Polícia prende quadrilha que adulterava e revendia carros antigos

Suspeitos modificavam a documentação e a numeração de componentes para forjar que os veículos estavam em situação regular

policiais federais da argentina posam durante operacao para desbaratar quadrilha dos carros antigos
Ao todo, 115 veículos estão sob investigação (foto: PFA | Reprodução)
Por AutoPapo
30 de setembro de 2021 17:29

A polícia federal da Argentina realizou uma megaoperação para prender criminosos especializados em revender carros antigos em situação ilegal. Durante a ação, os agentes cumpriram mandatos de busca e apreensão em 16 localidades e prenderam seis pessoas, suspeitas de falsificação de documentos e de adulteração na numeração de peças.

A suspeita é de que o grupo, chamado de “quadrilha dos carros antigos” pela polícia federal da Argentina, adulterava os registros e depois revendia os  bens  como se estivessem legalmente regularizados para colecionadores. Ao todo, 115 veículos de diferentes períodos, entre automóveis, motocicletas, caminhões, ônibus, caminhonetes e até um tanque de guerra, estava em posse dos criminosos.

VEJA TAMBÉM:

Na operação, também foram apreendidos, em espécie, US$ 769 mil (valor equivalente a cerca de R$ 4,2 milhões) e 1,41 milhão de pesos argentinos (aproximadamente R$ 78 mil), além de dois revólveres. Os carros antigos envolvidos no esquema da quadrilha estão sob bloqueio judicial, mas não foram apreendidos pela polícia.

Busca em carros antigos de museu

Entre os locais 16 locais nos quais os policiais cumpriram mandatos judiciais, estava o Museu de Tratores e Caminhões Antigos de Luján, que funciona junto ao Zoológico da cidade argentina. Após a ação, a entidade se manifestou, afirmando que todos os veículos do acervo têm histórico de documentação e estão em situação legal regular e que segue tudo bem no local. As informações são do Argentina Autoblog.

0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário