Carros com nomes de lugares brasileiros: 13 modelos que celebram o país

Patriotismo ou estratégia de marketing? Seja qual for o motivo, o caso é que esses veículos homenageiam a geografia do Brasil

Por Alexandre Carneiro 05/04/20 às 09h57

Você está entediado em casa devido ao isolamento social provocado pela pandemia do coronavírus? Pois nós enumeramos 16 veículos capazes de lembrá-lo de lugares em diferentes regiões do país. É o listão de carros com nomes que homenageiam localidades brasileiras. De quebra, ainda citamos alguns modelos que parecem fazer essa referência, mas foram batizados com base em outros parâmetros. Confira!

VEJA TAMBÉM:

Carros com nomes que homenageiam localidades brasileiras:

1. Kia Rio

kia rio 2020 1
Nome em homenagem à capital fluminense foi escolhido pela matriz da Kia

O Kia Rio é o únicos dos carros da lista batizado de maneira universal: os nomes dos demais só foram adotados no Brasil. Ironicamente, o modelo demorou mais de duas décadas para chegar ao país. Aqui, o lançamento ocorreu em janeiro deste ano, enquanto mundialmente ele data de 1999. De lá pra cá, já se passaram quatro gerações.

Boris Feldman já dirigiu o Kia Rio. Assista ao vídeo e descubra o que ele achou!

O nome, claro, é uma homenagem à capital fluminense e ex-capital federal. O Rio de Janeiro é famoso em todo o planeta devido à bela geografia, que inclui praias, montanhas e lagos.

2. Volkswagen Brasilia

08brasilia
Capital federal deu nome a um dos carros mais populares dos anos 70

Produzido entre 1973 e 1982, o Volkswagen Brasilia era uma espécie de Fusca modernizado. Afinal, unia o conhecido motor traseiro 1.600 a ar com uma carroceria mais espaçosa. Durante os quase 10 anos em que esteve no mercado, sempre situou-se entre os automóveis mais vendidos do país.

Curioso notar que, apesar de ter sido batizado para homenagear a capital federal, projetada por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa e inaugurada durante o governo de Juscelino Kubtscheck, em 1960, o carro da Volkswagen não tem acento no nome. No caso da cidade, escreve-se ‘Brasília’.

3. Volkswagen Parati

volkswagen parati g1
Volkswagen estava determinada a utilizar o nome de uma cidade do litoral fluminense na perua: antes de optar por Parati, cogitou batizá-la de Angra

Outro dos carros da Volkswagen batizados com nomes de cidades brasileiras é a Parati. Projetada com base no Gol, a perua teve uma longa trajetória, que vai de 1982 até 2012. Embora o fabricante e também alguns consumidores considerem a existência de quatro gerações, a rigor existiram apenas duas: as demais foram reestilizações, e não novos projetos.

Neste caso, a alcunha faz referência a um município no litoral sul do Estado do Rio de Janeiro, famoso pelas praias e pelo patrimônio histórico. Curiosamente, consta que a Volkswagen cogitou utilizar o nome de outra cidade na mesma região e batizar a perua de Angra. No entanto, desistiu para evitar associações com as polêmicas usinas nucleares lá construídas.

4. Chevrolet Marajó

carros com nomes de localidades brasileiras: chevrolet marajó
Perua da linha Chevette evocava ilha na região Norte

A Chevrolet também já se inspirou no território nacional para dar nomes aos seus carros. Um dos exemplos mais famosos é a Marajó, perua da linha Chevette. Fabricada entre 1980 e 1989, conquistou uma parcela do público graças, principalmente, à tração traseira, embora suas vendas tenham sido tímidas.

Originalmente, Marajó é o nome de uma ilha fluviomarítima situada na foz do Rio Amazonas, no Estado do Pará. O local é conhecido pelas criações de búfalos, pela natureza tropical (em parte conservada por unidades de proteção ambiental) e pelo Carimbó, estilo musical típico da região.

