Montadora indica gasolina comum? Aditivada não é melhor?

Aditivada é melhor para os carros, mas falta de padronização leva fabricantes a indicarem o uso da gasolina comum

Por Boris Feldman 22/11/17 às 15h21
Atualizada em 27/5/2020 às 15h18

A fábrica do automóvel, ao elaborar o manual do proprietário, deve informar com que combustível abastecê-lo. Por mais óbvio que seja, esta informação deve estar presente. E, por isso, surge uma controvérsia no caso do mercado brasileiro.

Gasolina recomendada é a aditivada. Isso porque os aditivos são dispersantes, detergentes e não deixam o motor “sujar”, acumular depósitos carboníferos.

Entretanto, algumas fábricas, no manual do proprietário – a Honda inclusive  – sugerem o uso da gasolina comum, sem aditivo. A Honda ficou doida? Não!

A Honda está certa, teoricamente, porque aqui no Brasil a gasolina comum é a mesma para todos os postos, todas as marcas. A aditivada não, cada uma é de um jeito. Não existe nem controle e tampouco padronização.

Atualmente, cada distribuidora coloca o aditivo que bem entende em sua gasolina e, por isso, não existe um padrão. Pode até existir uma rede de postos que tenha uma aditivação que pode prejudicar (ao invés de beneficiar) o motor. Não há controle nem fiscalização destes aditivos.

Por isso, as fábricas são praticamente forçadas a recomendar o uso da comum: como testar a aditivada se existem dezenas de variações entre as marcas e os postos? Elas sabem a importância do aditivo, que ele evita a formação de depósitos carboníferos que acabam prejudicando a combustão e até – em casos extremos – danificando o motor.

Curiosidade: Nissan recomenda gasolina sem chumbo

Outra recomendação curiosa (da Nissan, por exemplo) é de não usar gasolina com chumbo, que já não existe há muitos anos no Brasil. Neste caso, é porque seus carros podem ser exportados para países que ainda aditivam a gasolina com chumbo tetra-etila. Ou algum cliente pode viajar com o carro para algum deles.

O problema principal do chumbo na gasolina é danificar o catalisador, que contem materiais nobres para – numa reação química – eliminar a nocividade dos gases do escapamento.

Gasolina no bico da bomba
Falta de padronização entre as gasolinas aditivadas impede recomendação (Foto: Shutterstock)
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Antero Coelho 22 de novembro de 2017

    Mas, então…se eu tomar o cuidado de sempre usar a mesma marca de gasolina, como alias procuro fazer…o melhor é usar a aditivada?

Avatar
Deixe um comentário