Embreagem: quanto mais habilidade, pior…

Parar o carro na subida fazendo o controle de embreagem é uma prova de boa condução ao volante; Mas essa prática não é boa para o seu bolso

Controle de embreagem em excesso pode ser prejudicial ao veículo
Controle de embreagem em excesso pode ser prejudicial ao veículo (Foto: Shutterstock)
Por Boris Feldman
25 de março de 2022 07:32

No caso da embreagem do automóvel, quanto maior a habilidade do motorista, pior. Como assim?

É que muitos motoristas se gabam de ter um perfeito controle-motor e conseguem parar o carro na subida sincronizando o pedal de embreagem com o do acelerador. Ou seja, imobilizam  o automóvel na subida sem usar o freio.


Vão então aqui os cumprimentos, sabem de quem? Das oficinas que reparam e trocam os conjuntos de embreagem, pois cada demonstração dessa de coordenação motora significa um desgaste adicional e completamente desnecessário do disco de embreagem.

VEJA TAMBÉM:

E ainda tem alguns que até levam o carro na concessionária reclamar de um desgaste muito rápido e “inexplicável”, da embreagem…

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
8 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Paulo.henrique guedes 28 de março de 2022

Essa prática começava na auto.escola antigamente tinha uma rampa pra vc fazer meia embreagem. Era grandes instrutores pra não dizer ao contrário eles já ensinava errado no meu tempo era assim.

Avatar
Dalmo 27 de março de 2022

Acho que o termo”quanto mais abilidade pior”ficou fora de contexto.Espera-se que um bom motorista seja abilidoso, porém um bom motorista sabe que segurar o carro na embreagem é atestado de desconhecimento,e certeza de desgaste prematuro ou seja, é tudo que não ser deve fazer.O abilidoso,segura o carro no freio de pé, desengrenado,e para arrancar solta o freio e arranca sem deixar o veículo voltar.

Avatar
Guilherme 25 de março de 2022

Reportagem sem embasamento teórico algum. Não traz fontes confiáveis para alicerçar o posicionamento, não informa o porquê do desgasto adicional da embreagem, nem como fazer para minimizar isso. Parece até uma opinião que se ouve em qualquer bar de esquina. Simplesmente péssimo.

Avatar
Andre Rocha 25 de março de 2022

Pelo visto o amigo não sabe como funciona o sistema de embreagem de um veículo. deixa eu te explicar: existe um disco (o de embreagem) que é um disco de ATRITO (lembra das aula de física no colégio, se é que as frequentou?). Então quando o pedal da embreagem está pressionado, este disco está descolado do volante do motor. Conforme você solta a embreagem, esse disco começa a fazer ATRITO com o volante, forçando o conjunto a deslocar a força para a caixa de marcha (ou engrenagem como queira), que por consequência jogam a força para as rodas.
Bom, você viu que evidenciei a palavra ATRITO. Se você freia com força e canta pneu, aquele “cantar” é o ATRITO. E se você ficar cantando pneu, o pneu se desgasta. Da mesma forma que se você pega uma lixa para lixar madeira, o ATRITO fará a madeira se desgastar. Da mesma forma acontece com o disco de embreagem quando tem ATRITO com o volante do motor: ele se desgasta!
Mas se ainda assim você solicita um estudo completo comprobatório….

Avatar
Guilherme 27 de março de 2022

Nem todo mundo tem esse seu superconhecimento em mecânica, meu caro. Aliás, nem quero ter, tô no autopapo da uol justamente para ler postagens interessantes e que explicam ao leitor as situações cotidianas, assim como qualquer texto e informativo faz. Neste caso específico, critiquei o texto por não informar melhor o leitor leigo. Mas ainda bem que apareceu um desocupado, que nunca perdeu as aulas de física, para explicar isso. Com certeza irei levar essa lição para a vida, rs. Abraços

Avatar
André L. 25 de março de 2022

Nesses casos, creio que o melhor é usar o freio de estacionamento em conjunto com essa “habilidade”, pelo menos pra não ir pra trás na hora de arrancar. Mas e nos carros com acionamento elétrico deste item, como fazer?

Avatar
Andre Rocha 25 de março de 2022

É o que eu faço. Parei na subida? Freio de estacionamento! Dependendo do tempo de espera, carro desengrenado. Começou a andar? 1ª e QUANDO FOR A MINHA VEZ, começo a saída do carro ainda com o freio acionado e coordeno a soltura da embreagem com a soltura do freio de estacionamento

Avatar
Marcelo 26 de março de 2022

Eu uso o freio mesmo, antes de tirar o pé do freio controlo a embreagem quando começa o acoplamento aí solto o freio e controlo o acelerador e a embreagem para arrancar e boa 👍 depois que pega prática o carro não volta e tem o mínimo de desgaste na embreagem 👍

Avatar
Deixe um comentário