Bancos de couro de carros tem ligação com incêndios na Amazônia

Segundo apuração do The New York Times, um grande fornecedor couro para a indústria automotivo importa o material de fazendas em áreas ilegais

cadillac escalade platinum bancos em couro
Fornecedor de couro de grandes fabricantes importam a matéria prima do Brasil (Foto: Cadillac | Divulgação)
Por Eduardo Rodrigues
19 de novembro de 2021 16:44

Ter bancos de couro em um carro sempre foi sinônimo de luxo. Atualmente muitos dos “couros” que vemos no mercado são materiais sintéticos, com o material de origem animal sendo limitado a carros de luxo.

Marcas de alto luxo se orgulham da origem do couro usado em seus carros. A Rolls-Royce faz questão de usar o material de vacas criadas longe de cercas de arame farpado para não ter defeitos. Segundo o The New York Times, General Motors, Ford, Daimler, Volkswagen e Stellantis usam couro de uma origem muito menos nobre e ligado aos incêndios na floresta amazônica.

VEJA TAMBÉM:

Couro brasileiro para o mundo

O fornecedor desses fabricantes é a Lear, que importa o couro do Brasil. Um dos fornecedores do produto bruto dessa empresa é a brasileira JBS — sim aquela dos escândalos políticos. Os pastos onde o gado é criado ficam em áreas da Amazônia que foram desmatados ilegalmente.

A JBS foi procurada pelo jornal e constatou que os pastos realmente estavam em áreas consideradas ilegais, mas garante que cumpre todas as exigências do governo. Outras empresas que fornecem couro vindos de áreas ilegais são a Minerva e a Marfrig.

A resposta dos fabricantes

O jornal procurou a Lear, a Ford, General Motors e Volkswagen. O fornecedor diz que possui um robusto processo de fornecimento e que trabalha com as fontes mais capazes e avançadas. A empresa também diz que se um fornecedor violar suas politicas, o contrato poderá ser cancelado e ações legais serão tomadas.

A GM disse que espera que os fornecedores cumpra as leis e normas oficiais. A Ford diz que só usa fornecedores que produzem matérias primas de forma sustentável. A Volkswagen apenas disse que seus fornecedores atingiram um alto nível de sustentabilidade.

Pensando em instalar couro no seu carro? Confira a origem dele e siga essa dica do Boris caso ele tenha airbags laterais:

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
5 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Felipe 21 de novembro de 2021

Mentira ,isso não deve representar 0,5% da produção de couro no país ,produção extensiva de gado na Amazônia não vira ,é mto menos lucrativa e não representa nem 2,5% do rebanho brasileiro ,99% do produtores rurais brasileiros respeitam e colaboram para que mais de 66% da vegetação nativa do país esteja intacta ,mto diferente dos nossos concorrentes ,fato .

Avatar
Manuel Vasconcelos 20 de novembro de 2021

Só no Brasil só há erros . Na China , eles tem os melhores rios para se navegar , limpos , com peixes , tem Internet livre , liberdade de expressão , de acesso livre . Só que uma MENTIRA .

Avatar
Jorge Nicolau 19 de novembro de 2021

É, o time de blogueiros da UÓ não cansa de fazer campanha contra o agronegócio brasileiro.

Avatar
Manuel Vasconcelos 20 de novembro de 2021

Concordo .

Avatar
Eduardo Teixeira Kull 19 de novembro de 2021

ENTÃO SÓ ME RESPONDAM UMA COISA; Sendo os Estados Unidos também um grande produtor de carne, bem como a Austrália, O QUE ELES FAZEM COM O COURO DOS ANIMAIS ABATIDOS POR LÁ? Até concordo que, sim, uma parte da produção brasileira do agronegócio pode ser mal executada, mas colocar nas nossas costas tudo, é campanha pilantra e mal intencionada.

Avatar
Deixe um comentário