[Vídeo] Renault Duster 2023: motor turbo se destaca, mas e o restante?

SUV entrega ótimo desempenho sem exagerar no consumo e tem bom espaço interno, mas deixa a desejar em acabamento e oferta de equipamentos

duster 2022 frente 45
Externamente, o Duster com motor turbo não traz diferenças em relação à versão Iconic 1.6 (Foto: Renault | Divulgação)
Por Alexandre Carneiro
12 de março de 2022 14:06

Quem olha o Duster por fora não percebe a maior novidade da linha 2023: é o motor 1.3 turbo com injeção direta, batizado de TCe, que já equipava o Captur. Ele vem na versão top de linha Iconic e desenvolve 162 cv de potência com gasolina, 170 cv com etanol, e 27,5 kgfm com os dois combustíveis. Esse propulsor foi desenvolvido em conjunto com a Mercedes-Benz, mas, nos carros da marca alemã, a eletrônica é diferente. No SUV da Renault, ele fez a dirigibilidade mudar da água para o vinho.

Assista ao vídeo!

VEJA TAMBÉM:

Na prática, quem dirigiu o Duster com motor 1.6 nota uma enorme diferença de desempenho causada pelo novo 1.3 turbo. Em situações urbanas, o SUV mostra-se muito ágil, inclusive em arrancadas, graças ao torque, que é muito bem-distribuído: o valor máximo  a apenas 1.600 rpm. Por sua vez, o câmbio CVT com oito marchas simuladas revela-se bem-casado com motor. Esse conjunto dá ao modelo uma performance entre as melhores da categoria.

Outro aspecto da dirigibilidade do Duster que merece elogios é o acerto de suspensão. O conjunto filtra muito bem as irregularidades do piso e trabalha em silêncio. Esse aspecto, somado aí também à boa altura do solo e o ângulo de ataque, faz com que o veículo transponha com desenvoltura os chamados obstáculos urbanos, como quebra-molas e valetas, sem riscos de raspões contra o solo. Trata-se de um quesito valorizado pelos compradores de SUVs.

Bom desempenho com consumo razoável

Em rodovias, o Duster agrada pela ótima desenvoltura em ultrapassagens e subidas de serra. Além do mais, o acerto da suspensão não deixou o modelo “bobo” em curvas: para um veículo com centro de gravidade elevado, característica inerente aos SUVs, ele transmite segurança em trajetos sinuosos, desde que o motorista não abuse.

A direção, com assistência elétrica, também agrada, demonstrando bom efeito regressivo. Já os freios, com tambores no eixo traseiro, apresentam desempenho não mais que correto.

motor duster turbo 2022 02
Motor 1.3 turbo com injeção direta desenvolve 170 cv com etanol

Em relação ao consumo, de acordo com as aferições do AutoPapo, os números do Renault Duster Iconic 2023 são razoáveis. Abastecida com etanol, a unidade equipada com o motor 1.3 turbo cravou 7,7 km/l no ciclo urbano e 10,2 km/l no rodoviário.

Espaçoso, mas com acabamento simplório

No interior, a maior qualidade do SUV da Renault é o espaço, característica que vem desde a primeira geração. Quatro adultos viajam com bastante folga e, mesmo se a ideia for colocar três pessoas no banco de trás, ainda há um razoável nível de conforto.

O porta-malas também é grande: os 475 litros dão ao bagageiro um dos maiores volumes da categoria. Mas o estepe segue afixado por baixo do assoalho, outra solução herdada do antigo Duster. Além de facilitar furtos, essa posição dificulta o acesso, inclusive para a realização das calibragens periódicas.

Em acabamento, por outro lado, o Renault Duster está entre os mais simplórios. Os painéis internos são, praticamente, todos em plástico duro. As forrações das portas dianteiras ainda trazem uma porção acolchoada no apoio de braço; porém, as traseiras, nem isso.

renault duster iconic painel interior
SUV emprega materiais simples no acabamento interno

Outro pormenor no qual o Renault Duster deixa um pouco a desejar é no quadro de instrumentos. Nada a reclamar do velocímetro e do conta-giros analógicos, que permitem ótima legibilidade: o problema é a tela central com as informações do computador de bordo, que está arcaica. É um detalhe, mas o caso é que os concorrentes exibem displays coloridos, maiores e com mais funcionalidades.

No mais, a ergonomia a bordo melhorou bastante na nova geração, com acesso fácil a todos os comandos do painel. A visibilidade também é boa: em manobras, há o auxílio de quatro câmeras, formando um sistema que a Renault chama de Multiview, além de sensores de ré. Os bancos dianteiros apoiam bem o corpo, e a posição de dirigir é correta.

