Carro europeu ou americano? Brasileiro topa qualquer modismo

Numa família, do avô ao neto, a origem dos automóveis foi cambiando em cada geração, de acordo com as novas preferências

carro generico europa eua portal ap
A moda agora são os SUVs - uma herança americana (Arte: Ernani Abrahão | AutoPapo)
Por Boris Feldman
09 de abril de 2022 07:33

Foram duas reviravoltas no mercado brasileiro de automóveis. Enquanto importador, fiel ao padrão norte-americano. Quando passou a fabricar, aderiu aos europeus. E agora, sucumbe novamente ao padrão dos EUA.

Antes de se implantar nossa indústria automobilística, na década de 60, praticamente só se importavam marcas norte-americanas. Só dava Chevrolet, Ford e Dodge. Contavam-se nos dedos os europeus.

VEJA TAMBÉM:

Quando surgiram as primeiras fábricas de verdade (Ford e GM eram simples montadoras de peças), os modelos bem sucedidos eram derivados dos europeus. Nosso mercado sempre foi muito mais atrelado ao Fusca, Corcel, Monza e Palio do que ao Maverick, Dart ou Galaxie.

Há uma diferença fundamental entre modelos da Europa e dos EUA, que surgiu depois da segunda guerra. Os europeus desenvolveram modelos mais compactos, com mecânica mais sofisticada e eficiente que os americanos. Reflexo da própria economia de cada um: os automóveis produzidos nos EUA, enormes, beberrões, com exagero de dimensões e cromados, refletiam o poder da economia norte-americana. Dólares em profusão, gasolina mais barata que água mineral.

Enquanto isso, os europeus se restabeleciam das ruínas da guerra, com fábricas e economias destruídas. Tudo era escasso, principalmente na Alemanha. A BMW chegou a produzir um carro semelhante à nossa Romi-Isetta, a BMW-Isetta, menor que o Fusca.

Mas, com seu incrível poder de recuperação (e uma mãozinha do plano Marshall…), a Europa foi se restabelecendo, aperfeiçoando e modernizando seus automóveis. Sem fugir da filosofia básica de capricho na mecânica, tecnologia e eficiência, contenção de peso e otimizando a relação custo-beneficio.

Nada de gigantescos motores V8 de 5 e 7 litros equipando “lanchas” de cinco a seis metros de comprimento pesando mais de duas toneladas

Os carros europeus eram equipados com eficientes máquinas de baixa cilindrada, como os da Opel, VW, BMW, Alfa Romeo, Rover, Fiat. E desenvolviam quase a mesma potência de Fords e Chevrolets, apesar de consumir a metade. Os cavalos que faltavam aos europeus eram compensados por centenas de quilos a menos, caixas manuais com duas marchas mais que as automáticas de três velocidades dos americanos.

Brasil era retrato da Europa

A economia brasileira era muito mais um retrato da européia, o que se evidenciava pelo panorama de nossas ruas nas décadas de 60 a 80: quase só modelos da VW, Fiat, Alfa Romeo, Simca e Opel (braço europeu da GM). Da Ford que fabricava europeus (Corcel, Del Rey, Escort) e americanos (Willys, Maverick e Galaxie).

A Dodge com uma linha dos EUA (Dart) e outra inglesa (Polara). E, com a crise do petróleo da década de 70, sumiram os grandes americanos como Dart e Galaxie.

O único modelo norte-americano que fazia sucesso por aqui e quase desconhecido na Europa era a picape grande.  E durante anos só se produziu Chevrolet (C-10) e Ford (F-100), até que a Fiat teve a brilhante idéia de lançar em 1978 uma picape inexistente no mundo, derivada de um compacto, o 147 Pick-up. Logo copiada pela GM, Ford e VW.

Nos EUA, a conversa é outra e o motorista é apaixonado pelas picapes médias e grandes: Ford Ranger lá é “pequena”. Aliás, no típico exagero norte-americano, Honda Civic é classificado como “compacto”. Renault e Fiat quebraram a cara ao tentar vender seus modelitos por lá. Citroën e Peugeot nem tentaram.

O SUV…

A paixão pela picape levou a uma variação sobre o tema, o utilitário esportivo (o SUV). O europeu ainda resiste a ambos, mas o brasileiro se encantou a aderiu a esse inexplicável modismo.

Não existe carro mais prático para a família que a perua, ou station-wagon, em inglês. Que caiu em total desuso por aqui, eliminada do mapa – assim como os hatches médios – pelos SUVs.

No Brasil, o avô tinha um Chevrolet 1951, o filho, um Opala Caravan. O neto adora a Blazer…

Não pergunte a um brasileiro o que o levou a trocar a perua Toyota Fielder ou Fiat Weekend pagando muito mais por um Corolla Cross ou Pulse: decisões emocionais são inexplicáveis.

P.S. Eu me recuso a ceder e abrir mão do racional: meu carro de uso é um sedã alemão. E, entre os de coleção, pode conferir nos vídeos do YouTube: só dá europeu.

Quer um exemplo da coleção? Esta belíssima Alfa Romeo Montreal. Veja o vídeo:

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
17 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Cadillata 12 de abril de 2022

Obrigado pela resposta.

Avatar
RuyJr 11 de abril de 2022

Prezado Bóris,

Para começar, de novo, parabéns por ter esta área de comentários livre de enfadonhos e inúteis ‘logins’ !

Em seguida, por favor, uma correção: NÓS somos “americanos” ANTES deles !!! Em 1492, o sujeito chegou por aqui, não por lá ! Então, proponho “estadunidense”, até porque há, na “américa” (q eles acham se resumir ao umbigo deles), tb, os canadenses.

Para reflexões, e para tentarmos abandonar nosso “complexo de vira-lata” !

Abraços

Avatar
Santiago 10 de abril de 2022

O mesmo modismo têm diferentes “caras”, de acordo com a cultura do lugar em que ele acontece.
Nos Estados Unidos o modismo dos SUVs é puxado por SUVs verdadeiros. Inclusive porque o consumidor americano NÃO ADMITE comprar gato-por-lebre.
Já aqui por estas terras, basta que as montadoras incrementem hatches e enfeitem crossovers, chamando–os de “SUVs”, que não faltam compradores ávidos em pagarem preços extorsivos só pra tentar se acreditarem estar na “moda dos SUVs”.
Tristes trópicos…

Avatar
alecs 9 de abril de 2022

O Boris é uma enciclopédia do automóvel ambulante pode crê …

Avatar
Eu 9 de abril de 2022

Carros Europeus são muito mais eficientes que os Americanos, e os Japoneses muito superior aos Europeus.

Avatar
HAF 10 de abril de 2022

Onde que um toyota é superior a um Audi, BMW ou Mercedes? A trinca alemã fabrica os melhores carros do mundo filho, carro japones é apenas plano B. Abraço

Avatar
Samarone 9 de abril de 2022

Carros Europeus são muito mais eficientes que os Americanos, e os Japoneses muito superior aos Europeus.

Avatar
HAF 10 de abril de 2022

Até nos EUA o amricano valoriza e sabe que os acrros alemães, mas pricisamente a trinca alemã fabrica os melhores carros do mundo filho, carro japones é apenas plano B. Corola é carro de pobre por lá e Camry para a classe média , a trinca alemã para os mais abastados. Não sou fanboy de nenhuma marca, apenas realista.Abraço

Avatar
Santiago 10 de abril de 2022

Considerando as marcas premium com produção em série, realmente o Trio Alemão é de longe o melhor.
Entretanto na categoria dos modelos comuns, acessíveis à maioria dos consumidores, há tempos os japoneses dominam – especialmente Toyota e Honda.

Avatar
Joaquim Carlos 10 de abril de 2022

O americano pode até valorizar mais os carros alemães.
Mas nos dias de hoje, o que se vê nas ruas de lá é uma variedade impressionante de marcas e modelos, mas as marcas alemães são quase minoria.
Nas grandes cidades, vemos muitos carros de marcas americanas, japonesas e coreanas.
As marcas alemães vêm depois. Quase não se vê carros franceses ou italianas.

Avatar
Samarone 13 de abril de 2022

Eu sou Americano e prefiro os Japoneses, você tem a mente muito fechada se usa o termo “carro de pobre”.

Avatar
Cadillata 9 de abril de 2022

Meu sonho de consumo é um Etios hatch híbrido, com o mesmo sistema do Corolla.
Só falta a Toyota fabricá-lo. 🙂

Avatar
Joaquim Carlos 9 de abril de 2022

O Etios era um excelente carro, com ótima mecânica.
Pena que a Toyota interrompeu sua fabricação. Bastava ir melhorando alguns detalhes.
Não gostava desenho dos faróis.
O painel digital central era ótimo, se alguém reclamava era só questão de opinião. Não tinha nada contra.
A transmissão AT de 4 marchar se não era ótima, não era ruim. Nas retomadas, prefiro uma transmissão como do Etios a um com CVT.
O limpador de pára-brisas com uma única palheta era diferente, mas eficiente como qualquer outro de 2 palhetas.
O lançamento do Etios Cross foi uma grande besteira. Antes tivessem lançado uma versão especial do Etios com motor mais potente que permitisse melhor desempenho.

Avatar
Santiago 9 de abril de 2022

Ótimo carro!
Confiável e confortável.
Excelente custo-benefício.
Não à toa que ele conquistou os taxistas e os frotistas em geral.

Avatar
HAF 10 de abril de 2022

O etios tem suas qualidades, mas nunca foi um légitimo toyota, projeto de baixo custo idealizado para a india,…

Avatar
Cadillata 9 de abril de 2022

Tens só o Jetta de uso diário?
Pergunto por perguntar, porque nunca respondem mesmo. 🙂

Avatar
Boris 9 de abril de 2022

Passat

Avatar
Deixe um comentário