Conheça 10 versões de carros criadas especialmente para os brasileiros

De olho no mercado nacional, fabricantes desenvolveram carrocerias exclusivas para modelos existentes no exterior

Por Alexandre Carneiro 22/08/21 às 08h04
chevrolet monza hatch 6
Monza hatch, com carroceria de duas portas, foi desenvolvido para o Brasil (Foto: Chevrolet | Divulgação )

Você já viu, aqui no AutoPapo, um listão com derivações de carros brasileiros que só existiram no exterior. Porém, o caso contrário também já ocorreu: certos modelos foram desenvolvidos majoritariamente para o mercado nacional. Alguns deles até chegaram a ser vendidos em outros países, mas o foco sempre esteve nos consumidores locais.

VEJA TAMBÉM:

Carros feitos para os brasileiros

Pois bem, a relação de hoje é sobre eles: enumeramos 10 configurações de carros criadas especialmente para os consumidores brasileiros. Vale esclarecer que o critério da reportagem é o tipo de carroceria. Derivações picape ou sedã de um modelo originalmente projetado como hatch, por exemplo, entraram no listão! Versões que se diferenciam do restante da linha pela mecânica ou pelo acabamento, por outro lado, ficaram de fora. Confira!

1. Chevrolet Monza hatch

rodas monza sr
Carroceria hatch de duas portas era ideal para a versão esportiva S/R (foto: Chevrolet | Divulgação)

A configuração hatch não foi exclusividade do mercado brasileiro, mas só aqui ela teve duas portas. O Opel Ascona, similar europeu do Monza, vinha sempre com quatro portas nesse tipo de carroceria. Por sua vez, o estadunidense Chevrolet Cavalier até teve a opção hatch de duas portas, mas com várias distinções em relação ao modelo nacional.

Assista ao vídeo e saiba mais sobre a história do Chevrolet Monza!

Criada especialmente para os compradores brasileiros, a configuração hatch foi a primeira da linha Monza a chegar ao mercado, em 1982, em uma época em que vários fabricantes apostavam em carros desse gênero. Porém, ironicamente, foi a menos aceita da gama e saiu de linha já em 1988. Já a configuração sedã fez grande sucesso e só se despediu em 1996.

2. Chevrolet Corsa Sedan

chevrolet corsa sedan premium
Vários dos integrantes da linha Corsa são de autoria da subsidiária brasileira (foto: Chevrolet | Divulgação)

A divisão brasileira da Chevrolet foi responsável por várias derivações criadas a partir do Corsa hatch. Isso inclui o Sedan e a Wagon dos anos 90, além da Pick-Up da mesma época. Contudo, esses modelos, em especial os dois primeiros, acabaram se internacionalizando e sendo produzidos em outros países. E esse não é o caso do Sedan da geração seguinte.

Tal qual os antecessores, ele também é obra da subsidiária local, mas acabou ganhando menor projeção no exterior. Isso porque a GM já estava regionalizando parte dos projetos, principalmente nos ditos mercados emergentes. Ao menos os consumidores brasileiros puderam adquirir os carros dessa safra da gama Corsa ao longo de uma década, entre 2002 e 2012.

3. Chevrolet Chevy 500

chevrolet chevy 500
Chevy 500 era concorrente da Ford Pampa e da primeira geração da Volkswagen Saveiro (foto: Chevrolet | Divulgação)

Precursora da linha de picapes compactas da Chevrolet, a Chevy 500, tal qual as sucessoras, exibe projeto com origem e destino no Brasil. Derivada do Chevette, a caminhonete chegou ao mercado no início da década de 80, quase ao mesmo tempo que a Volkswagen Saveiro e a Ford Pampa.

Embora o projeto que originou o Chevette tenha chegado a quase todos os mercados em que a GM atua, inclusive à América do Norte, a Chevy 500 ficou restrita a pouquíssimos países. Por aqui, a picape foi o último integrante da gama a sair de linha, em 1995.

4. Volkswagen Santana duas portas

santana 1984 vermelho duas portas lateral creditos divulgacao vw
Santana ganhou carroceria exclusiva devido ao peculiar gosto dos brasileiros da época por carros de duas portas (foto: Volkswagen | Divulgação)

A Volkswagen vendeu o Santana em diversos mercados. Porém, a carroceria de duas portas foi criada nacionalmente, para atender ao gosto local. Isso, porque nas décadas de 70 e 80, os consumidores brasileiros tinham um peculiar apreço por carros com esse tipo de carroceria.

A configuração de duas portas tinha tamanha participação no mercado que foi a primeira a estrear a grande reestilização que marcou a linha 1991. Porém, no início daquela década, a preferência dos compradores sofreu uma verdadeira reviravolta, e os carros de quatro portas tornaram-se os novos queridinhos. Assim, o Santana de duas portas saiu de linha em 1995.

5. Volkswagen Polo Sedan

volkswagen polo sedan 2006 cinza de frente
Polo Sedan antecedeu o Virtus (foto: Volkswagen | Divulgação)

Desde a segunda geração global, o Polo oferece a configuração sedã para determinados mercados. Porém, a carroceria de três volumes da quarta safra mundial (a segunda local) é a que tem tudo a ver com o país: foi criada pelos departamentos brasileiros da Volkswagen, em uma época na qual os segmentos de carros compactos estavam em expansão.

Tanto o Polo Sedan quanto o hatch permaneceram em produção até 2015. Após um breve hiato, a gama retornou ao mercado em 2017, já em nova geração. Entretanto, a configuração três volumes tornou-se um modelo próprio, inclusive com distância entre-eixos ampliada: no caso, o Virtus.

6. Fiat Tempra duas portas

rodas fiat tempra 16v
Tempra nacional teve diversas especificidades, inclusive a carroceria de duas portas (foto: Fiat | Divulgação)

Em comparação ao similar europeu, o Tempra nacional apresenta inúmeras distinções: inclusive na plataforma, “herdada” do Fiat Regatta argentino, que permitiu a instalação de um conjunto traseiro de suspensão independente, do tipo McPherson. Mas a exclusividade que mais chama a atenção é a carroceria de duas portas, inexistente em qualquer outro lugar.

Para o azar da Fiat, o Tempra de duas portas chegou ao mercado em uma espécie de momento de transição, no qual os brasileiros começavam a preferir os carros de quatro portas. Assim, essa configuração foi bastante efêmera: existiu apenas entre 1992 e 1994. Já o sedã médio da marca italiana teve bons resultados comerciais e durou até 1998.

7. Ford Fiesta Sedan

ford fiesta sedan 2007 bege lateral em movimento
Ford produzia o Fiesta Sedan, assim como o hatch, em Camaçari (BA) (foto: Ford | Divulgação)

O caso do sedã linha Fiesta é curioso: ele surgiu quando o hatch estava na quarta geração, visando, em especial, os países asiáticos. Por lá, ele se chamava Ikon. No Brasil, esse modelo até chegou a ser vendido, com o nome de Fiesta mesmo, mas por pouco tempo, via importação.

Quando a gama chegou à safra seguinte, contudo, a situação se inverteu, e o três-volumes foi desenvolvido com foco no mercado nacional. O projeto acabou chegando a poucos outros países, quase todos na América Latina. Enquanto isso, o Ikon prosseguiu na Ásia e na África com um design próprio. No Brasil, essa geração do Fiesta foi produzida entre 2003 e 2014.

8. Peugeot Hoggar

Peugeot Hoggar
Em 2010, a Peugeot apostou na picape Hoggar (Foto: Peugeot | Divulgação)

Em 2010, dois anos após reestilizar a gama 206 e passar a chamá-la de 207, a Peugeot lançou uma picape no país: a Hoggar. O objetivo era entrar no segmento de picapes compactas, então em alta junto aos consumidores brasileiros, utilizando a gama local de carros como base.

A picape foi o último integrante da gama a ser desenvolvido em âmbito global e mirava especificamente o mercado nacional, embora tenha sido vendida em outros países sul-americanos. Mas o tiro saiu pela culatra, e a Hoggar se revelou um fracasso comercial. A produção, iniciada em 2010, chegou ao fim já em 2014. O design, com grandes faróis e lanternas, além da dianteira pontuda, é geralmente apontado como o grande vilão.

9. Dodge D100 cabine dupla

carros brasileiros dodge d100 cabine dupla verde lateral
Picape D100 teve carroceria de cabide dupla exclusiva no Brasil (foto: AGBadolato | YouTube | Reprodução)

A Dodge D100 é um dos carros brasileiros mais obscuros já fabricados: estudiosos estimam que a produção no país somou apenas 2.160 unidades. Desse total, a maioria tinha cabine simples. Mas existiu também uma versão com cabine dupla, criada para o mercado local: ao contrário da similar estadunidense, tinha apenas duas portas e não exibia aumento de entre-eixos.

Quando a subsidiária brasileira da Chrysler encerrou as atividades, em 1981, após ter sido adquirida pela Volkswagen, a picape D100 já havia saído de linha. Todavia, a linha de caminhões serviu de base para os similares da marca alemã.

10. Renault Duster Oroch

renault duster oroch dynamique 20 verde em movimento
Oroch deverá ganhar novo visual em breve (foto: Renault | Divulgação)

Outra fabricante francesa de carros que apostou em uma picape para tentar agradar os brasileiros foi a Renault. O modelo em questão é a Oroch, baseada no Duster. Primeira caminhonete com porte entre as compactas e as médias, ela chegou ao mercado em 2015, meses antes da Fiat Toto, mas logo acabou ofuscada pela rival e segue como mera coadjuvante nesse segmento.

Curiosamente, a Oroch registra bons números de vendas em países como Argentina e Colômbia, para os quais é exportada a partir do Brasil. De qualquer modo, a picape segue à venda no mercado nacional e deve passar por uma atualização no ano que vem.

11 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
carlos Carvalho 28 de agosto de 2021

Eu acho que o gol g2 não poderia faltar !!!
Gigante guerreiro !!!

Avatar
Juscelino 27 de agosto de 2021

É GM Monza uns dos carros melhor que eu já tive conforto potência e segurança
Estou restaurando um ano 1990 duas portas

Avatar
PAULO PIRES DE OLIVEIRA 25 de agosto de 2021

Monza foi primeiro carro mundial ele teve um custo de 8 bilhões de dólares valores da época, Monza pode se dizer que 100% DO projeto É novo plataforma nova e motor , novo ,carroceria nova,, suspensão NOVA parte do conjunto de freio projeto de 80 é o mesmo que usa nos carros da GM 2021 MONZA FOI O PIONEIRO NA GLOBALIZAÇAO AUTOMOTIVA

Avatar
Alvaro Augusto Rocha dos Santos 24 de agosto de 2021

A Renault Duster deveria ter novamente no Brasil uma versão com tração integral 4 X 4, incluindo a picape Oroch, que tem uma versão assim exportada para a Argentina.

Avatar
MILTON QUADROS 26 de agosto de 2021

É um excelente carro, robusto e barato de manutenir. Tomara que o novo motor 1.3 turbo tenha a mesma robustez e durabilidade dom motor 1.6 japonês (Nissan).

Avatar
Wal Santos 24 de agosto de 2021

A matéria relata carros que praticamente foram desenvolvidos e vendidos quase que apenas no Brasil, alguns em poucos países da América Latina, é o caso do Corsa Sedan. Mas alguns destes que vc citou chegaram a mais lugares, como Europa, Oceania e África.

Avatar
Emilson Silva 23 de agosto de 2021

No vídeo sobre os Monza faltou citar a belíssima e completa série hi tech

Avatar
lafayette pereira de magalhaes 22 de agosto de 2021

Estive na Inglaterra em 1980 e havia pick ups Vauxhaul (com carroceria fechada – tipo Fiorino) com base no modelo sedan (variante local do Chevette), assim a Chevy 500 não é exclusividade de brasileiros.

Avatar
Wa Santos 24 de agosto de 2021

Sim existia uma furgoneta com nome Vauxhaul Chevanne, derivada do Chevette, mas não era uma picape, e nem era igual a Chevy. Várias marcas tinham esse tipo de utilitário na Europa, como a Fiat Fiorino, Ford Courier (que no BR também virou picape), Renault Express e etc. Até o Kadett de lá teve um derivado na forma de furgão.

Avatar
Maurílio 24 de agosto de 2021

A Vauxhall Chevanne era derivada da station wagon, a “nossa” Marajó, e não da picape.

Avatar
Maurício Brisolara Sias 22 de agosto de 2021

Ainda podemos incluir na lista a Montana, Vectra 06, o Verona 2p, Courier, Royale 3 portas, Virtus, Oggi, Elba, Premio e Strada. Não sei se algum desses foi produzido no exterior.

Avatar
Deixe um comentário