura.

E os reloginhos? Temperatura da água, pressão do óleo, nível do combustível, amperímetro. E aqui dentro do conta-giros, um charmosíssimo reloginho de ponteiro, claro!

Eu falei em sofisticação, mas não é só para quem vai na frente, não. O Jaguar MK2, afinal, era usado por executivos com motorista dirigindo. Então, sofisticação no banco traseiro. Já tinha apoio de braço, reparem nessa mesinha para fazer um pequeno lanche ou para o executivo ou presidente das empresas fazer as anotações.

Está achando que é só isso? Tinha até um quebra-vento aqui na porta traseira para desviar o vento das cinzas dos charutos dos ingleses. Cinzeiro no apoio de braço da porta. O Jaguar MK2 tinha luzes de leitura para quem vinha no banco de trás, reparem aqui no teto.

Eu falei que o painel é todo de madeira, esqueci que aqui nas portas também é madeira. Os assentos dos bancos? Em couro. Não é qualquer couro: é couro Connoly, tirado de vacas em pastos sem arame farpado. Vocês já tinham ouvido falar nisso? Por que sem arame farpado? Para as vacas não se encostarem e arranhar o couro.

Ou seja: como um autêntico sedã esportivo, o Jaguar MK2 era perfeito para Sir William se conduzido durante a semana pelo seu motorista para o trabalho e para casa. No fim de semana, se Sir William fosse dado à traquinagens, ele mesmo poderia assumir o volante e participar de corridas nas pistas inglesas.

Fotos: AutoPapo

SOBRE
4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Luiz César Nogueira 24 de março de 2021

Esse Jaguar faz parte da sua coleção? `

Avatar
Rodrigo Otávio Aragão MARTINIANO Ferreira 27 de dezembro de 2020

Os ingleses e seus carros estranhos!
Quem criou o carro foi Gotlieb Daimler, cientista e pesquisador alemão, pioneiro em desenvolver e fabricar motores de combustão interna, bem como automóveis.
Porém, acontece que os ingleses – de per si – nunca poderiam ficar para trás; daí, com ideias mirabolantes, “reinventaram o carro”: o volante foi parar do lado direito (todo inglês é canhoto para mudar as marchas – of course!), o carburador passou a horizontal (até uma solução boa, em termos de fluxo sem curvas, mas carburador horizontal não vale nada), desenvolveram suspensões “sofisticadas” (“entre aspas” – pois, pela metade ou menos), e, algo gravíssimo, comercializaram protótipos perigosos.
Aqui no Brasil nós temos duas “sombras” da péssima influência inglesa.
Uma delas é o ‘Doginho’, recuperado pela VOLKSWAGEN através do modelo GLS, no qual, em primeiro lugar o carburador horizontal ‘porcaria’ foi substituído por um WEBER vertical mais respectivo coletor de admissão, além de completadas inúmeras ligações estruturais faltantes no projeto inglês.
A outra “sombra” é o Escort, revelada quando a VOLKSWAGEN (Auto Latina) o motorizou com um motor decente, o AP, AP1800 e AP1800-S: aí o Escort mostrou ser um fracasso, pois ficaram evidentes as suas deficiências de suspensões, a traseira um “balaio-de-gatos” (sem os gatos), a dianteira useira e vezeira em “perder caster” (“atrasar” a roda mais solicitada em curva).
Eu tive um Escort 1.8 XR3 que quase me matou numa curva!
A mesma curva, no mesmo momento, o meu amigo Beto ‘fez’ super seguro com seu Gol GTS, simples e eficiente.
Já a MINI COOPER, antes da BMW intervir não era absolutamente nada.
Os ingleses e seus carros estranhos, ou melhor, idiotas!
ORA BOLAS !!!

Avatar
Silvano Marcelo Carraro 30 de maio de 2020

Quando eu era adolescente meus amigos queriam Golf GT e Escort XR3, enquanto eu desejava Monza Classic e Santana GLS. Quando liberaram as importações meus amigos compraram Corvette e Eclipse, é eu passei a desejar Jaguar sedãs. Minha paixão é o XJ8, mas esse MK2 alimentaria a minha alma.

Avatar
Guilherme stoliar 30 de maio de 2020

Acabo de ver seu vídeo e lembrei muito de ti.
Saudades e me escreve qdo puder.
Abraço forte

Avatar
Deixe um comentário