5. Chevrolet Ipanema

30 anos chevrolet ipanema 3 door 2
Apesar de ter sido batizada com o nome de uma das praias mais famosas do país, a Ipanema não fez sucesso

Duas coincidências: a escolha de localidades do litoral carioca para dar nome a carros e a quantidade peruas a recebê-los. Agora, trata-se da station wagon derivada do Chevrolet Kadett, lançada para substituir justamente a Marajó. O batismo, claro, reverencia a praia mais famosa do Rio de Janeiro e, provavelmente, de todo o Brasil.

Quer saber de outra coincidência, dessa vez envolvendo a Marajó? Assim como ela, a Ipanema também não fez grande sucesso, apesar de ter bons atributos técnicos. Lançada em 1989, poucos meses após o Kadett, saiu de linha em 1997, cerca de um ano antes do hatch.

6. Simca Alvorada

carros com nomes de localidades brasileiras: simca alvorada
Modelo de entrada da Simca faz menção ao Palácio da Alvorada

Durante o breve período em que operou no Brasil, a empresa francesa Simca conseguiu homenagear o país. Fez isso com o sedã Alvorada, nome do palácio que funciona como residência oficial do presidente da república.

A linha Simca era composta, na essência, por apenas um modelo: um grande sedã que, tanto na França quanto no Brasil foi chamado de Chambord. Porém, em vez de desenvolver versões, o fabricante rebatizava o modelo para posicioná-lo em outras faixas de preço. Assim existiram os esportivos Tufão e Rallye e o luxuoso Présidence. Por sua vez, o Alvorada era o modelo básico da gama e só foi produzido em 1963.

7. Chrysler Esplanada

carros com nomes de localidades brasileiras: chrysler esplanada 1
O lançamento do Esplanada marcou a aquisição das operações da Simca pela Chrysler

Sugestivo: depois do Alvorada, veio o Esplanada. Enquanto Alvorada é um Palácio, a Esplanada dos Ministérios é um dos pontos mais importantes do Eixo Monumental, em Brasília, onde estão reunidas as pastas do governo federal.

No segundo semestre de 1966, a Chrysler adquiriu as operações da Simca no Brasil. Em novembro daquele ano, já lançou o Esplanada, que na verdade era só um novo nome para o já conhecido sedã da marca francesa. Ele trazia uma reestilização e alguns aperfeiçoamentos técnicos. Durou de 1966 a 1969, quando a empresa lançou um produto próprio: o Dart.

8. Willys Itamaraty

carros com nomes de localidades brasileiras: aero willys itamaraty 1967
O Palácio do Itamaraty serviu de inspiração para batizar sedã de luxo

Embora compartilhasse exatamente a mesma carroceria com o sedã Aero, o Itamaraty era vendido pela Willys Overland como um produto a parte. Para diferenciá-lo e posicioná-lo em uma faixa superior de mercado, o fabricante dava a ele acabamento mais luxuoso, motor mais potente (3.0 de seis cilindros, ante 2.6 com igual arquitetura) e lanternas traseiras exclusivas, entre outros detalhes.

O nome, Itamaraty, é uma homenagem à sede do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, localizada em Brasília. O prédio, cujo projeto é do arquiteto Oscar Niemeyer, é considerado uma das obras primas da arquitetura moderna brasileira.

9. Willys Interlagos

carros com nomes de localidades brasileiras: willys interlagos
Nome de pista de corrida foi escolhido para batizar esportivo da Willys

Nos anos 60, a Willys Overland, então uma das maiores fabricantes de carros do país, recorreu mais de uma vez a localidades famosas para dar nome a eles. Além do Itamaraty, houve ainda o Interlagos, nome de um bairro de um autódromo na cidade de São Paulo. Tudo a ver, afinal, tratava-se de um veículo esportivo.

Embora a Willys fosse uma empresa estadunidense, apenas parte de seus produtos tinha origem na matriz. Os compactos Gornini e Dauphine eram projetos da Renault, fabricados sob licença. Esse era o caso também do Interlagos, que na França é conhecido como Alpine A110.

10. Troller Pantanal

carros com nomes de localidades brasileiras: troller pantanal
Complexo do Pantanal bem que merecia coisa melhor que a picape da Troller

Lembra-se da Pantanal? Trata-se de uma picape com a mesma mecânica do jipe T4. Assim como ele, a caminhonete tinha motor a diesel e tração 4×4. Mas sua história é breve e muito conturbada: devido a um problema no chassi, que podia simplesmente trincar e quebrar, o fabricante decidiu recomprar as cerca de 100 unidades vendidas. Isso aconteceu em 2007, quando a Troller já havia sido encampada pela Ford. No ano anterior, porém, a marca, ainda na posição de autônoma, já havia encerrado a produção do modelo.

Aliás, todas as pouquíssimas unidades fabricadas datam de 2006, único ano de produção. Consta que alguns proprietários quiseram manter seus veículos e concordaram em assinar um termo de responsabilidade. Convenhamos: o complexo do Pantanal, que se estende pelos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, bem que merecia uma homenagem melhor…

11. Gurgel Itaipu

carros com nomes de localidades brasileiras: gurgel itaipu
Itaipu é uma denominação muito apropriada para um carro elétrico

Provavelmente não havia denominação mais apropriada para a linha de elétricos da Gurgel que Itaipu. Os nomes desses carros fazem deferência, claro, à usina binacional, inaugurada em 1982 para gerar energia para o Brasil e o Paraguai.

O Gurgel Itaipu foi apresentado em 1974, quando a usina ainda estava em fase de projeto. Era um minicarro de propulsão totalmente elétrica, o primeiro desse tipo desenvolvido na América do Sul. Ele não foi apenas um protótipo, mas acabou abrindo caminho para o E-400, um utilitário elétrico, que foi fabricado em série, embora em pequena quantidade, entre 1981 e 1982. Majoritariamente, foi utilizado por frotas governamentais.

12. Gurgel Carajás

carros com nomes de localidades brasileiras: gurgel carajas
Em Eldorado dos Carajás (PA), havia uma grande reserva natural de ouro; sugestivo, não?

Temas indígenas eram recorrentes fontes de inspiração para a Gurgel na hora de dar nomes a seus carros. O primeiro foi o Xavante, lançado nos anos 1970. Em 1985, chegou o Carajás, um jipe de grandes dimensões e motor dianteiro.

Apesar do histórico da Gurgel com tribos indígenas, o jipão remete também a Eldorado doa Carajás, um município no Estado do Pará. Até porque, em meados dos anos 80, aquela localidade recebia atenção de todo o país devido à exploração de ouro na Serra Pelada.

13. Gurgel X-12 Tocantins

carros com nomes de localidades brasileiras: gurgel x 12 tocantins
Gurgel Tocantins surgiu no fim dos anos 80, quase ao mesmo tempo que o mais jovem Estado brasileiro

Outro Gurgel que uniu o útil ao agradável foi o X-12 Tocantins. Ao mesmo tempo, honrava a tradição de nomes indígenas do fabricante e reverenciava o mais jovem Estado brasileiro, criado em 1988, exatamente um ano antes do lançamento do veículo.

O Tocantins era uma evolução do X-12, um jipinho com motor traseiro refrigerado a ar de origem Volkswagen. A trajetória do modelo começou em 1976 e foi até 1995, quando a Gurgel encerrou suas atividades.

Quase lá: carros cujos nomes parecem celebrar o Brasil, mas têm outros significados:

Bônus para quem sentiu falta de algum veículo na lista: enumeramos também alguns carros cujos nomes parecem ter sido inspirados em lugares do Brasil, mas, na verdade, têm outros significados. Veja só:

14. Ford Pampa

ford pampa 4x4 1984 a 1987
O nome da Pampa tem origem em uma raça de cavalos

Há quem pense que o nome da antiga picape compacta da Ford provenha da região dos Pampas, no Rio Grande do Sul. Mas não é o caso: a referência da empresa era o cavalo pampa, uma raça brasileira caracterizada pela pelagem malhada. Fazia sentido, afinal, a caminhonete era baseada no Corcel, modelo cuja alcunha também remete aos equinos.

A Pampa teve uma longa trajetória: começou a ser produzida em 1982 e só saiu de linha em 1997. Até hoje, é a picape compacta de maior aceitação da Ford no mercado brasileiro. Sua sucessora, a Courier, não fez tanto sucesso.

15. Chevrolet Amazona

chevrolet amazona
O nome correto é Chevrolet Amazona, e não ‘Amazonas’

A falta de uma única letra pode fazer enorme diferença. A Chevrolet Amazona que o diga: seu nome é sinônimo de “mulher que monta a cavalo”, segundo o dicionário Michaelis. Não a confunda, portanto, com Estado do Amazonas (com ‘s’), na Região Norte do país.

O início das atividades da Chevrolet no Brasil foi marcada pela fabricação de veículos multiuso. A linha era composta pela picape 3.100 e o furgão Corisco, além do utilitário Amazona, cuja produção foi de 1959 a 1964.

16. Volkswagen SP1 e SP2

07 volks sp21972 21 03 13
Segundo a Volkswagen, a sigla SP dos nomes dos carros significa Sport Prototype

A dupla de carros esportivos da Volkswagen tem nomes polêmicos. É que existe uma versão de que o batismo deles seria uma homenagem ao Estado de São Paulo, onde está localizada uma das fábricas da empresa. Ocorre que a explicação oficial da marca alemã na época do lançamento foi outra: as letras SP seriam as iniciais de Sport Prototype.

Ambos os modelos compartilhavam a mesma carroceria, mas tinham diferenças no motor e no interior. O SP1 era equipado com uma unidade 1.6 refrigerada a ar e tinha o habitáculo um pouco mais simples. Já o SP2 dispunha de propulsor 1.7 e era mais sofisticado.

7 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    carlos antonio neves teixeira 24 de maio de 2020

    e o del Rey?

  • Avatar
    Paulo Eduardo Silva dos Santos 15 de abril de 2020

    Cadê o Escort Guarujá?

    • Avatar
      Dennys Marques 28 de maio de 2020

      Ia comentar isso mesmo.

  • Avatar
    Ornilo Alves da Costa Junior 6 de abril de 2020

    Poderá constar ainda o bravo Bandeirante, da Toyota. Trata-se de município catarinense e também denomina o homem que desbravou o Brasil. Aliás, este foi o homenageado pelo inesquecível jipe!

    • Alexandre Carneiro
      Alexandre Carneiro 6 de abril de 2020

      Olá, Ornilo.
      No caso do jipe da Toyota, a referência não é o município, e sim os exploradores do território nacional. Tem muita lógica, pois, assim como eles, o veículo 4×4 deveria desbravar locais pouco conhecidos e de difícil acesso. Só valeria a pena citá-lo entre os últimos modelos do listão, que parecem homenagear alguns locais, mas, na verdade, foram batizados seguindo outros critérios.
      Abraço e obrigado por comentar.

  • Avatar
    Geraldo Nunes Silva 5 de abril de 2020

    Faltou o Belcar Rio 1967 Vemag.

    • Alexandre Carneiro
      Alexandre Carneiro 6 de abril de 2020

      Caro Geraldo,
      É uma boa lembrança, mas Rio é o nome da série especial, enquanto o nosso listão é sobre nomes de carros, que, nesse caso, segue sendo Belcar.
      Abraço e obrigado por comentar.

Avatar
Deixe um comentário