Salão de Pequim: de carro ‘xing-ling’ para um show de tecnologia 

 Na segunda onda da 'invasão chinesa' no Brasil, mais de dez marcas vão disputar lugar ao sol em nosso mercado

montadoras chinesas
Tem espaço para todas as montadoras chinesas no Brasil? (Ilustração: Ernani Abrahão | AutoPapo)
Por Boris Feldman
Publicado em 11/05/2024 às 09h03

Os primeiros carros chineses desembarcaram no Brasil há quase 20 anos e fizeram jus à fama de “xing-ling”: produtos de péssima qualidade, que até entortavam o pedal do freio. A Lifan, que vendia aqui uma cópia (desmaiada) do Mini Cooper, quebrou na China. A Geely veio, viu e voltou.

Mas as sobreviventes assombraram o mundo com o rápido pulo de qualidade e se destacaram com a eletrificação veicular. O Salão de Pequim (25/04 a 0/05) foi uma demonstração da supremacia mundial dos chineses na tecnologia dos carros elétricos.

No Brasil, a primeira montadora chinesa a implantar fábrica foi a Chery, em 2014. Em Jacareí (SP), onde deu com os burros n’água com modelos defasados, de baixa qualidade e sem assistência técnica. Foi adquirida em 2017 pelo grupo Caoa (importador da Hyundai) que deu uma reviravolta de qualidade, assistência e marketing. Já conquistou a confiança do consumidor brasileiro e se inclui entre os “top ten” em vendas.

Outra montadora chinesa que se recompôs depois de ter um projeto de fábrica na Bahia frustrado por um controverso imposto decretado pela ex-presidente Dilma Rousseff, foi a JAC, comandada no Brasil pelo empresário Sergio Habib. Abandonou a importação de carros à combustão e tornou-se a única a oferecer exclusivamente modelos elétricos, de automóveis a picapes e caminhões.

jac j3 2011 preto frente
JAC J3: planos de produção frustrados no Brasil (Foto: JAC | Divulgação)

Segunda onda

Novas “players” chegaram “chegando” com duas gigantes chinesas que vieram há dois anos, de mala e cuia: a GWM (Great Wall Motors) e BYD (Build Your Dreams). A primeira comprou a fábrica de automóveis que a Mercedes-Benz fechou em Iracemápolis (SP). A segunda adquiriu, do governo da Bahia, as instalações da Ford em Camaçari (BA). Ambas já atuando com bem montada rede de concessionárias e infraestrutura de pós vendas.

Em contrapartida, a Seres é uma chinesa que não acreditou no Brasil e não veio: preferiu nomear um importador.  Produz SUVs elétricos e está aqui há menos de um ano. Meio capenga, enfrenta dificuldades para nomear concessionários. Como não há sequer previsão de implantar uma fábrica, tem futuro incerto com a decisão do governo de aplicar impostos de importação aos elétricos (isentos até o final do ano passado) que chegarão a 35% em julho de 2026.

Outras montadoras chinesas no Brasil

O sucesso das que já chegaram abriu o apetite de vários outras, de malas prontas para garantir sua  fatia do bolo. Uma delas é a Neta, que já tem escritório em São Paulo, diretor-geral contratado (Henrique Sampaio, ex-VW), definidos os primeiros modelos a serem importados e ávida por uma fábrica local. Uma das opções seriam as instalações que a Toyota está desativando em Indaiatuba. Ela já tem três plantas na China e uma na Tailândia.

toyota fabrica indaiatuba 0
Fábrica da Toyota em Indaiatuba (SP) está na mira da Zeekr (Foto: Toyota | Divulgação)

Outra é a Zeekr (pronuncia-se zicar), que pertence ao grupo Geely (Volvo, Link&Co, Proton, Lotus) e anunciou desembarque breve no Brasil com ambiciosos olhares no segmento de luxo, mirando Porsche, BMW, Audi e Mercedes. Mesma estratégia tentada na China mas que lá, por enquanto, só deu muito trabalho e pouco resultado.

A Chery quer mais no Brasil: além da parceria com a Caoa, anunciou as novas marcas Omoda (luxo) e Jaecoo (off-road), criadas na China no ano passado. Estuda comprar as instalações que ela mesma construiu em Jacareí (SP) e cedeu para a Caoa ao estabelecer sociedade com o grupo, que fechou a fábrica em 2022 e só utiliza hoje sua planta em Anápolis (GO). Pretende iniciar suas operações no segundo semestre deste ano, com 50 concessionárias nomeadas.

linha de montagem do caoa chery tiggo8 na fabrica de anapolis go
Linha de montagem do Caoa Chery Tiggo 8 em Anápolis (GO)

A marca MG (Morris Garage) foi fundada na Inglaterra em 1924 e ficou famosa com sedãs e roadsters. Foi adquirida pela chinesa SAIC (que tem parceria com a VW e GM) que acaba de anunciar a intenção de trazer a marca inglesa.

A GAC está entre as cinco maiores marcas chinesas e foi além de confirmar interesse no Brasil: seus representantes já visitaram alguns estados procurando área (e incentivos, porque não?), inclusive o de Amapá. Recebeu recentemente na China o governo de Alagoas que ofereceu vantagens para atrair a empresa.

Freio de arrumação

Se o mercado chinês absorve anualmente mais de 25 milhões de automóveis, o brasileiro não atinge sequer 10% deste volume. O sucesso das montadoras chinesas que já desembarcaram incentiva outras a seguirem seu rastro. Mas, somadas as previsões de vendas de todas elas, vai faltar demanda para tanta oferta e o mercado terá de passar por um “freio de arrumação” para acomodar esta invasão asiática.

Newsletter
Receba semanalmente notícias, dicas e conteúdos exclusivos que foram destaque no AutoPapo.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook X X Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário