A gosto do freguês

Alguns carros tem diferentes estilos de condução, para que o motorista utilize aquele que mais lhe agrada. Um deles é o Sport, você conhece?

O modo Sport consegue alterar a entrega de potência e torque do motor pela posição do acelerador
O modo Sport consegue alterar a entrega de potência e torque do motor pela posição do acelerador (Foto: Fiat | Divulgação)
Por Boris Feldman
30 de junho de 2021 21:32

Alguns automóveis permitem hoje que seu dono o ajuste de acordo com seu estilo de dirigir. Como assim? O carro pode ser mais esportivo ou mais firme. Mais estável ou mais confortável…

O consumo também pode ser ajustado: maior ou menor de acordo com o desempenho. E assim por diante.  A eletrônica permite tudo isso através de comandos.

VEJA TAMBÉM:

No carro automático, por exemplo, o câmbio pode ser colocado no modo “Sport” ou “Normal”. A primeira delas é que estica mais as marchas e torna o carro mais arisco.

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Marcelo Procopio 7 de julho de 2021

olá,
tá, o mundo eletrônico possibilitou o que antes dependia do modelo e mesmo assim com limitações tecnológicas.

mas faço dois comentários.

1- quando se tem carro zero, a grande maioria, depois de escolher exaustivamente a cor entre o prata cinza e o cinza prata e sua tantas variações de tons (ou seja, esmagadoramente quase todos têm a mesma cor. Vendedores e fabricantes argumentam que se deve a menor desvalorização futura. Conclui-se: as pessoas compram carros novos pensando proritariamente em vendê-los um tempo depois, tempo que vai variar como variam o tamanho dos bolsos. O prazer é secundário).

—doces delícias amargas—

2- qual o percentual (é economia ou carta/comentário de publicações internéticas? – não sei). quantas pessoas compram carro zero {e mesmo o usado chamado por eufemismo de semi-novo} pensando nesses detalhes “quero um carros que atenda meus humores: hoje arisco, ousado, atrevido; amanhã zen, tranquilo, pra depois de ir ao cinema, civilizado -aquele cuja meta a ser a atingida em ruas e avenidas é uma média na faixa máxima de 40 a 50 km/h.

afinal esportivo ou conservador, não se brinca de correr dentro das cidades.
é só, mais isso conta, prazer em dirigir, usar do carro aquilo que ele oferece a quem sabem dirigir

não dá pra fazer como fazíamos com a roda de um velecipede virado de lado, onde quanto mais rápido girávamos a roda, mais rápido nossos sonhos acreditavam que a velocidade aumentava esponencialmente e o final era sempre feliz porque brincadeira de criança.

pra terminar essa longa missiva (escreveria Machado de de Assis), muita vez a gente tem que crer que todas as tantas variações que nós oferecem a tecnologia do séc 21,mais felizes seremos.
seria, houvesse maiores explosões de divisão de vida e de renda. quanto mais mais todos tivessem mais seriam parte inclusiva do mundo. {MP}

Avatar
Deixe um comentário