Entre o híbrido e o elétrico, sou mais o ‘entre’…

No Brasil, o elétrico é viável com limitações. O híbrido roda, na prática, com motor a combustão. Mas tem uma outra opção ainda mais interessante...

Por Boris Feldman 02/05/20 às 09h00
bmw x5 xdrive plug in
Tomada de um carro híbrido plug-in (Foto BMW | Divulgação)

O carro híbrido é o meio do caminho. Tem motor a combustão, como nossos carros tradicionais. Mas roda também eletricamente com uma bateria adicional que se recarrega na regeneração de energia, quando se freia ou se desacelera o carro. Mas essa bateria, que alimenta o motor elétrico, não tem grande capacidade de carga. Permite rodar apenas alguns poucos quilômetros

A rigor, a vantagem do híbrido é reduzir o consumo, pois cada km rodado com a bateria se aproveita de uma energia jogada fora nos carros convencionais. Ou seja, ganha muito em eficiência.

Já o carro elétrico não tem motor a combustão, mas uma batelada de baterias que lhe confere uma razoável autonomia. Nem se admite mais um elétrico que não seja capaz de rodar um mínimo de 400 km antes da recarga.

Sua vantagem é o baixo custo da energia elétrica, o desempenho, o funcionamento “limpo” (ecológico), a eficiência energética e o preço reduzidíssimo de manutenção mecânica, pois não tem o obsoleto motor a combustão.

As desvantagens do carro elétrico são a limitação de autonomia, pois é complicada a recarga na estrada. Seu custo elevado, pois o conjunto de baterias representa quase metade de seu preço. E muito caras, pesadas e de complexa reciclagem.

Carro elétrico no Brasil

No Brasil, o carro elétrico só se viabilizou, por enquanto,  em veículos comerciais (ou de frotas) que circulam nos centros urbanos com quilometragem diária limitada. E também os particulares que não saem para viagens mais longas.

Deve-se ponderar que, o carro elétrico com autonomia teórica de 400 km, mal atinge 300 km na prática, pois ela se reduz diante de condições desfavoráveis como o ar condicionado ou faróis ligados, ou em longos trechos íngremes.

E também por serem limitados os pontos de recarga em rodovias (poucos por enquanto no Brasil), o que obriga o motorista a parar num eletroposto mesmo com 10% a 20% da carga restante, para não correr riscos.

O ‘entre’

Mas, entre o carro híbrido e o carro elétrico, existe uma interessante solução intermediária, a do carro híbrido plug-in. A principal diferença em relação ao híbrido simples é que se recarrega na tomada.

Então, quando o motorista sai de manhã, as baterias foram completamente recarregadas durante a noite, como um celular. Vale lembrar que sua autonomia (com as baterias) é inferior à do carro elétrico, mas bastante superior à do híbrido simples.

O carro híbrido plug-in roda entre 40 e 60 km só com as baterias, o que permite à maioria dos motoristas se deslocar no dia-a-dia sem necessidade do motor a combustão.

Mas, na eventualidade de um trecho maior, ou numa viagem, entra o modo combustão. E muito eficiente pois tem o mesmo sistema de recarga das baterias por regeneração.

O híbrido plug-in pode rodar como elétrico durante quase toda sua vida útil dependendo dos hábitos de seu dono. E sem o fantasma da pane seca. Como seu conjunto de baterias é muito menor que o do carro elétrico, seu peso e custo são também muito inferiores. Numa viagem, pode-se recarregar as baterias num eletroposto ou trocar a tomada pela bomba de combustível…

Tem também uma solução meio mequetrefe, nem lá nem cá, o mild hybrid (levemente híbrido), que não é capaz de rodar só com energia elétrica: um pequeno motor dá apenas uma “mãozinha” para o motor a combustão, reduzindo (também ligeiramente) o consumo.

No Brasil, a maioria dos híbridos não são do tipo plug-in e a liderança é da Toyota, com seus importados Prius, RAV4 e a linha Lexus (sua marca de luxo). Lançou também um nacional híbrido flex pioneiro no mundo, o novo Corolla na versão Altis.

Entre os híbridos plug-in, destaque para dois sedãs e três SUVs da Volvo, o VW Golf GTE e o BMW Série 3 que está chegando ao Brasil por estes dias.

vista lateral do bmw serie 3 hibrido
BMW Série 3 híbrido plug-in (Foto BMW | Divulgação)
SOBRE
4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
arai 7 de maio de 2020

Pensava que Prius era fabricado na planta de Sorocaba…

Avatar
BRUNO ALVES VASCONCELOS 3 de maio de 2020

com custo de aquisicao manutençao seguro IPVA tudo mais caro.. no máximo os hibrido tipo corolla darão certo, mesmo assim, a diferença de economia é pequena num carro de 130mil reais com perda grande de desempenho… nao valem pela perda em manutenção e revenda. Veremos o valor desses automóveis daqui alguns anos, carros como Fusion hibrido cairam vertiginosamente, A tecnologia de elétricos ainda é muito imatura e caríssima. Vamos ver daqui anos ou décadas se valerao a pena.

Avatar
Leandro 2 de maio de 2020

Vale lembrar dos Volvo’s T8, há tempos no mercado.

Avatar
nelfisio oliveira 2 de maio de 2020

gostei dessa sugestão….mas acho que esses carros somente srão popularizados se a empresa do Elon Musk tiver sucesso…pq ele é o único que pensa em baratear os preços…o velho Henry Ford conseguiu no inicio do seculo XX…

Avatar
Deixe um comentário