Maybach Zeppelin DS8 1931: Sob o sol da Baviera

Nunca foi tão bom dirigir pelo sul da Alemanha do quando o fiz ao volante de um destes clássicos alemães, e a caminho de uma ópera de Wagner

maybach 34 2
Por Boris Feldman
09 de dezembro de 2017 09:33

Imagine o prazer de dirigir um antigo conversível nas estradinhas da Baviera, no sul da Alemanha, num dia de verão, com a companheira ao lado. Imagine então se a viagem tiver como objetivo conhecer não somente o carro projetado para ser o melhor do mundo, o Maybach Zeppelin, mas também para assistir uma ópera de Wagner (Tannhäuser) no teatro construído por ele mesmo.

Mercedes Maybach Zeppelin

É a perfeita simbiose de clássicos…

Esse automóvel era um Maybach Zeppelin DS8 de 1931. É uma limusine conversível com quase 5,5 m de comprimento e três toneladas de peso empurradas por um inacreditável motor V12 de 200 cv, caixa de quatro marchas semiautomática a vácuo e freios acionados por cabo, porém servoassistidos.

Ópera de Wagner em seu próprio teatro não é para principiante. Os ingressos se esgotam entre quatro e cinco anos antes do festival de verão. E tem duração média de cinco horas com apenas um intervalo. Dirigir o Maybach (que pertence ao Museu da Mercedes-Benz) requer também uma aula antes de assumir o comando.

O DS8 significa “Doppel Sechs”, ou “Double Six”, ou V12 de 8 litros de cilindrada. Os mais sofisticados Maybach eram identificados na frente da grade com a inscrição Zeppelin, para lembrar que o motor era idêntico aos que equipavam os dirigíveis. Cursinho rápido para dirigi-lo: o pedal de embreagem está lá, na posição habitual. Mas só para arrancar, parar ou acionar a ré.

Mercedes Maybach Zeppelin

As quatro marchas sincronizadas são engatadas por duas pequenas alavancas opostas no centro do volante. Ao serem acionadas, nada acontece até que o motorista tire o pé do acelerador e volte a pisá-lo – quando um sistema de vácuo engata a marcha selecionada.

Motor e câmbio trabalham no mais absoluto silêncio, ao contrário dos ruidosos carros da época.

Maybach Zeppelin, um carro para outra época

O painel do Maybach Zeppelin é completo: além de velocímetro e hodômetro, marcador do tanque (são “apenas” 135 litros para dar conta dos 3 km por litro), relógio (com corda para oito dias), marcadores de temperatura da água, pressão de óleo e vácuo dos freios.

Não adianta procurar macaco no porta-malas, pois tem um para cada roda, integrado ao chassi. E um compressor (movido pelo motor) para calibrar os pneus.

Mercedes Maybach Zeppelin

Depois de se acostumar com as posições das alavanquinhas, a vida ao volante do Maybach Zeppelin é até agradável. É pesado, mas os 200 cv o levam a 170 km/h (imaginem esta velocidade na década de 1930) na maciota. Fui de Nürnberg a Bayreuth, 80 quilômetros, em uma estradinha secundária (que graça teria numa autobahn?) cheia de curvas e subidas. Mas é tanto torque que deu para andar de quarta quase o tempo todo.

Só reduzia para cruzar as cidadezinhas no trecho. Numa velocidade de cruzeiro de 110 Km/h a 120 Km/h, o motor está abaixo das 3.000 rpm, o rodar é macio e a suspensão é firme e confortável. Para as quase três toneladas, os freios são eficientes, mas não aposte, numa freiada mais forte, de o Maybach parar numa linha rigorosamente reta.

Para o colecionador (ou excêntrico) que pensa em adquirir um dos cinco Zeppelin que sobraram – dos 12 ou 13 construídos à época – o principal problema é sua direção muito pesada, sem nenhum tipo de assistência. Vai bem na estrada, mas para manobrar… Haja muque! E haja também saldo bancário para bancar os milhões de euros que estão valendo…

Mercedes Maybach Zeppelin

Maybach e Daimler

O alemão Wilhelm Maybach, um gênio da mecânica, foi quem assinou os primeiros projetos para Gottlieb Daimler no início do século passado, surgindo daí os famosos automóveis Daimler e Mercedes. Anos mais tarde, em 1909, ele funda com seu filho Karl, a Maybach-Motorenbau GmbH (daí o logotipo com dois “emes”) especializada em grandes motores – entre eles o V12 para o dirigível produzido por Graff Ferdinand von Zeppelin.

Sua fábrica passou a produzir também automóveis (no início com chassis Mercedes) com motores de seis cilindros e acabou utilizando o V12 para um modelo especial, o Maybach Zeppelin, de 1930 a 1937. Ele só fornecia o chassi rolante e o cliente encomendava a carroceria em empresas especializadas (o da matéria foi produzida pela Spohn), um costume da época.

Com o início da Segunda Grande Guerra, a fábrica entrou em declínio e acabou sendo adquirida, em 1960, pela própria Daimler-Benz (rebatizada de MTU), que manteve a produção de grandes motores. Foi vendida anos depois e pertence hoje ao grupo Rolls -Royce.

A marca Maybach foi resgatada pela Daimler, que criou uma divisão para lançar em 2002 um sofisticado automóvel para concorrer com Rolls-Royce e Bentley. A ideia não vingou e a produção foi encerrada em 2012. Dois anos depois, a empresa decidiu batizar a versão mais luxuosa de seu sedã topo de linha, o Série S, como Mercedes-Maybach.

Conheça mais Clássicos do Boris

Boris Feldman também já dirigiu outros carros clássicos, como o Aston Martin DB6, muito parecido ao carro do James Bond. Veja o vídeo abaixo e conheça a seção de carros clássicos do AutoPapo.

Fotos Maybach | Divulgação

SOBRE
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Marcos Benassi 21 de fevereiro de 2021

Caro Boris, que experiência fantástica! Era muito avanço para a época, não? nos dias de hoje, fica imaginando o que seria equivalente a isso, teria que incorporar tecnologias espaciais para representar tamanho avanço, desempenho e exclusividade. Sensacional!

Avatar
Deixe um comentário