Elétrico reduz mesmo a poluição atmosférica?

O carro elétrico é um caminho para baixar o nível de emissão de CO2. Porém, outra alternativa energética pode fazer isso com mais eficiência

O carro elétrico pode produzir sua própria energia através da célula de combustível alimentada por etanol
O carro elétrico pode produzir sua própria energia através da célula de combustível alimentada por etanol (Foto: Montagem AutoPapo | Ernani Abrahão)
Por Boris Feldman
06 de agosto de 2021 21:32

A matriz da Volkswagen na Alemanha decidiu que sua filial no Brasil se torne o polo mundial para o desenvolvimento de seus veículos movidos a biocombustíveis, como o etanol.

E a marca alemã, apesar de já estar ameaçando a liderança da Tesla como maior produtora de veículos elétricos, tem consciência da importância e papel fundamental do etanol como alternativa energética ao combustível fóssil.

Na verdade, está enganado quem pensa que o automóvel elétrico é solução definitiva para os desarranjos ambientais do planeta, pois depende de como essa energia elétrica é gerada. Na Europa e na Ásia, por exemplo, ela é principalmente produzida por usinas térmicas à diesel, ou à carvão.

Então, não se está reduzindo a emissão de CO2, mas somente se deslocando a origem da poluição: do escapamento do automóvel para outro ponto qualquer da Terra.

VEJA TAMBÉM:

Carros com motor a etanol podem gerar menos CO2 que um elétrico. Além disso, existe a possibilidade de o elétrico produzir sua própria energia através de uma célula a combustível alimentada por…etanol !

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
12 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Antonio Gomes 13 de agosto de 2021

Parabéns pela excelente matéria estou completamente de acordo com a matéria. Qualquer usina a carvão ou qualquer outro combustível fóssil e sempre uma fonte de CO2. Não nos podemos esquecer que com o aumento do número de veículos elétricos, vai aumentar exponencialmente a necessidade de produção de energia elétrica, para poder garantir energia para todas as necessidades. Podemos falar mesmo que deslocar a emissão de gases com efeito de estufa do escapamento do carro cara as usinas termelétricas, e o mesmo que varrer a casa e esconder o lixo debaixo do tapete! O verdadeiro “olhos não vêem, coração não sente!”

Avatar
Rodrigo MARTINIANO 12 de agosto de 2021

– “Carros com motor a etanol podem gerar menos CO2 que um elétrico.” – (CF ESCRITO).

>> + 2ºC – O PONTO SEM VOLTA / é ASSUNTO SERÍSSIMO < panorama gráfico do planeta após +2ºC GRÁFICO DE VIROSES (possível além de + 2ºC) <
– – (clique nas fotos / é ASSUNTO SERÍSSIMO) – –
. . . . .
Madames & Cavalheiros,
Meu cordial bom dia!
Rogo-lhes a fineza de verificar os arquivos anexos.
Egoistamente eu poderia ESQUECER O ASSUNTO EM PAUTA, pois não tenho descendentes a enfrentar um mundo caótico.
Entretanto, prefiro o contrário.
Há poucas chances reais de o nosso planeta não nos destruir, poucas, mas não nenhuma chance.
Segundo boa parte dos experts, +2ºC já chegou, sendo as mudanças radicais irremediáveis.
Outros experts imaginam um meio de reverter a situação.
Na Europa, a começar pelo Reino Unido, veículos movidos a diesel ou a gasolina serão “proscritos” a partir de 2030.
No Brasil tivemos o PROALCOOL, sob a égide do ilustre Professor Coronel Urbano Ernesto Stumpf, programa do qual participei como estagiário superinteressado!
O PROALCOOL deu certo até a “TIURMA DA ESQUERDA” surgir e boicotá-lo.
EU OFERECI MEUS SERVIÇOS AO ATUAL MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, GRATUITAMENTE, A FIM DE MONTAR UM “PILOTO” DE RETOMADA DO PROALCOOL NA CIDADE ONDE TUDO COMEÇOU, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS – SP.
É claro, nunca me responderam, porquanto, GRATUITAMENTE é termo PROFANO ENTRE QUEM SÓ ALMEJA A MALFADADA CARREIRA.
. . . . .
Repito com insistência, É ASSUNTO SERÍSSIMO!
. . . . .
Cordialmente,
Engº MSc Rodrigo MARTINIANO.
. . . . .
A par de tudo, usem etanol nos seus veículos.
. . . . .

Avatar
Diego 9 de agosto de 2021

Boris, o Brasil – novamente, esta sentado em cima de um pote de ouro sem usá-lo. Acredito que os motores a combustão existirão por muito tempo. Ou pra sempre, como os veículos de coleção (que não serão tão poucos assim). Mas, certamente esses veículos terão que passar por alguma adaptação para diminuir a dependência do petróleo. Aí penso que os veículos podem ser convertidos para etanol. O Brasil é um dos maiores produtores do mundo, só que com uma logística pífia. Tá na hora de mudar isso aí!

Avatar
Luís Miguel 8 de agosto de 2021

…” não se está reduzindo a emissão de CO2, mas somente se deslocando a origem da poluição: do escapamento do automóvel para outro ponto qualquer da planeta”. É QUASSSSSEEE verdade, exceto que as usinas utilizadas a combustível fóssil são mais eficientes que muitos milhares de automóveis. Não é um deslocamento literal mas eu percebo o ponto.

Avatar
Antonio. 7 de agosto de 2021

O futuro do o automóvel como é usado hoje é o não automóvel. Não haverá energia nem espaço para tanto carro caso o seu número continue aumentando proporcionalmente.

Avatar
Sergio 7 de agosto de 2021

Excelente essa matéria.
O mundo busca migrar para o elétrico em regiões com matriz energética fóssil.
No Brasil com a opção do álcool, esse deve ser a opção para ajudar é o meio ambiente, agricultura e país. Carro elétrico no Brazil só para os desinformados.

Avatar
IVAN VASCONCELLOS 7 de agosto de 2021

Parabéns Boris pelo artigo. Há muito venho afirmando que é preciso por os pés no chão, e no freio, sobre essa “onda” de eletrificação automotiva.
É preciso um pouco de cautela e lucidez para considerar toda a cadeia de produção e distribuição antes de ficar fazendo contas simplistas apenas de consumo final.

Avatar
N 7 de agosto de 2021

Paulo Araki, você tem toda a razão!
Todas as fontes de energia devem ser balanceadas para suas aplicações de modo a não ficarem totalmente dependentes e consequentemente fragilizar todo o complexo energético de um país ou mundial. O problema energético é global!
A fonte energética nuclear não pode nem deve ser descartada. A tecnologia de segurança nuclear e da salvaguarda nuclear internacional das usinas geradoras de energia avançou estrondosamente na últimas décadas e a sua aplicação na medicina e na indústria também, fazendo com que realmente tenha se tornado em uma excelente opção para quem precisa de muita reserva de energia como o Brasil que queremos para nossos filhos e netos.
Para reflexão: O Brasil possui uma reserva de Urânio considerável e principalmente a tecnologia!!

Avatar
Mister Gasosa 7 de agosto de 2021

Eu não tenho mais paciência para dirigir no trânsito congestionado daqui de São Paulo-SP. Eu só uso meu carro para viajar nos finais de semana e escolho o horário para viajar quando o trânsito é tranquilo.
Vou trabalhar de ônibus de transporte coletivo urbano e acho que deveria ter mais ônibus nas linhas, pois demora muito para passar outro ônibus e no horário de pico a gente se sente dentro de uma lata de sardinha.
Assim muito antes de abolir os carros com motor de combustão interna, o governo deveria investir pesado em transporte público de qualidade e confortável, pois me parece que praticamente só rico e classe média alta poderá ter carro elétrico devido ao seu alto custo de aquisição. Coitado de quem mora na zona rural e não terá condições de comprar um carro elétrico usado de 15 ou mais anos de uso.

Avatar
Paulo Araki 7 de agosto de 2021

O problema é o balanço energético.
Eólico e solar tem mesmo problema… regra é ter mesma potência de térmicas dos eólicos ou solares para qdo não tiver luz solar ou falta ou excesso de vento. Então, mesmo com fontes limpas, o problema permanece. A não ser que tenham o Eólico ou solar que bombeiem água para encher reservatório de usina hidroelétrica.

Avatar
Diego 9 de agosto de 2021

Perfeito, Paulo. O problema é que estamos cada vez mais propensos a passar por uma crise hídrica. Acredito que teremos que diversificar as fontes o máximo possível, mas isso será bem caro.

Avatar
Paulo Araki 9 de agosto de 2021

O problema atual no Brasil foi que deixaram o nível dos reservatórios muito baixo. Como a energia gerada é diretamente proporcional ao nível, pra manter a mesma potência gasta mais água. Como empresas particulares tem que apresentar resultados anualmente pra receber bônus, estão pouco se lixando com isso. Já deveriam ter utilizados térmicas há mais tempo pra manter pelo menos os reservatórios no nível razoável.
Brasil, desde 2010 tem investido maciçamente em energia eólica. Se vc circulou pelo Brasil, deve ter visto caminhões carregando hélices de eólicas. Petrobrás também estavam financiando térmicas. Com essa mudança de objetivos da Petrobrás, que otimiza o lucro, deve ter cancelado tudo.
Na época da Dilma, Brasil cadastrou todas as pequenas usinas térmicas a diesel pra uma possível falta de energia. Foi pouco antes de golpe.

Avatar
Deixe um comentário