Carro elétrico: sua história é tão velha quanto o próprio automóvel

A categoria dos elétricos era mais desejada que a dos carros a combustão já no século XIX - o que aconteceu desde então?

carro eletrico ponto de recarga
Por AutoPapo
27 de março de 2020 13:40

Embora o carro elétrico seja um assunto em voga no nosso século XXI, sua história precede a todos nós. Esse tipo de veículo já foi mais desejado que o equipado com motor a combustão – e isso, lá no início do século XX.

LEIA MAIS:

Os automóveis movidos a energia elétrica disputaram, de certa forma, o mercado com os carros a combustão. Muito antes de termos as grandes cidades e rodovias às quais nos habituamos, eles já estavam lá.

É difícil precisar quando o carro elétrico foi inventado. Da mesma forma que Santos Dumont tem a invenção do avião questionada pelos irmãos Wright, ninguém pode dizer qual foi o primeiro exemplar da categoria.

1888 flocken elektrowagen tido como o primeiro carro eletrico do mundo e exposto em uma pista com plantas e flores ao fundo
Flocken Elektrowagen, de 1888: carro elétrico existe desde o século XIX (Foto: reprodução da internet)

Sabe-se, contudo, que já no século XIX, inventores na Hungria, Países Baixos e Estados Unidos trabalhavam em projetos do tipo, independentemente.

A ideia deles era criar um veículo movido a bateria. E nessa mesma época, ainda estava em desenvolvimento o próprio carro movido a combustão, como o conhecemos hoje.

O carro a combustão e o elétrico

Costuma-se tomar o ano de 1886 como o marco da invenção do carro. E até mesmo essa parte da história está envolta em névoas.

Enquanto a Mercedes-Benz assume para si o mérito da invenção, por Karl Benz, relatos apontam que um judeu, Siegfried Marcus, teria sido seu verdadeiro criador – mas o fez durante o regime nazista, na Segunda Guerra Mundial, e assim foi deletado da história.

E alguns anos depois disso, por volta de 1890, já havia uma frota de táxis elétricos rodando em Nova York. E os automóveis, em geral, foram se tornando mais acessíveis e se popularizando.

No início do século XX, as lojas ofereciam carros elétricos, a combustão, ou a vapor. Este último sendo a tecnologia mais antiga entre as três e, basicamente, movido a água.

Curiosamente, entre eles, o que se mostrava mais prático era o carro elétrico. Em comparação, o motor a combustão precisava ser “ativado” por manivela, exigindo muita força braçal.

Já o carro a vapor, tomava quase uma hora até ter forças para andar, além de precisar ser reabastecido com água frequentemente.

Nessa época, o carro elétrico tinha tudo para vencer a disputa de mercado, por ser o mais silencioso, prático e limpo. Só que aí, a indústria petroleira passou na frente.

O petróleo matou o carro elétrico?

Quando a categoria dos elétricos tinha tudo para ser a mais vendida, o automóvel ainda era um bem oneroso.

E os movidos a bateria eram ainda mais caros, custando cerca de US$ 1.750, em comparação aos movidos a gasolina, vendidos por em torno de US$ 650, segundo o Departamento de Energia dos Estados Unidos.

Essa era a realidade em 1912, e o carro elétrico pouco avançou nos anos subsequentes. Na década de 1920, petróleo foi encontrado em larga escala nos Estados Unidos, barateando a gasolina.

nissan leaf 2020 00
Nissan Leaf é vendido desde 2010 (Foto: Nissan | Divulgação)

Logo, um lobby se formou ao redor da matéria prima. Sua exploração levou, inclusive, ao massacre de comunidades indígenas detentoras dos direitos sobre as terras que a ofereciam.

Com isso, a gasolina se tornou a fonte de energia mais facilmente disponível, tornando o carro elétrico ainda menos atrativo em comparação ao movido a combustão.

Por fim, a expansão das estradas pavimentadas terminou de sepultar os carros a bateria. Com a maior possibilidade de locomoção, a disponibilidade de combustível se tornou um diferencial.

A volta dos elétricos

Hoje, o carro elétrico está voltando à disputa. Com  a ameaça do aquecimento global e legislações ambientais exigentes ao redor do mundo, a tecnologia está no alvo das fabricantes automotivas.

Entretanto, pelo atraso mercadológico, continua enfrentando seu maior desafio: a autonomia. Os postos de combustíveis continuam sendo mais práticos do que as 8 horas de recarga que os elétricos, na média, vão exigir após 300 quilômetros.

Isso não quer dizer que sejam desnecessários – afinal, carros a combustão são igualmente atrasados, apesar da vantagem econômica -, mas significa que precisam evoluir, para seu bem e o nosso, também.

Confira também a voltinha que Boris Feldman deu na Kombi elétrica, o ID Buzz:

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
5 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
JOAQUIM ROBERTO 1 de outubro de 2021

Gente, que loucura é essa?!
Copiando parte do vosso texto: “Enquanto a Mercedes-Benz assume para si o mérito da invenção, por Karl Benz, relatos apontam que um judeu, Siegfried Marcus, teria sido seu verdadeiro criador – mas o fez durante o regime nazista, na Segunda Guerra Mundial, e assim foi deletado da história. E alguns anos depois disso, por volta de 1890…”
Karl Benz faleceu em 04/04/1929. Siegfried Marcus faleceu em 01/07/1898. O regime nazista na Alemanha ocorreu no período 1933 a 1945. E a 2ª Guerra Mundial no exato período de 01/09/1939 a 02/09/1945.
Ora, tanto Benz como Marcus absolutamente nada tem a ver c/ regime nazista e 2ª guerra… afinal eles já estavam mortos então.
Outro absurdo é dizer que “alguns anos depois” (do regime nazista e da 2ª guerra) “por volta de 1890…”. Ora, uma simplória operação de subtração aritmética, deixa claro que o ano de 1890 ocorreu 43 anos ANTES do regime nazista começar e 49 ANTES da 2ª guerra!!! Eu hein !!!

Avatar
Espectador 2 de outubro de 2021

Uma bobagem de dar dó, Olhe o nivel do jornalismo,,,,,

Avatar
JOAQUIM ROBERTO 3 de outubro de 2021

Pois é, caro ESPECTADOR. Eu buscava mais referências, através do Google, sobre o histórico do “carro elétrico”, em especial datas, quando me deparei c/ esta matéria, que até tem bastante informações, entretanto, a partir da leitura do trecho em destaque, não consegui mais confiar em demais dados. Pena!

Avatar
Vandir 22 de agosto de 2021

Esqueceram de falar do Itaipu feito pela Gurgel. Um elétrico nacional.

Avatar
JOAQUIM ROBERTO 1 de outubro de 2021

Pois é VANDIR… em 1974, c/ apoio do empresário e apresentador de TV SÍLVIO SANTOS, o visionário João Gurgel apresentou, no programa televisivo de Sílvio, o primeiro carro elétrico nacional… E o hoje comemorado Sr. Elon Musk (Tesla) àquela época era um bebê de 3 anos de idade…

Avatar
Deixe um comentário