Pneu Run Flat: importadoras de “saia justa”

Afinal, o Run Flat (que permite rodar com o pneu furado e vazio) é uma opção que pode ser usada tranquilamente nas estradas brasileiras?

pneu run flat aberto demonstracao roda bmw
Pneu Run Flat abeto em demonstração de suas camadas em uma roda da marca BMW (Foto: reprodução | Internet)
Por Boris Feldman
02 de outubro de 2020 07:30

Atenção ao comprar um EcoSport Titanium ou um importado premium equipados com pneu Run Flat, que rodam mesmo murchos.

Podem ser um sucesso no primeiro mundo, mas não no Brasil com estradas cheias de crateras.

Eles resistem a um furo, mas não a um corte na banda de rodagem. Pois não tem capacidade de rodar com essa avaria. E o problema é que as marcas premium na Europa só estão equipando seus carros com esses pneus…

Alguns deles deixam a importadora no Brasil de saia justa: pois (para evitar reclamações) elas decidiram colocar um estepe no porta-malas.

Porém, alguns esportivos com o bagageiro reduzido, ou tem espaço para o estepe, ou para as malas. A “solução” é equipar o carro com um kit de reparo que nada resolve, pois nem ele funciona no caso de um grande rasgo no pneu.

Pneu Run Flat abeto em demonstração de suas camadas em uma roda da marca BMW
Pneu Run Flat: tecnologia de primeiro mundo que seria engolida pelas crateras do asfalto brasileiro (Foto: Reprodução | Internet)
Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
7 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Muzzi 4 de outubro de 2020

Tenho um. Mercedes com run flat. A cada viagem perco um pneu nas estradas cheias de buracos. Ando com um pneu comum no porta malas para trocar. Quando tiver que trocar pneus trocarei por pneus normal

Avatar
VITOR Finotti 2 de outubro de 2020

Os pneus run flat são ótimos em condições ideais como em alguns países europeus ou América do Norte. O que ninguem leva em consideração é a disponibilidade destes pneus, que náo os encontramos em qualquer lugar. Se viajarmos para cidades um pouco mais distantes pode-se levar uma semana, 10 dias para tê-los a disposição caso ocorra alguma intercorrencia. Vejo como uma situação pior do que o do pneu, alguns carros saírem com pneus run flat de fábrica para compensar a falta de estepe. Entendo que no Brasil não é inteligente disponibilizar para o mercado um veículo que não possa carregar um estepe.

Avatar
Antonio Donizeti Martins 2 de outubro de 2020

As estradas do Brasil são boas para os carros do exército que são construídos para aguentar o tranco.
acho que vou comprar um de esteira.

Avatar
Fakeada 2 de outubro de 2020

E o carros com frente baixa como os da Honda que só servem pra rodar em autoestrada boa? Ou você sofre com as pancadas ou é obrigado a trocar a suspensão

Avatar
Anderson 2 de outubro de 2020

A solução é muito simples: modernizar o processo de construção e manutenção das ruas e rodovias, que estão muito desfasados. A outra parte é uma fiscalização desse processo, no qual todo cidadão é um fiscal. O processo de “tropicalização é oneroso para o consumidor, pois são ajustes de motor, câmbio e suspensão bem diferentes dos países desenvolvidos para os países emergentes.

Avatar
Fabio Rosa 2 de outubro de 2020

A solução é, na verdade, simples. Porém a EXECUÇÃO da solução é complicada. O correto seria que os veículos importados fossem dotados de pneus mais convenientes para rodar no Brasil. Preferencialmente vindos diretamente nessa configuração de fábrica. Isto implica em custos com os quais as montadoras muito provavelmente não querem arcar. Resultado? Pneu run-flat, e o comprador que se vire…

Avatar
Nanael 2 de outubro de 2020

Ainda considero muito cedo para aposentar o estepe, até que lancem um pneu que realmente resista a furos E rasgos.

Avatar
Deixe um comentário