Cientistas chineses conseguiram criar combustível sintético a partir do ar

Os cientistas chineses publicaram um estudo no Nature Communications, periódico científico, explicando como criaram o combustível sintético

Por AutoPapo 15/01/21 às 08h00
aditivo gasolina tanque shutterstock 2
O combustível sintético precisa de bastante tecnologia para ser produzido (Foto: Shutterstock)

Cientistas chineses (sempre eles) descobriram uma possibilidade de criar e-combustíveis (combustível sintético) a partir de mudanças na temperatura ambiente. Um artigo publicado no periódico científico Nature Communications mostrou que, através de nanoplacas geradoras de energia após mudanças climáticas, é possível remover o CO2 da atmosfera.

Além dessa possibilidade, os cientistas chineses acreditam que seja possível gerar combustíveis, como a gasolina sintética, através das nanoplacas inteligentes.

VEJA TAMBÉM:

Como o combustível sintético é feito?

O texto explica que a eletricidade é gerada pelas nanoplacas após o processo de mudança da temperatura ambiente ao longo de um dia. A energia é usada para misturar o dióxido de carbono com o ar da água, assim, produzindo o metanol.

A transformação do metanol em gasolina através de sua extração a nível molecular e é ecologicamente correto, já que remove o dióxido de carbono (CO2) da atmosfera. Desse modo, a queima gera menor poluição do ar, menos emissões de gases danosos e maior desempenho.

Dificuldades para a produção

Um dos problemas da ideia de produzir metanol a partir da hidrogenação do dióxido de carbono são as altas temperaturas exigidas pelo processo: cerca de 400-500 Fahrenheit (aproximadamente 205-250 ºC). Como consume muita energia, esse processo torna-se caro.

A tecnologia usada nas nanoplacas 2D são tungstato de bismuto perovskita (óxido de cálcio e titânio, CaTiO3) , que é um mineral bastante raro de se encontrar na Terra.

Rendimento do combustível sintético

De acordo com o estudo dos cientistas chineses publicado no periódico Nature Communications, “o rendimento de metanol pode chegar a 55,0 μmol⋅g − 1 depois de experimentar 20 ciclos de variação de temperatura. Esta rota de redução de CO2 catalítica piroelétrica eficiente, econômica e ecologicamente correta fornece uma avenida para utilizar a variação de temperatura diurna natural para futura economia de metanol.”

1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Christian 16 de janeiro de 2021

Os alemães já faziam isso na segunda guerra.

Avatar
Deixe um comentário