Carros para quem odeia dirigir: 5 modelos entediantes para o motorista

Esses automóveis podem até ter outras qualidades, mas boa dirigibilidade, definitivamente, não está entre elas

motorista entediado mao na cabeca
Para você, prazer ao dirigir é essencial? Então, é melhor passar longe dos carros deste listão (arte: Ernani Abrahão | AutoPapo)
Por Alexandre Carneiro
24 de outubro de 2021 08:18

Existe uma frase em língua inglesa que costuma ser citada por entusiastas de automóveis: life’s too short to drive boring cars (a vida é muito curta para dirigir carros chatos, em uma tradução livre). Se você pensa assim, é melhor passar longe dos modelos citados no listão de hoje: o AutoPapo selecionou 5 automóveis que não empolgam ao volante, devido, principalmente, ao desempenho fraco e ao comportamento dinâmico limitado.

VEJA TAMBÉM:

5 carros que não proporcionam prazer ao dirigir

Entraram no listão apenas veículos que são vendidos zero-quilômetro no mercado brasileiro: carros antigos ou fora de linha ficaram de fora. A maioria dos modelos é do tipo SUV, pois, como o leitor do AutoPapo já sabe, esse tipo de carro não preza pelo prazer ao dirigir. Contudo, há veículos de diferentes categorias e faixas de preço. Confira!

1. Renault Kwid

renault kwid outsider frente
Dirigibilidade do Renault Kwid deixa a desejar mesmo para um modelo de entrada (foto: Alexandre Carneiro | AutoPapo)

Via de regra, o prazer ao dirigir está longe de ser prioridade em carros de entrada. Afinal, esses veículos têm foco no baixo custo de produção e, por isso, dispensam refinamentos técnicos. Porém, o Renault Kwid exagera na dose, mesmo para um modelo desse segmento.

Avaliamos o Renault Kwid na versão top de linha Outsider: assista ao vídeo!

Para começo de conversa, a suspensão traseira utiliza eixo rígido, em vez do similar de torção. Esse sistema é apreciado em picapes, pois, quando associado a molas semielípticas, permite grande capacidade de carga. Por outro lado, é menos eficiente para filtrar as imperfeições do solo e para conter o balanço da carroceria em curvas. Por isso, a aplicação a um hatch subcompacto, como o Kwid, acaba trazendo mais contras do que prós.

Além do mais, o modelo é alto e tem bitolas estreitas, características que também prejudicam a estabilidade. Para piorar, o câmbio manual tem engates imprecisos, enquanto a direção, com assistência elétrica, é indireta e tem pouca progressividade. Para não dizer que tudo está perdido, ao menos o desempenho é correto para um carro 1.0 de aspiração natural, graças ao baixo peso: cerca de 800 kg, apenas.

2. Toyota Corolla Cross Hybrid

3 toyota corolla cross hybrid 2022
Dinâmica do Corolla Cross é nitidamente inferior à do sedan (foto: Toyota | Divulgação)

Ao menos no Brasil, o sedan da gama Corolla nunca entregou esportividade. Pelo contrário: sempre teve comportamento familiar, caracterizado pelo rodar suave e confortável. Apesar disso, o modelo consegue agradar o motorista com uma dinâmica correta. A atual geração, por exemplo, tem suspensão traseira multibraço capaz de proporcionar ótima estabilidade, enquanto o motor 2.0 de até 177 cv de potência assegura boa performance.

Contudo, a coisa muda de figura em relação à configuração Cross, o SUV da linha Corolla. Apesar da carroceria mais alta, que eleva o centro de gravidade e, portanto, prejudica a estabilidade, o modelo ganhou uma suspensão traseira do tipo eixo de torção, mais simples e menos eficiente. O desempenho também é pior em relação ao do sedan, já que a carroceria mais volumosa impõe aerodinâmica pior e peso extra de aproximadamente 80 kg.

A situação é particularmente mais entediante na versão Hybrid, que tem propulsão híbrida e foco no consumo de combustível. Nela, a potência combinada dos motores a combustão e elétrico é de apenas 122 cv. Além do mais, o câmbio CVT não simula marchas. Com estabilidade e desempenho medíocres, resta ao motorista ter calma e apreciar a paisagem.

3. Chevrolet Spin

Monovolumes, como o Spin, não costumam empolgar o motorista (foto: Alexandre Carneiro | AutoPapo)

É verdade que carros do tipo monovolume, como o Spin, nunca foram sinônimos de prazer ao dirigir. A prioridade é o espaço interno e a modularidade do interior e, nesse aspecto, não há muito o que criticar no modelo: vale lembrar que ele é o veículo de sete lugares mais acessível do país. Ainda assim, a Chevrolet poderia ter dado um pouco mais de atenção à dirigibilidade.

O pênalti da Spin é o antiquado motor 1.8 Família I que, apesar da alta cilindrada, desenvolve no máximo 111 cv de potência. Para piorar, essa unidade tem funcionamento áspero. A grande vantagem é a entrega de bom volume de torque em baixa rotação, mas a falta de fôlego fica nítida à medida que o conta-giros sobe. A posição ereta e elevada para dirigir, típica dos monovolumes, completa a atmosfera de passividade para o motorista.

