Toyota lança ‘elétrico de plástico’ com preço de Onix completo

À venda no Japão por R$ 83 mil, subcompacto movido a energia tem 12,3 cavalos de potência e velocidade máxima de 60 km/h

Por AutoPapo 02/01/21 às 12h39
traseira do toyota cpod branco
Com 100% de carga, o C+pod tem 150 km de autonomia (Foto: Toyota | Divulgação)

A Toyota está vendendo, no Japão, o seu mais novo conceito de mobilidade urbana. O C+pod, um “carro elétrico de plástico”, é a versão de produção do protótipo “Ultra-Compact Battery Electric Vehicle” mostrado no Salão de Tóquio de 2019.

LEIA MAIS

O C+pod tem:

  • 690 kg;
  • 1,50 m de altura;
  • 1,29 m de largura; e
  • 2,49 metros de comprimento.

Para ter o mínimo de peso possível, o mini elétrico da Toyota tem todos os painéis externos de plástico.

O motor elétrico do veículo que carrega até duas pessoas move o eixo traseiro e é alimentado por uma bateria de íons de lítio com capacidade de 9 kWh.

Com 100% de carga, o C+pod tem capacidade de rodar 150 km. O “elétrico de plástico” rende 12,3 cv de potência e 5,7 kgfm de torque. A velocidade máxima é de 60 km/h.

Preço do Toyota C+pod

O “elétrico de plástico” está à venda no Japão por 1.650.000 Yen, o que, em conversão direta, representa R$ 83 mil. O valor é semelhante às versões mais completas dos bem vendidos Chevrolet Onix e Hyundai HB20.

Veja mais detalhes do conceito apresentado no Japão:

Fotos: Toyota | Divulgação

5 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Douglas Lourenço caetano 2 de janeiro de 2021

Esse carro é elétrico. Não possui motor a combustão. Logo precisa de muita bateria pra fazer o carro andar.

Avatar
Alex 5 de janeiro de 2021

Não me diga….

Avatar
Mike 2 de janeiro de 2021

Difícil de entender porque as montadoras não fazem carros de 2 lugares a um preço popular. E quando resolvem fazer um carro pequeno, cobram uma fábula!
A iniciativa da Toyota foi bacana, mas o preço (ainda mais para o Brasil) é uma afronta.

Avatar
Rodolfo 2 de janeiro de 2021

É porque o jogo de baterias custa uma fortuna. E pra piorar a situação no fim da vida útil do jogo de baterias fica inviável comprar um jogo novo devido ao alto custo. Bem vindo a era do carro descartável! Isso é ecologicamente correto???
Gerar energia elétrica por termoelétrica ou nuclear polui, no fim das contas será que carro elétrico polui menos?

Avatar
Lelis 2 de janeiro de 2021

Jogo de bateria ?

Avatar
Deixe um comentário