Como o porta-malas é medido em litros? Usam água?

Há uma norma para a medição do volume do compartimento de cargas; veja como aproveitá-lo da melhor forma ao carregar o carro

como medir porta malas do carro
Blocos de isopor são usados para saber o volume real (Foto: Chevrolet | Divulgação)
Por AutoPapo
14 de julho de 2021 15:40

Brasileiro coloca o tamanho do porta-malas com um dos itens essenciais quando vai comprar um carro… Mesmo que rode a maior parte do ano sem utilizá-lo. Mas como é calculado o volume que ele é capaz de transportar, sempre divulgado em litros? É usado água?

A medição utiliza-se de um método amplamente difundido no mercado, que é o sistema VDA. Blocos com um litro de capacidade cúbica são devidamente acomodados no compartimento de carga.

VEJA TAMBÉM:

É permitido otimizar a distribuição dos blocos, conforme o padrão ISO 3832. A medição é feita virtualmente e há depois uma validação física, e a disposição dos blocos não pode interferir no processo de abertura e fechamento da tampa ou na posição da cobertura móvel do bagageiro, por exemplo.

O uso de líquidos é inadequado, pois ele irá preencher espaços – aqueles cantinhos do porta-malas – que nenhum volume poderá ocupar

Veja no vídeo:

Como arrumar o porta-malas

Na hora de organizar o bagageiro, o ideal é posicionar as cargas mais pesadas na base, distribuindo-as sobre o eixo das rodas, garantindo a melhor dinâmica veicular e evitando que a frente do carro e os faróis empinem.

Se as cargas tiverem densidade semelhante, prefira acomodar aquelas de maior volume primeiro, encaixando objetos menores depois. O peso total, somando passageiros e bagagem, não pode superar o máximo recomendado para o automóvel.

É importante observar alguns outros detalhes ao acomodar a bagagem no porta-malas. Se for um sedã, as dobradiças do tipo “pescoço de ganso” podem danificar os volumes ao baixar a tampa do compartimento.

As do tipo pantográfica não causam esse problema, mas têm o inconveniente de diminuir o espaço de acesso ao porta-malas.

dobradiça de porta-malas pescoço de ganso
Dobradiça pescoço de ganso protegida diminui riscos aos volumes

Banco rebatido dá multa?

A Polícia Rodoviária Federal entende não haver a infração capitulada no artigo 248 do CTB quando é realizado o transporte de bagagens portadas pelos ocupantes, tais como: bolsas, mochilas, pequenos objetos ou embrulhos.

Pertences maiores, por sua vez, são considerados cargas e representem riscos à vida e a incolumidade dos ocupantes dos veículos, principalmente nos casos de eventual envolvimento em acidente de trânsito, portanto se enquadram como infração e são passíveis de multa.

6 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Elias Felipe de Carvalho 14 de julho de 2021

Dá para calcular o volume sem utilizar nenhum objeto mecânico construído só para isso. Basta medir altura largura e profundidade, multiplicar os três números e aí terá o volume usando apenas uma trena.

Avatar
Nanael Soubaim 15 de julho de 2021

Isso só funcionaria se o porta-malas fosse perfeitamente cúbico, as caixas de rodas por si só já tomam muito volume.

Avatar
Maurício Brisolara 15 de julho de 2021

Elias. Se fosse uma caixa com mesmas medidas superiores e inferiores seria possível desta forma, porém em veículos, de modo geral, não tem como devido as as caixas de roda, a parte superior do banco traseiro que é mais próxima da tampa do porta malas…

Avatar
FERNANDO ANTONIO DE SOUZA CASTRO 16 de julho de 2021

Se você fosse engenheiro e tivesse estudado cálculo Dif. e Integral não daria essa resposta….

Avatar
Ricardo 18 de julho de 2021

Nossaaa, temos um Xerlok Holmes aqui, kkkk. Como eles não pensaram nisso antes?

Avatar
Elias Felipe de Carvalho 18 de julho de 2021

Sr Ricardo, habitamos um planeta que está, cada vez mais, caminhando para a impossibilidade de abrigar vidas complexas, como a humana. Isso ocorre por causa da ação humana em querer construir e consumir coisas que degradam o meio ambiente. O pior dos objetos de consumo é o automóvel, que está cada vez mais em um processo de redefinição da sua forma de construção, inclusive o tipo de motorização. Escrevi o texto acima como uma crítica ao método padronizado como se mede o volume de um porta mala usando tijolos de isopor, que é um tipo de polímero (plástico para ser mais claro). Ou seja, até na forma de garantir o padrão de medida do porta mala de um carro é um processo ambiental inapropriado, além de ser muito impreciso, talvez mais do que medir com uma trena. Pesquise sobre o conceito de ESG e verá que esse método de medição pode estar com os dias contados. Obrigado pelo comentário.

Avatar
Deixe um comentário