Pinóquio de Ouro 2018: E o prêmio vai para… o Pinox

Pino de aço fabricado na Áustria promete reduzir em até 20% o consumo de gasolina. Teste revela que é propaganda enganosa

pinoqui de ouro
Por Boris Feldman
13 de janeiro de 2019 10:27

Vários veículos da imprensa especializada atribuem anualmente prêmios para o melhor, o eleito, o queridinho, o favorito e vai por aí. O AutoPapo prefere denunciar a maior mentira do ano que, em 2018, foi para um destes economizadores de combustível anunciados às dezenas na internet, quase todos prometendo economia de até 20% no consumo e ganho de desempenho.

Sem suar a camisa

O raciocínio que derruba todas estas tentativas de enganar o consumidor é simples: alguém imagina que, se funcionasse de fato, as fábricas de automóveis não sairiam correndo para adquirir sua patente, ou a própria “empresa” que o produz, ou milhares deles para instalar na linha de montagem?

Aliás, consultados, os engenheiros das fábricas confessam “suar a camisa” para conseguir uma redução de 2% ou 3% no consumo… E ficam perplexos ao tomar conhecimento dessas picaretagens anunciadas na internet.

Mas, é sempre conveniente verificar se algum “Professor Pardal” não inventou de fato um dispositivo capaz de derrubar todos os conceitos físico-químicos da engenharia automobilística. E, para isso, o AutoPapo testou o Pinox, um dos mais recentes anunciados na internet, produzido (segundo o manual) na Áustria. Que não passa de um pino de aço, de tamanho e preço variáveis de acordo com a cilindrada do motor, comercializado no Brasil pela BE-Fuelsaver Brasil Ltda, de São Paulo.

O que diz seu anúncio na internet:

“O otimizador automotivo PINOX é um dispositivo que possui uma frequência bioenergética, que altera fisicamente a estrutura molecular do combustível, proporcionando condições ideais para uma queima mais completa da gasolina e do diesel”.

Economizador Pinox não cumpre o que promete
‘Economizador’ Pinox não cumpre o que promete

Testando o pino mágico

Adquirimos então, por R$ 540,00, um Pinox especificado para motores a gasolina de 1.0 a 1.6 de cilindrada. A FCA cedeu para os testes um Fiat Argo 1. 0 com cerca de 17.500 km rodados e os testes foram realizados pelo engenheiro e perito judicial Sergio Melo. Exatamente de acordo com as recomendações do manual que acompanha o dispositivo.

O pino, que tem cerca de 4 cm de comprimento por 0,8 cm de diâmetro, foi instalado junto à uma mangueira que conduz a gasolina ao motor. Segundo o fabricante, ele pode também ser alojado diretamente no fundo do tanque de combustível. Pode ser transferido de um carro para outro e funciona com gasolina ou diesel. Tem garantia de 30 anos.

A fabrica promete:

  1. Reduzir o consumo de combustível em até 20%;
  2. Aumentar em até 20% a potência do motor;
  3. Reduzir em até 99% os gases poluentes;
  4. Reduzir em até 85% a fuligem emitida pelo escapamento.

O engenheiro Melo rodou quase 250 km com o Argo, circulando quatro vezes num circuito de 58 km numa rodovia de duas pistas e que permitia manter velocidade de 100 km/h sempre em quinta marcha.

Resultado: nenhum!

Em cada reabastecimento, eram registrados quantos km percorridos e litros consumidos. Os resultados obtidos foram os mesmos em todas as medições efetuadas, sem modificação de consumo com ou sem o dispositivo (diferença na segunda casa decimal não foi considerada e pode ter sido provocada por alguma variação de velocidade durante o teste).

Sem Pinox: 16,97 km por litro de gasolina

Com Pinox: 16,90 km por litro de gasolina

Todos os abastecimentos e registros no hodômetro do automóvel foram gravados para registro dos valores obtidos.

Certificação

Falta no Brasil uma preocupação em certificar componentes e equipamentos no mercado de reposição. Fabrica-se e vende-se livremente qualquer produto, seja de empresa idônea, seja um “fundo de quintal”.

Na Europa, nada, mas nada mesmo é colocado à venda sem a aprovação de um órgão homologado pelo governo. O mais famoso é o TÜV na Alemanha: só se coloca no mercado um produto aprovado por ele.

Curiosamente, o fabricante do Pinox exibe um certificado do TÜV. Mais curiosamente ainda, apesar de produzido na Áustria, país vizinho da Alemanha, ele foi buscar o documento no TÜV do Oriente Médio. No “TÜV SÜD Middle East”. Enigmático, não?

Histórico dos Laureados

Relação da menos cobiçada premiação da imprensa automobilística brasileira

2005 – Toyota (garantia de três anos do Corolla )

2006 – Oficinas “empurroterapeutas”

2007 – Vectra GT (Não era Vectra, muito menos GT…)

2008 – Peugeot –(mentira do 306 vencer Stock Car)

2009 – Pirelli – (negou recall a pneus 17” do Vectra)

2010 – Caoa-Hyundai (Conar obrigou a tirar propaganda do ar)

2011 – Mantega (Mentiras do Ministro)

2012 – Effa (nº chassis alterado)

2013 – Civic (“ganhou” copa Petrobrás)

2014 – BMW Flex (só gasolina no start-stop)

2015 – Monroe (aqui 40 mil km, nos EUA 80 mil km)

2016 – Sindicom (cartel dos preços nos postos)

2017 – Nissan Frontier (suspensão Multilink)

SOBRE
11 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Luiz Claudio Stefani 11 de agosto de 2019

Parabéns
Valiosas informações

Avatar
Susete Davi 19 de março de 2019

Querido Bóris é sempre muito bom ler você

Avatar
Luis 17 de janeiro de 2019

Pinoquio do Ano deveria ir para a Toyota, que enganou seus fieis consumidores que acreditaram no projeto do Yaris: reflexo no painel de instrumentos que não permite visuslizar as informações de velocidade, alertas, tanque vazio, além de refleco na moldura prata do painel que cega o motorista; comptessor de ar condicionado que aciona de forma violenta a cada 15 segundos, balançando o carro, consumo na cidade de 5km/l etanol e 7km/l gasolina, muito diferente do informado e propagado selo do InMetro que vem no parabrisa do veiculo e que informa consumo urbano de 9km/l etanol e 13km/l gasolina; e completa falta de potencia para subidas…. Uma enganação de 70 mil Reais

Avatar
Francisco Luiz Caetano de Andrade 16 de janeiro de 2019

Na década de 1970 tinha a bengalinha TBF. Será que funcionava? Pela explicações técnicas acima, NÃO!!

Avatar
Régis 16 de janeiro de 2019

Deveriam fazer os testes com o tal do hidrogênio gerado no próprio carro e também aquele de usar só o vapor da gasolina…. Tem “bilhares” de vídeos na internet.

Avatar
Adolpho klotz 16 de janeiro de 2019

Estou com o Régis, fazer o teste com o hidrogênio produzido por eletrolise, vários kit’s a venda no mercado.

Avatar
José Carlos 15 de janeiro de 2019

A propaganda já tende a enganar o consumidor, pois economia de até 20% pode ser 0%. Deveriam indicar qual o mínimo garantido de economia.

Avatar
Antonio Donizeti Martins 13 de janeiro de 2019

O problema é que o Brasil em muitos aspectos é uma terra sem lei. Os postos vendem Etanol na bomba de gasolina, metanol na bomba de etanol, e ninguém faz nada. Se encherem seu tanque de água e recolherem os impostos é o que interessa para um governo corrupto.

Avatar
Fausto Lincoln 13 de janeiro de 2019

Combinou com o nome, ou seria a tradução.

Avatar
Laurence Amaral 13 de janeiro de 2019

Parabéns pela reportagem! Sempre leio suas publicações! Com olho de professor, há uma palavra engenharia escrita com “m” e um “fundo de quinta”. Grande abraço!

Avatar
chicolelis 13 de janeiro de 2019

Grande ideia. Parabéns!!!!!!!!!!
Com a quantidade de picaretas existente por ai, vai ter muita gente disputando esta galhardia.
Que tal diversificar o prêmio em categorias como, por exemplo serviço de atendimento ao consumidor das montadoras?

Avatar
Deixe um comentário