Quadrilha que roubava airbags no Distrito Federal foi condenada

A quadrilha foi pega após as investigações da Polícia Civil do Distrito Federal, através da Operação Último Suspiro

homem mexe em volante desmontado para extracao do airbag do motorista
Além dos ladrões, foram presos dois receptadores que revendiam as peças. (Foto: Shutterstock)
Por Eduardo Rodrigues
07 de julho de 2021 15:03

Em outubro de 2020 o AutoPapo noticiou sobre uma quadrilha de ladrões de airbags que atuavam no Distrito Federal. Esse tipo de furto é comum nos EUA e os ladrões brasileiros atuavam de forma similar. As bolsas infláveis eram passadas para lojistas que revendiam o equipamento por preços abaixo da média do mercado.

Cinco homens relacionados com essa quadrilha que roubava airbags foram condenados com penas entre 12 e oito anos. Dentre os condenados estavam os responsáveis por arrombar os carros e roubar os airbags, e dois donos de lojas que receptavam os produtos e os revendiam.

VEJA TAMBÉM:

Os roubos de airbags

A Polícia Civil do Distrito Federal identificou cerca de 130 ocorrências de furto de airbags entre janeiro de 2019 e outubro de 2020. Essa informação foi o ponto de partida para a Operação último Suspiro, que resultou na prisão dessa quadrilha.

Os airbags roubados eram revendidos por duas lojas no setor H Norte, em Taguatinga. As investigações duraram mais de um ano e mesmo após dezenas de perícias não conseguiram identificar os criminosos. A polícia obteve sucesso depois de começar a monitorar lojistas do setor de autopeças para identificar possíveis receptadores dos airbags rouabados.

Essa Operação da Polícia Civil do Distrito Federal emitiu cinco mandados de prisão preventiva, uma temporária e 16 de busca e apreensão. Além da quadrilha foi investigado uma empresa de ônibus interestaduais que foi pega transportando três kits de airbags roubados para o estado de São Paulo.

0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário