Ledo engano: aditivos fazem mal, sim!

Tantas são as ofertas, que o motorista se sente tentado a experimentar um aditivo. E pensa que, se não ajuda, mal não faz...

borra motor oleo2
Motor com borra (Foto: Shutterstock)
Por Boris Feldman
09 de maio de 2020 09:00

Não faltam empresas que se aproveitam da falta de conhecimento técnico do dono do carro para vender produtos e serviços desnecessários. Pior que isso, prejudiciais. Entre eles, aditivos, líquidos e dispositivos “especiais”.

Marqueteiros associados a “técnicos” passam a vida desenvolvendo produtos que “comprovadamente” economizam, ou tornam seu carro mais potente, durável, bonito , econômico e resistente. Imaginam os mais variados  malabarismos pseudo-tecnológicos para enfiar a mão sem nenhum pudor no bolso do motorista.

E tome aditivo para aumentar a octanagem e a potência do motor, reduzir o atrito e o consumo e prolongar sua vida útil. Mas a “empurroterapia” não se restringe ao motor nem se limita a aditivos, mas também a vários outros produtos, alguns quase milagrosos: tem o que limpa mais limpo o para-brisa, outro que aumenta o brilho da pintura, mais um que estabiliza a pressão do pneu e até o que transforma água em combustível.

O óleo do motor é uma das vítimas preferidas destes picaretas. As fábricas do automóvel e do óleo afirmam que seus engenheiros desenvolveram em conjunto o produto mais adequado e correto para a lubrificação do motor, com todos os aditivos necessários para minimizar atrito e temperatura, maximizar performance e durabilidade.

Falo mais sobre esse assunto neste vídeo. Confira!

Mas não faltam dezenas de outras empresas afirmando que seus aditivos “deixam no chinelo” os utilizados na formulação original do óleo. Tem um aí com suficiente cara-de-pau de declarar ser capaz de um verdadeiro milagre, o de restaurar locais desgastados de componentes internos do motor. Fosse verdade, as retíficas poderiam fechar suas portas…

Mesmo deixando os “milagrosos” de lado, engenheiro especializado em lubrificantes alerta: colocar no óleo do motor um outro aditivo pode ser prejudicial, pois ele poderia “não conversar” com os que integram o óleo originalmente. E provocar uma reação química capaz de prejudicar sua capacidade lubrificante. E nem uma “DR” (*) poderia contornar o problema.

Alguns aditivos são necessário

aditivo para radiador (Foto: Shutterstock)
Não se usa água pura no radiador: mistura tem aditivo próprio

Mas problema do aditivo é que alguns são realmente necessários. No radiador, por exemplo, onde no passado se usava apenas água, hoje é necessário adicionar etilenoglicol, na base de 50/50. Então, completar com “água do radiador” ficou ultrapassado: agora é “líquido do sistema de refrigeração”.

Para a gasolina, são dezenas as opções de aditivos no mercado, prometendo mundos e fundos. Maior desempenho e durabilidade, menor consumo e emissões, funcionamento mais “redondo” do motor e outros quetais.

Voltamos então ao problema do aditivo realmente necessário, o que pode deixar o motorista em dúvida: se ele prefere abastecer com gasolina comum (e não com a aditivada), é realmente importante o uso do aditivo do tipo detergente/dispersante para evitar a formação de depósitos carboníferos na câmara de combustão.

Mas aí vem a pi-ca-re-ta-gem de sempre, os famosos aditivos do tipo booster formulados com os mais bizarros componentes químicos. Aliás, alguns contribuem de fato para melhor desempenho do motor, pois oxigenam a gasolina. Mas, só fora do Brasil, onde ela não contenha 27% de álcool.

Mal não fazem? Ledo engano, fazem sim!

A NGK abriu recentemente alguns motores com problemas de funcionamento, para descobrir que a causa da combustão irregular eram as velas danificadas. Os eletrodos encontravam-se completamente oxidados e cobertos por uma estranha camada vermelha. Pesquisa daqui, examina dali, descobre-se que a tal camada que as danificou era óxido de ferro.

E qual a origem deste óxido ferroso?

A NGK pesquisa daqui, examina dali e descobre ser um componente utilizado com frequência em aditivos da gasolina. Os tais que prometem mundos e fundos e que, além de não contribuírem em nada, ainda prejudicam o funcionamento do motor e o bolso do freguês.

(*) Discutir o Relacionamento

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
24 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Anderson Pereira 31 de outubro de 2021

O Boris, mais uma vez, certo. Se esses líquidos milagreiros fossem bons, por qual razão as grandes petroleiras não fazem para vender e ganhar mais dinheiro, junto com seus óleos? Já viu Esso, Shell, Texaco, BR, AGIP, TOTAL e outras fabricarem isso? São capitalistas! Não fazem porque não funcionam! São emplastros. Já viram algum estudo científico de alguma faculdade, universidade, governo sobre esse aditivos em carros? LAUDO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERIAS – UFMG:

“UFMG Departamento de Engenharía Mecânica

LAUDO TÉCNICO

PARECER TÉCNICO N.º 03/99

REFERENTE: à análise Física e Química do Condicionador de Metais MILITEC-1, com o objetivo de detectar a formação de Ácido Clorídrico proveniente da reação entre os íons cloretos, presentes no MILITEC-1 e o hidrogênio presente nos vapores de água, que por ventura venham a existir no interior de equipamentos mecânicos ou hidráulicos.

REALIZADO POR: Prof. Dr. Ramón Molina Valle
Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Minas Gerais.

A PEDIDO DE: Espiña e Ribeiro, Comercio e Representações Ltda. representantes do produto MILITEC-1 em Minas Gerais, por solicitação especial e por escrito, com data de 23/02/99, do Eng.º Fernando Trivellato, Departamento APFM, da MERCEDES BENZ do Brasil S.A., Juiz de Fora, MG.

1- HISTÓRICO:

Visando a utilização do Condicionador de Metais MILITEC-1 adicionado ao óleo lubrificante de motores de combustão, redutores e maquinarias industriais em geral, foram realizados diversos experimentos com o objetivo de se determinar a adequação destes dois constituintes, do ponto de vista químico. Diversos ensaios foram realizados em amostras previamente preparadas para determinar alguns parâmetros críticos para os equipamentos, tais como: caracterização química do MILITEC-1 e do Óleo mineral multiviscoso SAE 20W-40, fabricado pela MOBILOIL, utilizado neste teste, grau de miscibilidade dos dois constituintes, e destes com água; acidez da mistura óleo-MILITEC-1 e destes com a água e presença de ions cloretos.

O objetivo final deste estudo é determinar se este material (MILITEC-1) é adequado ou não, para ser utilizado em equipamentos; ou se há a possibilidade de formação de ácido clorídrico (HCl) no sistema a ser utilizado como lubrificante (óleo+MILITEC-1), quando o equipamento esta em pleno funcionamento, o que ocasionaria a corrosão paulatina do mesmo.

2- METODOLOGIA:

I. Preparação das amostras.
II. Caracterização qualitativa das amostras (óleo+MILITEC-1) – Espectros infravermelhos.
III. Determinação da miscibilidade do MILITEC-1 e o óleo e destes com água em diferentes razões, a temperatura ambiente e 90ºC.
IIII. Determinação do pH de cada um dos sistemas acima gerados, a temperatura de ambiente e a 90ºC.
V. Análise qualitativa (identificação de ânions, Cl”) e quantitativa de cloreto, através da técnica de absorção atômica – método indireto.
VI. Análise quantitativa (volumétrica de neutralização e potenciometria) – acidez total.
VII. Caracterização e identificação dos constituintes do material das amostras, utilizando a técnica de cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massa (CG/MS).

3- PARECER TÉCNICO:

A análise realizada, para as condições descritas, mostrou que o óleo mineral MULTIVISCOSO SAE 20W-40 utilizado, é formado por uma mistura complexa de hidrocarbonetos alifáticos de cadeia longa. Já o Condicionador de Metais MILITEC-1, além de ser composto de hidrocarbonetos de cadeia longa, apresenta também em sua composição funções éster e algumas delas cloradas.

Pode-se concluir que mesmo com a presença de quantidades grandes de água, como foi o caso das amostras testadas, a mistura óleo+MILITEC-1 permanece com o mesmo pH medido na ausência da água, garantindo baixos índices de acidez da mistura e a “AUSÊNCIA TOTAL DE ÁCIDO CLORÍDRICO”.

4- OUTRAS CONCLUSÕES (a petição do REPRESENTANTE, e derivadas deste estudo).

Como o Condicionador de Metais MILITEC-1 é basicamente um reativo químico composto por Éster clorado sintético integral, que é totalmente estável em presença de umidade e calor, e que, por não conter parafinas cloradas, nem solventes, podemos concluir também:

• A mistura do MILITEC-1 não altera a constituição química / física do óleo.

• O MILITEC-1 reage quimicamente com a superfície metálica e é “ad-sorvido” por esta, em presença de calor, saindo eventualmente totalmente do óleo, que utiliza somente como “veículo”.

• Os gases desprendidos pelo MILITEC-1, quando aquecido, não são tóxicos.

• Quando descartado, o residual de MILITEC-1, que ainda possa estar contido no óleo, não oferece maiores riscos ao ambiente do que o próprio óleo usado.

Belo Horizonte, 20 de Setembro de 1999”.

Avatar
CLESIO MOREIRA DE MATOS 9 de janeiro de 2021

Já vi esse velhinho falando que a gasolina deve ser aditivada por tais produtos…

Avatar
CLESIO MOREIRA DE MATOS 9 de janeiro de 2021

Já vi esse velhinho falando que a gasolina deve ser aditivada… e de preferência por tais aditivos que ele criticou, já que nos postos não se sabe o que botam ou se botam…

Avatar
Bonfim 8 de janeiro de 2021

Galera, bom dia! Tengo um Cruze 2012 e ja tive vrs outros carros de marcas diferentes. Nunca abri motor algum pra fazer algum reparo ou outros. Eu uso os produtos da TECCOM RIO (aditivos e etc) são excelentes. Sem contar qa Teccom estano nosso quintal de casa. O Engenheiro responsável (MARCOS MARCONDES) é fera! Super recomendo tds os produtos da Teccom.

Avatar
Roberto Carlos 13 de maio de 2020

O melhor aditivo é ler o manual do proprietário.

Avatar
Lucas 10 de maio de 2020

Belo artigo!
O aditivo bardhal prolonga funciona? Pode danificar o motor? Obrigado

Avatar
Esdras Gouveia Malta 10 de maio de 2020

Boa tarde. Gostaria de saber sobre meu carro. Eu tenho um gol 1000I 95/95 a gasolina. Qual o óleo ideal do motor e qual o aditivo do radiador, devo usar? Só o aditivo ou aditivo e água? Agradeço a atenção, Deus abençoe.

Avatar
Eduardo 11 de maio de 2020

Em uma rápida procura no google achei o manual do teu carro… Recomendo aprender a fazer isso antes de perguntar. Mas lá vai:
Óleo recomendado 20W40 API SE ou API SF, quantidade 3,5 litros c/ troca de filtro ou 3,0 litros sem troca de filtro.

Avatar
José Alves de Sousa 10 de maio de 2020

Gostei muito das informações e orientações sobre aditivos para óleo de motor e água de radiador.

Quero continuar sendo informado sobre as picaretagens dos maus profissionais em mecânica de autos.

Avatar
Marcelo 10 de maio de 2020

Sinceramente picaretagem é atacar de modo geral os fabricantes de aditivos, precisa dar nome aos bois, precisa estudar mais meu amigo

Avatar
Rubens 10 de maio de 2020

Admiro mui um senhor com sua idade e segundo o Sr. com tão vasta experiência falar tanta baboseira. Deveria pesquisar mais antes de falar sobre temas a qual percebo seu total desconhecimento da realidade.

Avatar
Luis 10 de maio de 2020

Eu tenho um gol 1.0 pôr alguma vezes eu abastecei com gasolina aditivada e o motor na subida e em quebra molas o motor bate pino e pó essa razão que só abasteco com gasolina comum

Avatar
duvida 9 de maio de 2020

“a “empurroterapia” não se restringe ao motor nem se limita a aditivos, mas também a vários outros produtos, alguns quase milagrosos: tem o que limpa mais limpo o para-brisa, outro que aumenta o brilho da pintura,” BORIS- VC TEM UMA COLEÇAO LINDISSIMA DE CARROS E VC USA EM TODOS PRODUTOS CARISSIMOS PARA POLIMENTO E ENCERAMENTO, LOGO, VC SE CONTRADIZ NO SEU TEXTO… EU CONCORDO COM SEU TEXTO, TEM PRODUTO DE LIMPEZA QUE CUSTA 300 REAIS E TEM A MESMA AÇÃO DE UMA CERINHA COM MASSA DE POLIR DE 40 REAIS. PORTANTO VC PROPRIO SE CONTRADIZ…
ME EXPLICA ISTO? OU SERÁ QUE NEM FREUD EXPLICA?

Avatar
Peraldiano 9 de maio de 2020

Sério que você está comparando cêra de polimento com aditivo de motor? Deve ser efeito da quarentena, só pode…..

Avatar
duvida 12 de maio de 2020

o mesmo efeito da quarentena que faz o sr. nao realizar a leitura completa do comentario e compreender um texto- coisas que se aprendem na 3ªserie fundamental..
no mais a pergunta foi para o Boris e não para o sr. mas faço questao de repetir e ate desenhar para o sr.
mais simples = ELE DIZ NO TEXTO QUE TEM PRODUTO MILAGROSO QUE AUMENTA O BRILHO DA PINTURA! logo, ele faz uma critica aberta a este tipo de produto! ENTENDEU? TEM QUE DESENHAR? —ai , eu questiono, se ele critica estes produtos pq ele usa???? SIMPLES! ENTENDEU???? OU AINDA TA DIFICIL??

Avatar
Clesio 9 de janeiro de 2021

Se não trás beneficio de verdade também pode ser chamado e picaretagem…

Avatar
Marcelo 9 de maio de 2020

Eu venho aqui dizer que todos estão equivocados tenho carros a mais de dez anos sempre usei gasolina aditivada Nunc tive problemas e mais uso militeck no motor do meu carro meu carro já é velhinho ano 96 motor e tão cereno que não faz nem um barulho resebtemente tive que fazer cabeçote dele pois igual falei ele tem mais de 27 anos mecânico ate se asustou quando viu motor nunca aberto antes não tenha uma borra que for nada dava até para jogar comida ali comer me explica isso agora espertos USO CASOLINA ADITIVADA É MILITEC

Avatar
Luiz Carlos 10 de maio de 2020

Típico isso. A pessoa informa que usa militec que é uma maravilha, que deixa o carro ‘timindo’, mas teve que abrir o motor por algum motivo. No seu caso fazer cabeçote. Você mesmo escreveu. Igual um vídeo que tinha no YouTube, o cara informa que sempre usou militec e dizendo a importância do produto, mas mostrando o bloco do motor todo carbonizado e com borra. Virou piada que apagou o vídeo. Meu carro tem 12 anos, nunca viu militec na vida. Abri a tampa de válvula uns dias atrás para checar, uma maravilha. Zero canonização e borra.

Avatar
Guilherme 23 de agosto de 2020

Esse papo de “abri cabeçote porque carro tem 27 anos”, é pura baboseira! Abriu motor por falta de manutenção CORRETA!

Avatar
Anderson 9 de maio de 2020

Eu tinha uma moto a gasolina. Para limpeza colocava aditivos para motor flex, pois aditivos para motores somente a gasolina não limpa. Pior, a gasolina já vem com etanol

Avatar
João Santos 9 de maio de 2020

É a mesmíssima coisa com o corpo humado e os tais de supletivos…..TODOS supletivos fazem mal à saúde

Avatar
Ailton Maia 9 de maio de 2020

Resumindo, o alcóol ou gasolina aditivados fazem mal ao motor do carro ?

Avatar
Peraldiano 9 de maio de 2020

Tem jeito não, brasileiro é viciado em gororoba milagrosa , basta dizer que aumenta potência e economiza combustível que o povo cai na conversa e desanda a comprar todo tipo de besteira com nome bonito. E morrem dizendo que funciona…..

Avatar
Peraldiano 9 de maio de 2020

Ele não falou isso, ele disse que tem muito produto milagroso que na verdade não tem efeito nenhum e que pode até lascar o motor do carro se for usado sem critério. Tudo vigarice prá ganhar dinheiro dos otários.

Avatar
Deixe um comentário