Equipamentos do Renault Duster Iconic 2023

A versão Iconic TCe custa R$ 135.590 e vem com pacote fechado de equipamentos. O pacote traz revestimento premium, que imita couro, nos bancos e no volante, ar-condicionado digital, faróis com acendimento automático, chave presencial com partida a distância e botão de partida, rodas de 17” diamantadas e o sistema multimídia, que inclui tela de 8” e conectividade com as plataformas Android Auto e Apple CarPlay. Não há, porém, carregador de celular por indução.

O Renault Duster fica devendo, porém, determinados equipamentos de segurança, principalmente mais airbags: apesar de ser a top de linha, a versão Iconic traz só as bolsas dianteiras, obrigatórias por lei. Tampouco há sistemas de auxílio à condução, como alerta de frenagem ou monitor de ponto cego. Também destoa a ausência de um retrovisor interno eletrocrômico.

Ficha técnica

Ficha técnica Renault Duster Iconic TCe 2023
Motor dianteiro, transversal, flex, 1.332 cm³, com quatro cilindros em linha, de 70 mm de diâmetro e 86,5 mm de curso, e oito válvulas, com duplo comando variável
Potência 162 cv (gasolina) e 170 cv (etanol) a 5.500 rpm
Torque 27,5 kgfm (gasolina e etanol) a 1.600 rpm
Transmissão automática do tipo CVT com simulação de oito marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson com molas helicoidais na dianteira e barra de torção com molas helicoidais na traseira
Rodas e pneus rodas de liga leve de 17”; pneus 215/60 R17”
Freios discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, com ABS
Direção por pinhão e cremalheira, com assistência elétrica
Dimensões 4,376 m de comprimento, 1,832 m de largura, 2,673 m de distância entre-eixos, 1,693 m de altura
Vão livre do solo altura mínima de 237 mm; ângulo de entrada de 30°; ângulo de saída de 34,5°, ângulo de rampa de 13°
Peso 1.279 kg
Tanque de combustível 50 litros
Porta-malas 475 litros
Carga útil 500 kg

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
7 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Aleminas 10 de maio de 2022

Agora eu fico aqui pensativo: como uma montadora vende um caro por quase 140 mil (a versão 1.3) e fica mendingando dois aibags laterais? Aí o diacho da engenharia coloca 4 airbags no carrinho popular deles de 60 mil e duas bolsas no Duster. Como diz o jogador Neto (donos da bola) “ah vcs estão de brincadeira”

Avatar
Polvo 14 de março de 2022

Único SUV compacto que tem um porta-malas decente e, agora com um motor moderno, acho que é a compra mais racional desse segmento.

Avatar
Sir.Alves 14 de março de 2022

Pois é, Na verdade, só Duster e Captur são os únicos representantes legítimos deste categoria que realmente tem um bom porta malas!… o resto só decepciona como o pulse(argo enfeitado).

Avatar
Eduardo Tomaz de Mendonça 14 de março de 2022

Tem sensor de pontos cegos e sistema multi vier… c 04 cameras…

Avatar
Paulo Santos 13 de março de 2022

Este carro apresenta interessante custo-benefício, agora com o motor Mercedes-Benz. Deixa de ser o patinho feio para ser um atrativo romeno. Falta este motor na Uroch.

Avatar
FELIPE 13 de março de 2022

Pretendo trocar de carro no final do ano e estava interessado no Duster, mas como quero um 4×4 e dou importância à segurança, é com espanto que vejo a dona Renault não gostar de aumentar suas próprias vendas… 2 airbags apenas depõe muito contra, principalmente nessa versão Top Iconic, e ver a versão 4×4 em toda América do Sul e não termos aqui é quase uma humilhação para o povo brasileiro. Se a versão 4×4 não existisse em termos de projeto, eu até entenderia, mas existir e não ser disponibilizada no Brasil, que tem milhares de km de estradas de terra, ultrapassa minha capacidade de entendimento de gestão de um produto.
Eu sou um comprador potencial que vai acabar nos “braços” da Jeep. ACORDA RENAULT !!! ou vai acabar igual à Ford…

Avatar
Antonio Pereira 12 de março de 2022

Primeira geração: Aim, o carro e feio fraco e mal acabado.

Segunda geração: Aim, carro é lerdo e aínda mal acabado.

Segunda geração turbo: Aim, falta segurança e continua mal acabado.

Terceira geração 2024 : Aim, tá muito caro, não vale a pena.

PARA MIMIZENTO NADA ESTÁ BOM.

Avatar
Deixe um comentário