Por outro lado, é preciso reconhecer que nem tudo é tédio ao volante de um Spin. O acerto de suspensão não deixa a carroceria rolar excessivamente em curvas, enquanto o câmbio automático de seis marchas tem relações corretas. A dirigibilidade certamente melhoraria bastante se o monovolume adotasse o motor 1.2 turbo de 133 cv do atual Chevrolet Tracker.

4. Fiat Doblò

fiat doblo prata de frente em movimento
Prazer ao dirigir não é o foco de carros utilitários como o Doblò (foto: Fiat | Divulgação)

O Doblò é um veículo utilitário por natureza: classificado como multivan, ele tem uma carroceria versátil, capaz de acomodar tanto passageiros quanto carga. O design quadrado, que aproveita ao máximo o espaço interno, e as portas laterais corrediças, que abrem grandes vãos de acesso ao habitáculo, evidenciam o caráter multiuso do modelo. Mas bem que a Fiat poderia ter dado um mínimo de atenção para o condutor.

Quem dirige um Doblò manuseia um câmbio de engates imprecisos e precisa ter atenção redobrada em curvas, pois a estabilidade deixa a desejar. Ademais, o motor 1.8, apesar de entregar 132 cv, mostra-se fraco para os mais de 1.300 kg de peso do modelo. Por fim, o modelo apresenta alto consumo de combustível.

Parte desses problemas deve-se ao projeto ultrapassado: lançado no Brasil em 2001, o Fiat Doblò sofreu algumas atualizações, mas nunca teve uma nova geração propriamente dita e, atualmente, é o automóvel mais antigo em produção no país. Por fim, há a posição de dirigir verticalizada e nada empolgante, semelhante à do Spin.

5. Mitsubishi Outlander Sport

mitsubishi outlander sport 2021 cinza frente
Projeto ultrapassado compromete o comportamento do Outlander Sport (foto: Mitsubishi | Divulgação)

Assim como o Doblò, o Outlander Sport também sente o peso dos anos. Lançado mundialmente em 2010, o modelo chegou ao Brasil com o nome de ASX. No ano passado, o SUV sofreu uma reestilização frontal e mudou de identidade, mas manteve todas as características gerais de projeto.

Vale lembrar que, enquanto a multivan da Fiat tem proposta essencialmente utilitária, o SUV da Mitsubishi é um produto mais sofisticado, com preços na casa dos R$ 160 mil. Nessa faixa de valor, o segmento é bastante concorrido, repleto de concorrentes mais jovens, todos superiores quando o assunto é dirigibilidade.

Não seria justo dizer que o Outlander Sport é fraco: afinal, tem um motor 2.0 de até 170 cv de potência. O problema é o peso elevado, superior a 1.400 kg. O câmbio CVT também não ajuda: ele até simula seis marchas, mas não está bem-casado com o propulsor. O diferencial do modelo acaba sendo apenas a tração integral, que, todavia, vem apenas na versão top de linha, que já bate em R$ 170 mil.

Bônus: Ford Territory

ford territory 2021 branco dianteira - foto: Alexandre Carneiro | AutoPapo
No segmento do Territory, era de se esperar melhor dirigibilidade (foto: Alexandre Carneiro | AutoPapo)

O Territory entrou como bônus na lista porque não é nacional e tem baixo volume de vendas. Porém, o caso é que a Ford tem tradição em desenvolver carros que dão prazer ao volante. O início dessa espécie de filosofia possivelmente ocorreu durante 1994 e 1998, quando o engenheiro britânico Richard Parry Jones tornou-se vice-presidente global de desenvolvimento de produtos.

Jones colocava o comportamento dinâmico como característica primordial de um automóvel. Não por acaso, sob a batuta dele, a Ford criou carros mundialmente elogiados pela dirigibilidade, como as primeiras gerações de Ka e Focus. O britânico se aposentou em 2007 – e morreu no último mês de abril, aos 69 anos, em um acidente de trator -, mas a multinacional continuou seguindo os preceitos valorizados por ele.

Menos no Territory, que é um carro absolutamente sem graça para se dirigir: a suspensão proporciona estabilidade não mais que razoável, a direção, com assistência elétrica, é indireta e artificial, o motor 1.5 turbo tem pouco fôlego em baixa rotação e, ainda por cima, não está bem-casado ao câmbio CVT, que também é letárgico. Em suma, é exatamente o oposto dos antigos modelos da Ford, idealizados por Jones.

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Sir.Alves 27 de outubro de 2021

Pra quem gosta de Dirigir nacionais médios… Civic sport 1.8 MANUAL… #SemMais.

Avatar
Rudmar Mendes 26 de outubro de 2021

Aproveitando o embalo coloca uma matéria dos melhores para quem gosta de dirigir.

Avatar
bruno alves vasconcelos 24 de outubro de 2021

Grande Matéria! EXCELENTE! Compartilho destas opiniões (já dirigi alguns desses carros) e sei exatamente q vc pisou nos pontos fracos de cada um com Maestria.. Esses carros sem sal são meros meios de transporte (considero o Kwid um atentado contra a segurança e bem pior que o Mobi que é muito melhor em dirigibilidade) .

Avatar
Deixe um comentário