Operações no mercado russo colocam a Renault em xeque

Por um lado, empresa é pressionada a aderir às sanções internacionais e abandonar o país; por outro, subsidiária russa é altamente lucrativa

shutterstock fabrica da lada em togliatti na russia produzindo o seda vesta
Renault controla 68% das ações da russa AvtoVAZ (Foto: Shutterstock)
Por AutoPapo
16 de março de 2022 18:08

A guerra na Ucrânia tem atingido todo o setor automobilístico, mas a situação da Renault parece ser a mais delicada. Até o momento, a empresa ainda não anunciou se vai aderir às sanções internacionais e encerrar as atividades na Rússia ou se vai mantê-las: caso opte pela segunda hipótese, a multinacional desafiará as diretrizes impostas em vários outros países onde opera, inclusive na própria França.

VEJA TAMBÉM:

A grande questão é que a Renault detém 68% das ações da empresa russa AvtoVAZ. Juntas, as duas marcas somam nada menos que 30% de participação no mercado local. Esse domínio faz com que o país eslavo seja responsável por 10% de todo o lucro mundial da multinacional.

Um dos temores da Renault é que, caso opte por se retirar da Rússia, a AvtoVAZ provavelmente será estatizada pelo governo, impossibilitando futuros retornos financeiros dos investimentos já realizados. Além do mais, o simples ato de encerrar totalmente as operações já resultaria em custos milionários: a subsidiária local emprega cerca de 40 mil funcionários.

Por outro lado, o governo francês, que se opõe fortemente ao conflito, tem 15% de participação acionária na Renault. As autoridades do país ainda não citaram nominalmente a empresa; porém, o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, já declarou que o setor provado é livre para tomar decisões sobre o mercado russo, mas somente se “aderirem rigorosamente às sanções”.

Produção da Renault na Rússia está suspensa

Enquanto não toma uma decisão, a Renault mantém a produção nas fábrica de Moscou suspensa até o próximo dia 18, devido à escassez de autopeças. As unidades da AvtoVAZ em Togliatti e em Izhevsk já estavam em compasso de espera, por causa da crise global de semicondutores. Seja lá qual for o rumo que a empresa decida tomar, a situação dela no mercado russo promete ficar mais difícil.

Mercedes havia fechado parceria com a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, mas recuou antes mesmo da guerra: Boris Feldman explica:

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário