Esses 5 carros fracassaram devido à demora das montadoras

Falta de agilidade dos fabricantes fez com que as vendas desses modelos não decolassem: a maioria teve vida curta no mercado

chevrolet vectra gsi lateral em movimento 1
Vectra de primeira geração chegou com atraso de 5 anos (Foto: Chevrolet | Divulgação)
Por Alexandre Carneiro
15 de maio de 2022 08:01

É comum que os lançamentos de carros no Brasil ocorram pouco depois que nos chamados mercados desenvolvidos, como Estados Unidos e Europa: em geral, essa defasagem é de pelo menos um ou dois anos. Entre outros fatores, isso ocorre porque os veículos precisam passar por um processo de “tropicalização”, que visa adaptar o projeto às condições de rodagem locais. Essas modificações quase sempre envolvem os sistemas de suspensão e de arrefecimento, por exemplo. Porém, às vezes os novos produtos acabam chegando tarde demais.

VEJA TAMBÉM:

O projeto de um veículo pode atrasar por diferentes motivos, como problemas inesperados de engenharia, falta de capacidade industrial ou simplesmente demora na tomada de uma decisão comercial. O caso é que essa morosidade pode ser fatal para determinados produtos, que acabam chegando já defasados, ou então após a renovação dos concorrentes.

5 carros cujos lançamentos demoraram demais

O AutoPapo enumerou 5 carros cujos lançamentos ocorreram tarde demais no Brasil. Nenhum deles fez grande sucesso: talvez a história tivesse sido diferente se eles tivessem chegado ao mercado mais cedo. Seja lá como for, confira o listão!

1. Renault Oroch

renault oroch 2023 frente 45
Oroch permaneceu muito pouco tempo sem concorrência direta

Até que a Renault não demorou muito para trazer o Duster ao Brasil:  o lançamento global data de novembro de 2009, enquanto a estreia no mercado local ocorreu em outubro de 2011. Só que o fabricante tardou para desenvolver a configuração picape, que só veio quase 4 anos depois do SUV, em setembro de 2015. É verdade que, ainda assim, a Oroch foi a pioneira do segmento das ditas “caminhonetes intermediárias”, entre as compactas e as grandes.

O problema é que a Renault não tinha tradição com esse tipo de veículo e, para piorar, a Fiat lançou a Toro, concorrente direta, apenas 5 meses depois, em fevereiro de 2016. O resultado é que o modelo da marca italiana logo dominou a categoria, enquanto a picape da fabricante francesa nunca despontou em vendas. Se tivesse chegado pelo menos 1 ano antes, a caminhonete da Renault poderia ter se consolidado no mercado antes da estreia da rival.

Já dirigimos a Renault Oroch 2023: assista ao vídeo!

2. Kia Rio

kia rio
História do Kia Rio no Brasil é digna de roteiro de novela

O Rio tem presença obrigatória em listas de carros cujos lançamentos atrasaram demais. A Kia passou anos prometendo trazer o hatch: chegou o confirmar a importação em 2016, no Salão do Automóvel de São Paulo. Não por coincidência, foi justamente naquele ano que o modelo começou a ser produzido no México, de onde poderia entrar no Brasil com isenção fiscal. Só que o tempo foi passando e… nada!

O desembarque do Rio acabou acontecendo somente em 2020, em um momento mais que desfavorável. É que, naquele ano, o mercado brasileiro já sofria com a desvalorização do Real e com a retração do segmento de hatches compactos. Não deu outra: as vendas ficaram abaixo das expectativas, e a Kia deixou de importar o modelo já em 2021. No total, apenas 540 unidades foram emplacadas no país.

3. Chevrolet Vectra (primeira geração)

chevrolet vectra a cd azul de frente
Primeiro Vectra teve vendas tímidas

Antes que os fãs do Vectra venham atirar pedras na reportagem, cabe deixar bem claro: a menção aqui é somente para a primeira geração, conhecida globalmente como “A”. As duas safras seguintes venderam muito bem e permaneceram à venda por bastante tempo. Porém, esse não foi o caso modelo primogênito, que durou menos de 3 anos no mercado brasileiro. E isso se deve à demora da Chevrolet em nacionalizá-lo.

A estreia ocorreu em setembro de 1993, nada menos que 5 anos depois do lançamento na Europa, que data de outubro de 1988. Para completar, o sedan ainda sofreu com a concorrência interna do antecessor  Monza, que tinha preços mais baixos e ainda vendia muito bem, e também com a avalanche de modelos importados que atingiu o país naquele ano. Na prática, o Vectra A foi sucesso de crítica, mas não de público. Pelo menos a Chevrolet não repetiu o erro com a segunda geração, que chegou apenas 7 meses após a apresentação global.

4. Fiat Brava

fiat brava 2
Brava acabou ofuscado por concorrentes mais jovens

A história da Fiat no Brasil inclui lançamentos de carros que criaram categorias e estrearam novas tecnologias. Contudo, a empresa tardou demais a trazer o Brava ao país: o modelo só chegou em setembro de 1999, com uma defasagem de quase 4 anos em relação ao similar europeu, que já havia vindo ao mundo em dezembro de 1995. Para piorar, àquela altura, o fabricante estava fora do segmento de hatches médios há mais de dois anos, desde a extinção do Tipo.

No fim das contas, o Brava nacional enfrentou uma situação mercadológica radicalmente oposta à ocorrida no velho continente: por lá, ele chegou antes da concorrência e somou bons números de vendas; entretanto, por aqui, acabou desembarcando depois que a Volkswagen e a Chevrolet já haviam renovado o Golf e o Astra, respectivamente. Coincidência ou não, os dois rivais dominaram o segmento por mais de uma década, enquanto o hatch médio da Fiat saiu de cena já em 2003.

5. Ford Verona

ford verona glx duas portas de frente
Ford demorou 6 anos para lançar o sedan baseado no Escort

O caso do Verona é, de certo modo, parecido com o da Oroch: ambos derivam de carros que já existiam no mercado, mas os respectivos lançamentos só ocorreram muitos anos depois. O modelo da Ford, em particular, chegou ao mercado em novembro 1989, enquanto o Escort, que serviu de base para o projeto, já circulava pelas ruas do país desde julho 1983. Assim, houve uma longa lacuna de 6 anos entre os dois produtos da linha.

Uma das principais causas para tamanha demora foi, possivelmente, a criação da AutoLatina em 1987. Mas, conforme revelou a AutoEsporte, o desenvolvimento ainda sofreu atrasos devido a problemas estruturais na carroceria, que era exclusiva para o Brasil. O golpe de misericórdia foi a abertura do mercado às importações, que forçou a Ford a lançar a nova gama Escort em 1993. Por sua vez, o Ford Verona de primeira geração saiu de cena precocemente em 1992 junto com o Apollo, um clone da Volkswagen.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
5 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Rodrigo MARTINIANO 19 de maio de 2022

Por gentileza,
Permitam-me uma leve ponderação, o ‘Fordwagen’ APOLLO era (é) um “clone” da Ford, especificamente um “clone” do Ford VERONA, e um produto da atrapalhada AUTOLATINA.
O APOLLO nunca foi um “clone” da Volkswagen, simplesmente se utilizou da logomarca VW, igual aos infelizes LOGUS e POINTER, desigual dos derivados do SANTANA e da QUANTUM, a saber, VERSAILLES e ROYALE.
Notar que a versão Ghia do VERSAILLES era (é) superior à versão GLS do SANTANA.
Na VW o APOLLO simplesmente nada poderia “clonar”.
. . . . .

Avatar
Wilson 17 de maio de 2022

Sem falar da primeira geração do Astra aqui, deveriam ter trazido a versão esportiva para substituir o Kadett GSi, pisaram na bola !!!!!

Avatar
Ricardo Pinto 16 de maio de 2022

Vectra A nunca foi o foco da GM para ser nacionalizado, ele foi o tampão entre o Fim do Monza e a entrada do Vectra B… Precisavam ganhar tempo para montar a linha de montagem do B aqui então, neste meio tempo montaram o A por 2 anos e meio… Ate o B poder ser fabricado e montado aqui… Assunto controverso com diversas versões na web… MAs que foi pisada de bola da GM em demorar para trazer o A aqui foi afinal de contas ele ja estava na Europa desde 88

Avatar
Fabio 15 de maio de 2022

Hoje, quando há demora para trazer algum modelo, fica claro que o problema é ter que trazer todo o ferramental pra produção, já depreciado, pelo preço de novo. Se quisessem, poderiam importar enquanto não produzem aqui, mas mesmo assim, podem ser grandes os problemas de logística, etc.

Avatar
João Almeida 15 de maio de 2022

Todos nos sabemos que esse papo de tropicalização de veículos é papo furado. O que falta para o Brasil é prestígio mesmo, na Europa e América do Norte p, ainda somos considerados índios Latrino -Americanos. Portanto para os fabricantes de veículos mundiais, dois ou três anos de defasagem está de bom tamanho ?

Avatar
Deixe um comentário